segunda-feira, dezembro 25, 2006

Jornalismo de Invenção. Tudo a ver?

Em minha época de universidade a gente considerava alienados aqueles que não estavam a par do que acontecia nos porões da ditadura que a quartelada de 1964, com o apoio de nossa gloriosa classe média, implantou. Os agentes da ditadura freqüentavam as redações da mídia para escolher o que seria publicado ou não. Hoje parte dessa mídia, a mais bem aquinhoada, faz isso por conta própria. Escolhe o que você deve saber ou não. E você acha que está bem informado. Pois é. O que mudou daqueles dias para os atuais?
Na semana passada, um repórter da Globo criticou a direção e o "jornalismo" da emissora. Leia a carta de Rodrigo Vianna, no Terra:
Demitido, repórter da Globo critica direção

E veja o que o Fernando Morais disse à ótima Língua Portuguesa:
"Toda generalização é perigosa, mas o que vem ocorrendo é uma partidarização, de maneira hipócrita, porque escondida do leitor. A Veja, símbolo disso, virou um partido de direita e não diz. Virou uma publicação sórdida".

Monte Verde

 
Neste Natal fui a Monte Verde (Minas, 160 km de São Paulo pela Fernão Dias). Já tinha ido lá antes, mas dessa vez fui conhecer suas montanhas. Não sei como não o fiz antes. Quando viajo pelo interior do país, tenho o costume de procurar um mirante, um cruzeiro, um Cristo, um teleférico etc, enfim um lugar alto pra admirar a paisagem, vista de cima. Até parece pagamento de promessa. E agora chegou a vez de Monte Verde, afinal. Fui caminhar por suas trilhas até a Pedra Partida (2050m, ver foto), a Pedra Redonda (1990m), o Chapéu do Bispo (2030m) e o Platô (1900m). Fiquei com as pernas doloridas, mas valeu a pena. Com céu limpo, dá pra ver o Vale do Paraíba - imagens belíssimas. Pena que não levei a máquina fotográfica; só o celular. Mas para paisagens assim, melhor uma máquina fotográfica com uma boa lente para distãncia. É bom ir de roupa leve, incluindo uma blusa porque lá em cima venta bastante. Água é importante também. E o ideal é ir de manhã, porque pode chover, subir neblina, e para dar tempo de voltar com a luz do dia porque se gasta algumas horas, dependendo da disposição e do que você decidir ver. Na próxima vez vou ao Pico do Selado (2083m), o ponto mais alto da região, e mais longe também - mais de uma hora e meia de caminhada; ida e volta, três horas. Que tal? Se não gosta de caminhar tanto, um passeio pela cidade também vale a pena, com seu clima de Campos de Jordão, mas mais simples, natural. Recomendo. Posted by Picasa

domingo, dezembro 17, 2006

Matar um Sabiá

Acabei de ver "O Sol É Para Todos" (To Kill A Mockingbird, 1962, Robert Mulligan), drama estrelado por Gregory Peck, como o advogado sulista Atticus Finch, que defende um negro de uma acusação injusta de estupro, numa cidadezinha em plena Era da Depressão. Destaque para suas crianças, o garoto 'Jem' (Phillip Alford) e a menina 'Scout' (Mary Badham), que foi a atriz mais jovem a ser indicada ao Oscar. Não sei por quê, mas eles chamavam o pai pelo nome, "Atticus", e não "Dad". E adivinhe quem era o sabiá (mockingbird). Melhor você assistir, se gosta da Sétima Arte.

segunda-feira, dezembro 11, 2006

Muere el dictador chileno Augusto Pinochet

A morte venceu a justiça. Como disse o escritor uruguaio Mario Benedetti, "é a morte de um ditador que foi muito cruel com uma parte de seu povo. Julgando a história eu o condeno."
Que ironia! O ditador morreu bem no Dia Internacional dos Direitos Humanos! Bem, não vou fazer nenhum comentário porque qualquer comentário agora não seria racional, mas somente emocional. Quero apenas lembrar das milhares de vítimas da ditadura chilena, em solidariedade a seus amigos, parentes e familiares espalhados mundo afora.
Se murió el dictador, pero Victor vive. Mira:

sexta-feira, dezembro 08, 2006

Veja mais algumas do folhetim da direita

No último dia 29 o jornalista Joelmir Betting leu um editorial do Grupo Bandeirantes que me chamou a atenção, mas não tive tempo de comentar. Hoje pela manhã seu canal de notícias BandNews noticiou que a Justiça pediu explicações ao Grupo Abril sobre sua associação com os racistas sul-africanos da Naspers. "Veja" os links:

E o artigo do jornalista Altamiro Borges:

terça-feira, dezembro 05, 2006

Os Abutres Têm Fome

Outro dia vi "Os Abutres Têm Fome" (Two Mules for Sister Sara, 1970, Don Siegel), um faroeste em que o mercenário americano Hogan (Clint Eastwood) salva de bandidos a irmã Sara (Shirley MacLaine), que é uma freira um tanto diferente. Os dois acabam lutando juntos contra os franceses - ele pela recompensa, e ela pela causa mexicana. O destaque é a música do Ennio Morricone, que marcou época nos melhores faroestes de todos os tempos - os grandes filmes do Sergio Leone. Neste gênero o Don Siegel, que também se apresentava como Donald Siegel, teve a sorte de dirigir seu melhor western, "O Último Pistoleiro" (The Shootist, 1976), em que John Wayne era um velho pistoleiro a fim de um último desafio porque sabia que ia morrer de câncer. E de fato este foi o último filme de John Wayne, que morreu de câncer três anos depois. Conclusão: se você gosta de faroeste, não deixe de ver ou rever estes dois filmes do Don Siegel.

sábado, novembro 18, 2006

A Noiva Cadáver

O nome do filme pode assustar à primeira vista, assim como a personagem principal, mas aos poucos a gente vai gostando até ficar encantado com essa bela animação bem dirigida pelo descabelado Tim Burton: "A Noiva Cadáver" (Corpse Bride, 2005). Tudo é bem feito: os bonecos, os desenhos, as pinturas, a animação quadro a quadro, a música de Danny Elfman, e as vozes de Johnny Depp, Helena Bonham Carter, Emily Watson e Christopher Lee, entre outros. Em uma vila européia, em plena era vitoriana, durante a decadência da aristocracia e ascenção da burguesia, Vítor (dublado por Johnny Depp), filho de peixeiros, é obrigado a se casar com Vitória (dublada por Emily Watson), filha de aristocratas. Mas acaba indo parar nos braços da noiva cadáver na Terra dos Mortos que, observe, é muito mais colorida que o mundo dos vivos. Dark, romântico, divertido. Se você não viu, alugue correndo. Mas antes veja meu post sobre Tim Burton e Johnny Depp. E boa diversão.

quarta-feira, novembro 15, 2006

71a Exposição Nacional de Orquídeas

  
De hoje a domingo, das 8 às 18 horas, acontece a 71a. Exposição Nacional de Orquídeas no Orquidário Municipal de Santos. Além da exposição, há venda de flores, sem contar que o Orquidário é um belíssimo parque zoobotânico. Custa apenas R$1,00 e vale a pena. É como se fosse um paraíso ecológico no meio da cidade, aliás praticamente na divisa com São Vicente. Há diversos pássaros e animais silvestre, a maioria soltos pelo parque. Tem cheiro de mato, ar bucólico. Veja também o sítio da Associação dos Orquidófilos de Santos.
Para quem não conhece, ali perto fica a Ilha Porchat, que tem um mirante projetado pelo Oscar Niemeyer com uma bela vista da baía de São Vicente e Santos. A vista a partir do restaurante ao lado também vale a pena. Dá para ver também o teleférico e o morro do Voturuá, de onde o pessoal salta de parapente e asa delta. Dali se vê também a área da Biquinha, com seus museus, casas culturais e construções históricas. E a Ponte Pênsil, saída para Praia Grande. Recomendo.

   Posted by Picasa

domingo, novembro 12, 2006

Cinema: Tim Burton e Johnny Depp

É interessante notar como os diretores transmitem a seus filmes uma espécie de impressão digital, marca registrada. Muitas vezes basta ver determinado ator ou atriz e algumas cenas que já sabemos quem é o diretor. As vezes não é o diretor que a gente imaginava, mas é um outro seguindo seu estilo, lhe prestando uma homenagem, citando-o. Há diversos exemplos. Mas me ocorre agora comentar sobre Tim Burton. Já fiquei fã de seu estilo sombrio, macabro, bizarro... Seus filmes têm uma atmosfera sinistra, um visual meio gótico meio kitsch, e sempre aquele humor negro inconfundível. Isso é bastante nítido nos filmes que ele fez com o Johnny Depp: "Edward Mãos de Tesoura" (Edward Scissorhands, 1990), "Ed Wood" (1994), "A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça" (Sleepy Hollow, 1999), "A Fantástica Fábrica de Chocolate" (Charlie and the Chocolate Factory, 2005) e "A Noiva Cadáver" (Corpse Bride, 2005). E gostaria de citar também outros cinco filmes em que o Johnny Depp não atuou, mas que são característicos de Tim Burton: "Beetle Juice - Os Fantasmas se Divertem" (Beetle Juice, 1988), "Batman - O Filme" (Batman, 1989), "Batman - O Retorno" (Batman Returns, 1992), "Marte Ataca!" (Mars Attacks!, 1996) e "Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas" (Big Fish, 2003). Tim Burton afirmou certa vez que para ele "filmes são como uma forma cara de terapia". Eu diria que para mim os filmes são uma forma barata de terapia. Sem dúvida, Tim Burton é um diretor genial.

domingo, outubro 29, 2006

Homenagem à direita brasileira

Hoje você é quem manda. Falou, tá falado. Não tem discussão. A minha gente hoje anda falando de lado e olhando pro chão, viu. Você que inventou esse estado e inventou de inventar toda a escuridão, você que inventou o pecado, esqueceu-se de inventar o perdão.
Apesar de você, amanhã há de ser outro dia. Eu pergunto a você onde vai se esconder da enorme euforia, como vai proibir quando o galo insistir em cantar, água nova brotando e a gente se amando sem parar.
Quando chegar o momento, esse meu sofrimento vou cobrar com juros, juro. Todo esse amor reprimido, esse grito contido, este samba no escuro. Você que inventou a tristeza, ora, tenha a fineza de desinventar. Você vai pagar e é dobrado cada lágrima rolada nesse meu penar.
Apesar de você, amanhã há de ser outro dia. Inda pago pra ver o jardim florescer qual você não queria. Você vai se amargar vendo o dia raiar sem lhe pedir licença. E eu vou morrer de rir, que esse dia há de vir antes do que você pensa.
Apesar de você, amanhã há de ser outro dia. Você vai ter que ver a manhã renascer e esbanjar poesia. Como vai se explicar vendo o céu clarear de repente, impunemente? Como vai abafar nosso coro a cantar na sua frente?
Apesar de você, amanhã há de ser outro dia. Você vai se dar mal etc e tal...


Esta é minha homenagem aos senhores Antônio Carlos Magalhães, Jorge Bornhausen, José Carlos Aleluia, Tasso Jereissati, Geraldo Alckimin, Arthur Virgílio, Roberto Freire e outros estalinistas que compuseram com a direita, os pelegos da Força Sindical, seu braço na mídia, especialmente O Globo, Época, O Estado de S.Paulo e Veja, e enfim, desculpem-me se não consigo incluir a todos. Aceitem de coração esta canção do Chico Buarque, oferecida antes a seus amigos de fardas.

Notícias do Brasil

Uma notícia está chegando lá do Maranhão. Não deu no rádio, no jornal ou na televisão. Veio no vento que soprava lá no litoral de Fortaleza, de Recife e de Natal. A boa nova foi ouvida em Belém, Manaus, João Pessoa, Teresina e Aracaju. E lá do norte foi descendo pro Brasil central. Chegou em Minas, já bateu bem no sul. Aqui vive um povo que merece mais respeito. Sabe, belo é o povo como é belo todo amor. Aqui vive um povo que é mar e que é rio. E seu destino é um dia se juntar. O canto mais belo será sempre mais sincero. Sabe, tudo quanto é belo será sempre de espantar. Aqui vive um povo que cultiva a qualidade - ser mais sábio que quem o quer governar. A novidade é que o Brasil não é só litoral. É muito mais, é muito mais que qualquer zona sul. Tem gente boa espalhada por esse Brasil, que vai fazer desse lugar um bom país. Uma notícia está chegando lá do interior. Não deu no rádio, no jornal ou na televisão. Ficar de frente para o mar, de costas pro Brasil, não vai fazer desse lugar um bom país.
Obrigado, Milton Nascimento.

A mídia nossa de cada dia

Para aqueles que lêem as revistas Veja e Época, e os jornais O Estado de S.Paulo e O Globo, e pensam que estão bem informados, tenho sugerido considerar a imprensa alternativa e media watchers como este:

Equilíbrio, cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém. E até nos mantém relativamente imunes à lavagem cerebral imposta pelo "ministério da verdade" e a "polícia do pensamento". É melhor resistir e não deixar o Big Brother escolher o que a gente deve pensar e dizer.

quarta-feira, outubro 25, 2006

Mais imprensa alternativa

Se você anda "vendo" certas revistas por aí, pensando que está bem informado, permita-me sugerir uma troca de canal. Às vezes é bom olhar sob outros pontos de vista, entende?
Exemplo: os estudantes de jornalismo do Rio de Janeiro, a maioria da Universidade Federal Fluminense (UFF), e de Porto Alegre, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) mantêm um jornal chamado "Fazendo Média". Clique no link para saber mais.
Chamou-me a atenção a matéria sobre o processo do senador Bornhausen contra o professor Emir Sader por este ter publicado o artigo intitulado "O ódio de classe da burguesia brasileira". Na próxima segunda, voltarei a este tema.

sexta-feira, outubro 20, 2006

Veja que porcaria!

O fim da semana está chegando. O fim da campanha eleitoral também. Pode ter certeza de que a direita, desesperada, vai tentar uma última cartada. Como em 1989. Lembra? Pois é. Então, antes de "ver" a revista deles neste fim de semana, sugiro ler gratuitamente as seguintes revistas digitais:

Parodiando Thomas Jefferson (1743-1826), que criticava os jornais de sua época, eu diria que na mídia atual as únicas verdades confiáveis são os anúncios publicitários. Você já notou a quantidade de propaganda que existe em certas revistas e jornais, e em determinadas emissoras de rádio e de TV?

quarta-feira, outubro 18, 2006

Eleições - novidades

Estava passando os olhos por alguns sítios da Internet e encontrei o blog Contrapauta - Monitoramento Crítico de Mídia, um media watcher independente. É bem interessante, e me chamou a atenção seu post "Portaria do MEC que moraliza compra de livro didático cortou R$ 40 milhões do faturamento da Abril". Agora dá para entender um pouco mais a revista Veja: "As empresas não têm ideologia, têm negócios".
Sem a intenção de fazer trocadilhos, veja aqui à direita, abaixo, o clipping O Informante.
Achei melhor explicitar minha opção de voto porque ultimamente tenho recebido muito spam político-eleitoral de amigos e colegas que são de direita, uns por opção ideológica, outros por ignorância política. Claro que não vou gostar mais ou menos destas pessoas, mas certamente vou conhecê-las melhor. E estou achando ótimo isso - entender porque fazemos determinadas escolhas. Quais sentimentos nos motivam, de quais informações dispomos...Interessante momento de reflexão, de introspecção!

segunda-feira, outubro 16, 2006

Bueno Brandão

 
Lembra que no mês passado estive em Bueno Brandão, ex-Campo Místico? Pois é. Gostei tanto que voltei lá nesse feriado. Dessa vez fui conhecer as cachoeiras dos Félix (30 m), do Machado I (15 m) e II (70 m), do David I e II, do Vale dos Avestruzes (18 m, ex-Santa Rita) e do Recanto Nossa Cachoeira. Também visitei os mirantes do Pico dos Dois Irmãos (1600 m) e do Morro da Serrinha (1500 m). Como o acesso à maioria destas atrações é difícil, optei pelos roteiros em gaiola com um guia da GAVA - Ecoturismo e Aventura. Destaco também a boa, caseira e simples comida mineira no fogão à lenha do Restaurante O Cumpadi. Pertinho dali, estão as vizinhas Inconfidentes (7000 hab.) e Borda da Mata (15000 hab.), além de Ouro Fino (30000 hab.), Monte Sião (19000 hab.) e Jacutinga (20000 hab.), que formam o chamado "circuito mineiro das malhas", onde os preços de roupas em geral são incrivelmente baixos. Vale a pena conferir. Posted by Picasa

domingo, outubro 08, 2006

Se Eu Fosse Você

Ontem vi "Se Eu Fosse Você", o novo filme do Daniel Filho, que dirigiu também "A Dona da História" (2004) e o ótimo "A Partilha" (2001). Cláudio (Tony Ramos), 50 anos, e Helena (Glória Pires), 40 anos, formam um casal de classe média que, depois de uma discussão, trocam de corpos devido a um alinhamento especial de planetas. Aí é muito divertido ver um fazendo o papel do outro, esforçando-se ao máximo para que ninguém descubra o que aconteceu. O resultado é que cada um vê o mundo a partir da perspectiva do outro e acabam se entendendo e se valorizando reciprocamente. Boa comédia, principalmente para casais. Confira. Você vai sair do filme uma outra pessoa.

sexta-feira, outubro 06, 2006

Sete Homens e Um Destino

Em 1960 John Sturges (1911-1992) dirigiu "Sete Homens e Um Destino" (The Magnificent Seven), baseado em "Os Sete Samurais" (Shichinin no samurai, 1954), obra-prima de Akira Kurosawa e um dos melhores filmes de todos os tempos. Na versão americana, uma aldeia mexicana, que tem sua colheita confiscada por bandoleiros, contrata sete pistoleiros para se defender. Estão no elenco Yul Brynner, Steve McQueen, Charles Bronson, Robert Vaughn, James Coburn e Eli Wallach. A música de Elmer Bernstein dispensa comentários - é excelente. Lembrando o título original, achei magnífico este clássico do faroeste. CINEMA inesquecível tanto para quem gosta de faroeste, como para quem não gosta. Basta começar a ver para ficar encantado.

quarta-feira, outubro 04, 2006

O Papel da Imprensa

A imprensa e a mídia são conhecidas como o "quarto poder" porque têm um papel importante no mundo democrático. A liberdade de pensamento, de opinião, de expressão e de imprensa é fundamental. Não é à toa que esta liberdade é a primeira vítima dos regimes totalitários de qualquer tendência. Por outro lado, é importante que a imprensa e a mídia não estejam concentradas nas mãos de apenas alguns setores da sociedade, para que não se transformem em porta-vozes exclusivos destes segmentos. A imprensa e a mídia devem ser veículos de opinião e expressão de todos, de toda sociedade, e não de apenas uma parcela desta.
É muito importante ler a notícia. Mas é muito importante saber porque recebemos esta notícia. Devemos perguntar: "por que esta notícia está na primeira página?". É bom ler o jornal, mas é melhor saber o que pensa o dono do jornal. Por que ele quer que a gente leia determinada notícia? Muitas vezes informa-se o que se quer informar, o que é conveniente informar. Uma boa estratégia para enfrentar esta situação é, além de conhecer a fonte da informação, variar, ouvir o que os outros, se existirem, têm a dizer. Tão importante quanto a informação em si mesma, é o conhecimento de sua fonte. Isto foi a primeira lição que aprendi na universidade.
Conheço muita gente que lê somente um determinado jornal, compra somente uma determinada revista, ouve somente determinada emissora de rádio, assiste somente determinado canal de TV...e pensa que está bem informada. Será que os donos desses veículos de comunicação têm algo em comum? E o que seria? Você já pensou sobre isso?
Para saber mais sobre a imprensa marrom:

Favor clicar no link acima.

segunda-feira, outubro 02, 2006

O candidato da Opus Dei

Saiba um pouco mais sobre o candidato da direita, que posa de liberal e centrista:

Favor clicar no link acima.

A Resposta do Povo

Bem, desculpem-me os eleitores do candidato da direita, mas acho que agora preciso explicitar meu voto. Quem já leu alguns de meus posts sobre política, embora não sejam muitos (nem os posts nem os leitores), deve ter percebido que meu pensamento político poderia ser classificado como de esquerda. Hoje creio ser antes de tudo um democrata. Nos anos de chumbo, quando freqüentei a Unicamp e depois a USP, identifiquei-me com a esquerda política, que naquele momento lutava pela redemocratização do país, ao lado de setores da Igreja Católica, de movimentos populares, de operários, de estudantes e de parlamentares do MDB. Esse foi meu berço político. Foi nesse momento que descobri o Brasil de verdade, porque a propaganda oficial era de que éramos um país que "ia pra frente" e que devíamos "amá-lo ou deixá-lo". Assim, embora particular e felizmente não tenha tido nenhum parente ou amigo próximo que tivesse desaparecido pelas mãos dos agentes do regime, tenho certa ojeriza àqueles que por ação ou omissão contribuíram com a ditadura militar. Alguns podem achar que estou sendo repetitivo. Surpreendo-me diversas vezes com gente jovem que desconhece completamente a história recente do país e por isso faz escolhas baseadas num misto de ignorância, preconceito e hipocrisia. Aí recorro novamente a Rui Barbosa (1849 - 1923), que disse que "um país sem memória não é apenas um país sem passado - é um país sem futuro". É triste ver gente que desfruta da democracia, mas que vota naqueles que, ao ver seus interesses comprometidos, agiram ou estiveram ao lado dos que agiram contra essa mesma democracia.
Concordo que muitos democratas erraram, colocaram as mãos na sujeira, frustraram as nossas expectativas, misturaram-se aos porcos de Orwell ou deixaram de representar o povo para representar a si mesmos e suas pretenções de poder. E por isso serão julgados, mais cedo ou mais tarde, pela justiça ou pelas urnas. Mas não será por isso que vamos virar a casaca, desertar e correr para o lado daqueles que nuncam foram democratas. Não convém desanimar-se da honra, desistir das virtudes, deixar para trás o sonho e os ideais. Poderão dizer que somos sonhadores, mas não somos os únicos, nem poucos.
Não ficou claro? Eu voto em Lula, de novo.

sábado, setembro 30, 2006

A Malvada

Há filmes dos quais a gente pode gostar ou não, mas que têm que ser vistos porque são antológicos, e ficaria difícil falar de cinema sem conhecê-los. É o caso de "A Malvada" (All About Eve, Joseph L. Mankiewicz, 1950), cujo roteiro é um dos melhores de todos os tempos. Junto com "Titanic" (James Cameron, 1997), mas muito antes (e melhor), recebeu o maior número de indicações ao Oscar - 14. É a estória de Eve Harrington (Anne Baxter), que se aproxima da famosa atriz Margo Channing (Bette Davis) para, aos poucos, tomar seu lugar. Marilyn Monroe tem um papel secundário neste filme, que é o melhor em que as três atuaram. Só para lembrar, Anne Baxter foi dirigida pelo gênio Hitchcock em "A Tortura do Silêncio" (I Confess, 1953). Essa é minha dica de cinema para hoje.

domingo, setembro 17, 2006

Ontem Ruanda, hoje Darfur

Esta semama aluguei "Hotel Ruanda" (Hotel Rwanda, 2004, Terry George), uma história real. É um belo filme com Don Cheadle, que faz o gerente Paul Rusesabagina, Sophie Okonedo, sua mulher Tatiana, e Nick Nolte, o coronel da ONU, Oliver. O tema é o genocídio ocorrido em Ruanda em 1994. Porque não tinha nada além de chá e café, Ruanda foi ignorada pela ONU devido ao veto dos Estados Unidos. Os americanos já tinham se dado mal em 1993 na Somália, quando tiveram 18 soldados mortos, além de 79 feridos. Hoje a história de genocídio e abandono se repete em Darfur, no Sudão. Aliás, antes de ontem o ator George Clooney e o ganhador do Nobel da Paz Elie Wiesel chamaram novamente a atenção da imprensa ao solicitar que o Conselho de Segurança da ONU faça alguma coisa para deter as atrocidades que estão sendo cometidas na região. E hoje, conforme a Folha e a BBC, eventos em 30 países pedem o fim dessa crise.

Última flor do Lácio, inculta e bela

O título acima é uma expressão de um poema de Olavo Bilac (1865-1918), conforme o sítio Nossa Língua_Nossa Pátria. O professor Pasquale Cipro Neto também faz referência a ela em seu sítio Nossa Língua Portuguesa.
Você reparou que estou usando "sítio" em vez de "site"? Acho que é uma tendência formal no Brasil e em Portugal. Não se vai pegar, mas pelo menos neste post sobre a nossa língua, vou usar sítio.
Por falar nisso, veja alguns links interessantes que a Revista Língua Portuguesa traz este mês:

É isso. Não apenas neste contexto propriamente, mas podemos dizer que a fala e a escrita são espelhos das pessoas. Como disse Abraham Lincoln (1809 - 1865), citando o rei e profeta Salomão (997 AC?): "Better to remain silent and be thought a fool than to speak out and remove all doubt". Isto é, até o ignorante passa por sábio se ficar calado, mas se falar então ninguém mais vai ter dúvidas.

segunda-feira, setembro 11, 2006

Veja 40% de propaganda

Pessoal, outra alternativa à revista Veja: a revista Fórum, que descobri hoje no Blog do Josias. Se você quer ter uma idéia mais clara e ampla do que vem acontecendo, esqueça por um momento a imprensa conservadora e dê uma olhadela na imprensa alternativa às vezes. Vai arejar suas idéias. E você não vai ter que pagar por tanta propaganda indesejada. Try it.

domingo, setembro 10, 2006

As nossas meninas também são hexa!

As meninas do Brasil vencem a Rússia e conquistam invictas o World Grand Prix pela sexta vez! A Federação Internacional de Volleyball destaca que é nosso terceiro título consecutivo na seguinte manchete:
Brazil makes it a World Grand Prix hat-trick in 2006.

Ouro Fino


Toda vez que eu viajava pela estrada de Ouro Fino de longe eu avistava a figura de um menino... Essa estátua do "Menino da Porteira" (Teddy Vieira e Luizinho) está bem na frente de uma das entradas de Ouro Fino, a princesinha do circuito das malhas do sul de Minas. Passei por lá na ida e na volta de meu passeio a Bueno Brandão, que já se chamou Campo Místico, com suas 33 cachoeiras - uma delas é a Cachoeira do Luís (ver foto abaixo). Gosto muito de ver as montanhas das minas gerais. É coisa assim de juntar Jesus, Maria e José. A seguir, uma amostra do idioma local:
Sapassadu, era sessetembru, taveu na cuzinha tumano uma pincumel e cuzinhanum quidicarne cum mastumate pra fazê uma macarronada cum galinhassada. Quascaí di sustu, quandovi um baruí vindidendufornu, pareciumtidiguerra. A receita mandopô midipipoca dendagalinha prassá. O fornu isquentô o misturô i u fiofó da galinha ispludiu! Nossinhora! Fiquei brancu quiném um lidileite. Foi um trem doidimais! Quascaí dendapia! Fiquei senssabê doncovim, oncotô, proncovô. Oipcevê quilucura. Grazadeus qui ninguém simaxucô!

Posted by Picasa

domingo, setembro 03, 2006

Más de lo mismo

Essa é a manchete de hoje do jornal Olé, que pertence ao Clarin, da Argentina, comentando Argentina 0 - Brasil 3.
E o UOL traz: "Santos massacra Palmeiras na Vila Belmiro: 5 a 1".
Sem comentários. É apenas futebol.

Cinema: Sergio Leone e Clint Eastwood

O italiano Sergio Leone (1929-1989) foi diretor assistente em "Ladrões de Bicicleta" (Ladri di biciclette, 1948, Vittorio De Sica) e em "Ben-Hur" (Ben-Hur, 1959, William Wyler) - nada mal para um começo, não?
Em 1965 ele escreveu e dirigiu o western recheado de drama, ação e suspense "Por uns Dólares a Mais" (Per qualque dollaro in più), tendo no elenco Clint Eastwood e Lee Van Cleef. No ano seguinte, escreveu e dirigiu um dos melhores westerns de todos os tempos, "Três Homens em Conflito" (Il Buono, il brutto, il cattivo), novamente com Clint Eastwood e Lee Van Cleef e com a música marcante de Ennio Morricone, como no filme anterior. Ainda na linha do western spaguetti, em 1968 ele escreveu (com Bernardo Bertolucci e outros) e dirigiu "Era Uma Vez no Oeste" (C'era una volta il West), com Henry Fonda, Claudia Cardinale, Charles Bronson e a música de Ennio Morricone.
Para encerrar com chave de ouro, em 1984 Leone escreveu e dirigiu "Era Uma Vez na América" (Once Upon a Time in America), com Robert De Niro, James Woods e Joe Pesci, além de Ennio Morricone.
Mais tarde o pupilo Eastwood produziu, dirigiu e atuou em dois filmes fora de série: "Os Imperdoáveis" (Unforgiven, 1992) e "Menina de Ouro" (Million Dollar Baby, 2004). E também produziu e dirigiu em 2003 "Sobre Meninos e Lobos" (Mystic River), onde não atuou, mas dirigiu Sean Penn, Tim Robbins e Kevin Bacon.
Em poucas linhas lembramos aqui de 9 filmes maravilhosos e um pedacinho da sétima arte. Você pode até assistir a cinema na sua TV, mas favor não confundir cinema com televisão. Como disse Groucho Marx (1890-1977), que atuou com seus irmãos em "Duck Soup" (Duck Soup, 1933, Leo McCarey), "Eu acho a televisão muito educativa. Toda vez que alguém liga a TV, eu vou para outro cômodo e leio um livro".

segunda-feira, agosto 28, 2006

Educação Moral e Ética

Quem se lembra das aulas de Moral e Cívica? Faz tempo, né? Era nos tempos sombrios da ditadura militar. Talvez agora seja o momento da sociedade tomar aulas de moral e ética. Para começar, vamos pensar nos conceitos.
A palavra "moral" vem do Latim e significa "relativo aos costumes", enquanto que "ética" vem do Grego e significa "relativo ao caráter".
Os partidários do ademarismo e do malufismo, que defendem o "rouba, mas faz" e que afirmam que "se estivessem lá, também roubariam" podem até ter moral, já que fazem alusão a um costume de muitos políticos e de parcela da sociedade. Mas terão ética? Há uma diferença sutil entre aqueles que são morais, isto é, fazem o que a maioria faz, e aqueles que são éticos, porque estes fazem as escolhas que seu caráter determina.
Não é novidade. Neste mês a imprensa noticiou a prisão em São Paulo de duas moças, uma auditora de 28 anos e uma dentista de 30 anos, ambas por adulterar a placa do próprio carro para escapar do rodízio e não pagar suas multas. São pessoas assim, como essas mulheres de classe média, que compõem a sociedade atual. São pessoas assim que chegam às instâncias de poder.
Certo estava Rui Barbosa quando antecipou que o homem chegaria a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto.

domingo, agosto 27, 2006

Brazil wins fourth consecutive World League title

Em tempo: Esta é a manchete da FIVB, a Federação Internacional de Volleyball. No futebol não deu, mas no vôlei o Brasil bate a França e é hexa na Liga Mundial.
E para completar:
Massa fez a pole position no GP da Turquia e conquistou sua primeira vitória na Fórmula 1! Enquanto a homepage da FIA é neutra, a da Ferrari elogia.
Ah, meu time ganhou. E o seu?

Campos do Jordão

  
Sábado fui a Campos do Jordão (190 km de São Paulo, na Serra da Mantiqueira), que não estava tão fria nem agitada como em julho (Festival de Inverno). Mas dei uma passada no auditório Cláudio Santoro, onde está havendo um festival de dança, e no parque anexo - ver foto abaixo. Conheci também o Palácio Boa Vista, residência de inverno do governador do estado. Não é um museu, mas tem vários móveis antigos e muitas telas de pintores famosos como Di Cavalcanti e Tarsila do Amaral. Dali do Alto da Boa Vista, como o nome diz, há diversas vistas bonitas da Pedra do Baú (1950m). Outro programa legal é visitar a Cervejaria Baden Baden, principalmente pela palestra na linha de produção e pela degustação de dois tipos de chopp. De graça.
Depois de comer aquela truta, antes de voltar, dei uma passada no Pico do Itapeva (2035m), de onde se vê praticamente todo o vale do Paraíba.
Você já foi a Campos do Jordão? Não? Então vá.

  
Posted by Picasa

Better be lucky than good

O homem que disse "prefiro ter sorte a ser bom" entendeu o significado da vida. É assim que começa o penúltimo filme de Woody Allen, "Ponto Final - Match Point" (Match Point, 2005), uma mistura de drama, romance e suspense. É o filme mais longo dele (124 minutos) e o primeiro rodado na Inglaterra. Dessa vez Woody Allen nos traz uma reflexão sobre a sorte e o azar na vida de uma pessoa. Conta a estória de Chris (Jonathan Rhys Meyers), um irlandês professor de tênis, que sobe na vida ao se casar com Chloe (Emily Mortimer), filha do empresário milionário Alec Hewett (Brian Cox). O problema é que ele se apaixona por Nola (Scarlett Johansson), namorada de seu cunhado. Realmente o mestre está em grande forma. É muito bom quando a gente espera muito de nossos ídolos e ao final fica satisfeito.

quinta-feira, agosto 24, 2006

Dois filmes e duas continuações

Nos últimos fins de semana resolvi matar saudades de dois filmes com ótimas continuações - um para adultos e outro para crianças (como se diz, de 8 a 80 anos):

  • "O Poderoso Chefão" (The Godfather, 1972)
  • "O Poderoso Chefão 2" (The Godfather: Part II, 1974)

O primeiro é talvez o melhor filme e roteiro de todos os tempos, conforme o IMDb (The Internet Movie Database) e o FilmSite. Dirigido pelo Francis Ford Coppola, com roteiro dele e do Mario Puzo, cujo livro inspirou o filme, e com atores do porte de Marlon Brando, James Caan, Al Pacino, Robert Duvall, Diane Keaton etc. A seqüência não trouxe Marlon Brando e James Caan, mas em compensação teve Robert DeNiro. Em 1990 ainda houve uma terceira parte, com Al Pacino, Diane Keaton e Andy Garcia, mas um pouco inferior desta vez.

Dirigidas por John Lasseter, estas são as melhores animações computadorizadas, ao lado de "Os Incríveis" (The Incredibles, 2004, Brad Bird) e "Procurando Nemo" (Finding Nemo, 2003, Andrew Stanton), dos Pixar Animation Studios.

segunda-feira, agosto 14, 2006

A Questão da Ética

Nos anos 70 o jogador de futebol Gérson foi protagonista de uma propaganda de cigarros, na qual dizia: “Você também gosta de levar vantagem em tudo, certo?”. Sem querer ele retratou bem uma parcela dos brasileiros que se aproveita de tudo em benefício próprio sem se importar com a ética. Quer alguns exemplos?
É aquele que se julga mais esperto. Ao dirigir, ultrapassa pela direita e até mesmo pelo acostamento. Não dá passagem. Não respeita preferenciais. Fura fila. Não devolve troco dado a mais por engano. É o ladrão de ocasião. Se achar um bem alheio, não procura o dono para devolver. Maquia o imposto de renda. Oferece uma “caixinha” à autoridade para não ser punido. Aceita a proposta do funcionário desonesto da Tv/internet a cabo para não ter que pagar a mensalidade ou diminuí-la ao máximo. Alimenta e pratica pirataria, comprando ou baixando da Internet música, filmes, jogos, livros etc. Para facilitar uma venda a uma empresa, dá uma propina ao comprador. Compra e vende sem nota fiscal. É adepto do famoso “jeitinho” brasileiro. Enfim, está sempre levando vantagem em tudo. Mas esses espertos são muito moralistas. E de forma cínica, dizem: “Não roube, o governo detesta concorrência”. Ou será que eles é que detestam a concorrência do governo?
Não quero defender este ou qualquer governo, mas é risível ver essa gente criticar o governo e falar de ética. O folclore popular sabiamente advertia que “o macaco deveria olhar o próprio rabo”. Que moral teriam para cobrar ética dos outros?
É impressionante o nível de conservadorismo que há entre os brasileiros hoje, especialmente entre os jovens! Conforme a Folha de ontem, 47% do eleitorado diz ter posição política de direita.
É, a canção do Chico ainda faz sentido. Você que inventou o pecado, esqueceu-se de inventar o perdão.

domingo, agosto 06, 2006

Camarão na Moranga

Ontem fui à 13a Festa do Camarão na Moranga, de Bertioga, que vai até 10 de setembro. Fica ao lado do Forte São João, o primeiro do Brasil. Então não resisti e visitei-o de novo. É o forte mais antigo e melhor preservado. O forte foi construído em madeira em 1532, com o nome de Forte São Tiago. Em 22 de janeiro daquele ano, foi o ponto de partida para a esquadra de Martim Afonso de Sá fundar a Vila de São Vicente, a legítima primeira capital brasileira. Foi dali também que partiu, em 27 de janeiro de 1565, a esquadra de Estácio de Sá e José Adorno, que fundariam definitivamente a cidade (de São Sebastião) do Rio de Janeiro. Veja foto do quadro abaixo. Em 1547 o forte tinha sido reformado depois de ser incendiado pelos tupinambás, sendo rebatizado como Forte São João em 1765.
Posted by Picasa

domingo, julho 30, 2006

Globo e você, tudo a ver?

Para a moçada que está chegando agora e não conhece a história recente do país, vale a pena ler:
Documentário contra a Rede Globo completa dez anos
A saga do filme "Além do Cidadão Kane"
Muito além da Tevê Globo
O documentário citado demonstra como o poder dominante, quando já não possui, procura se apossar dos meios de comunicação e principalmente da imprensa, o chamado "quarto poder".
Se você achava que estava informado com a TV Globo desde os anos da ditadura até a Era Collor, e agora com a revista Veja, sugiro que não deixe de consultar também os seguintes "media watchers":
Observatório da Imprensa
Canal da Imprensa
S.O.S. Imprensa
Observatório Brasileiro de Mídia
E cuidado com a mídia (muito) engajada, seja de que lado estiver. Digo isto porque é difícil não ser nada engajada, porque a mídia também é feita por pessoas que, por mais que busquem a neutralidade e o equilíbrio, também têm seus credos políticos, filosóficos e religiosos.

Ataque aéreo israelense mata 60 civis - 37 crianças

Depois de atacar um posto das Nações Unidas no Líbano, deixando quatro mortos, agora Israel é responsável pela morte de dezenas de civis incluindo crianças inocentes, com a anuência de seus subalternos, os Estados Unidos, que têm impedido o Conselho de Segurança da ONU de condenar seus ataques.
Israel: ontem vítimas do nazismo, hoje sionistas genocidas. Segundo seu profeta Isaías, o lobo irá morar com o cordeiro, e o leopardo se deitará com a criança. Mas por enquanto estava certo o filósofo político inglês Thomas Hobbes (1588 - 1679), que em 1651 escreveu "The Leviathan", afirmando que "o homem é lobo do próprio homem".

segunda-feira, julho 24, 2006

Bush veta, UE financia pesquisa com células-tronco

Enquanto Bush veta uma lei aprovada pelo Congresso americano que ampliaria os recursos para a pesquisa com células-tronco, a União Européia decide que vai financiá-las. Por aqui, tem gente aí posando de progressista, mas que votou contra na aprovação e regulamentação da nossa Lei de Biossegurança de novembro do ano passado. Eu sou a favor da pesquisa com células-tronco, tanto as adultas como as embrionárias. E você?

domingo, julho 23, 2006

Garotas do ABC

"Garotas do ABC" (2003, Carlos Reichenbach) é um filme sobre uma jovem negra operária de São Bernardo, Aurélia "Schwarzenega" (Michelle Valle), que é fã do Arnold Schwarzeneger e namora um integrante do grupo neonazifascista comandado por Salesiano (Selton Mello). Exceto pelas irregularidades e contradições, mostra bem o cotidiano da classe operária. Vale também pelas muitas citações aos mestres do cinema, como o genial Fritz Lang. Para cinéfilos e iniciados. Para a colônia cultural é mais adequado ver o defensor "da verdade, da justiça e do 'American way of life'", o super-herói Superman, maior garoto-propaganda do imperialismo. Não esqueça da pipoca.

sábado, julho 22, 2006

Enquanto acontecia eu estava em São Vicente

 
No último fim de semana estive na 10a. Festa do Morango no Horto Florestal de São Vicente, que vai até o fim do mês. Você pode não acreditar, mas posso afirmar que conheci nosso litoral mais próximo somente neste último ano. Claro que conhecia as praias de Santos, São Vicente e Guarujá. Mas nessas cidades não há apenas praias. E descobri isso só agora. Em São Vicente vale a pena ver a Ilha Porchat, que tem uma bela vista da baía. E também ir de teleférico da praia do Itararé ao morro do Voturuá, de onde o pessoal decola para vôo livre. Não deixe de dar uma passada na Biquinha (de Anchieta), com seus museus e a feirinha, e também ver a antiga Ponte Pênsil, de 1914, saída para a Praia Grande. Posted by Picasa

sexta-feira, junho 30, 2006

Pra não dizer que não falei da Copa

"Tempo de fazer amigos" e "Diga não ao racismo" são os lemas desta Copa do Mundo. A partir de hoje os capitães das seleções que estão nas quartas-de-final começaram a ler mensagens anti-racistas antes do início das partidas - foi assim hoje e será amanhã também. É uma louvável iniciativa da FIFA e da UNICEF.
Os neonazistas alemães andaram distribuindo panfletos com o seguinte texto: "Branco. Algo mais que a cor de uma camisa. Por uma seleção realmente branca".
O líder da Frente Nacional, partido francês de extrema direita, Jean-Marie Le Pen disse que os franceses não se identificam com sua seleção porque há muitos negros no time, que a França não se reconhece totalmente nesse time, e que talvez o treinador tenha exagerado na proporção de jogadores de cor.
Até mesmo os equatorianos pisaram na bola dizendo que "os negritos equatorianos iriam dar golpes nos brancos ingleses" no jogo contra a Inglaterra, domingo passado.
Por outro lado, os alemães parecem ter aprendido com os erros do passado e estão firmes na luta contra o racismo, o anti-semitismo e a xenofobia. A final desta Copa será no Estádio Olímpico de Berlim, que foi palco das conquistas do atleta negro norte-americano Jesse Owens, nos Jogos Olímpicos de Verão de 1936, que envergonharam os nazistas. Alguns dizem que Adolf Hitler se retirou de lá para não ter que entregar as medalhas a Jesse Owens, ou nem chegou a ir lá para não ter que ver o atleta negro competindo nas provas de atletismo.
A meu ver, está aí a razão de os Estados Unidos serem hoje a maior e mais importante nação do planeta: o pluralismo... político, filosófico, religioso, racial etc. A América aceitou a todos, de braços abertos, e suas maiores cidades são todas cosmopolitas, e sem espaço para o provincianismo.
Os social-darwinistas devem ter faltado na aula de Genética e não aprenderam que a força da sobrevivência está justamente na pluralidade. Bem, mas este é tema para outra ocasião. Agora é Copa do Mundo.

quarta-feira, junho 28, 2006

O Prêmio, um mero plágio?

Hoje cheguei e vi por acaso que o TCM estava passando um filme com o Paul Newman que a princípio pensei ser "Cortina Rasgada" (Torn Curtain, 1966, Hitchcock). Mas não era, apesar de também parecer propaganda americana dos tempos da Guerra Fria. A cada cena dava para se notar algo "hitchcockiano". Apesar do filme estar na metade, aquilo me prendeu a atenção. Só nos créditos finais, soube que era "Os Criminosos Não Merecem Prêmio" (The Prize, 1963, Mark Robson) - adivinhe quem eram os criminosos! ;-)
Mas valeu a pena ter visto. Se for possível, verei o filme inteiro. O TCM costuma repetir os filmes, como toda TV paga, infelizmente. Bom, felizmente, algumas vezes. Além da belíssima Elke Sommer, é interessante ver as cenas inspiradas no excelente "Intriga Internacional" (North by Northwest, 1959), um dos melhores filmes do gênio Hitchcock, ao lado de "Janela Indiscreta" (Rear Window, 1954), "Psicose" (Psycho, 1960) e "Um Corpo Que Cai" (Vertigo, 1958).
Não sei se podemos considerá-lo um plágio. Ambos (The Prize e North by Northwest) têm roteiro do americano Ernest Lehman, que também escreveu "Trama Macabra" (Family Plot, 1976), o último filme do mestre do suspense. Então fica registrada a dica. Mas lembre-se: não é Hitchcock. É Mark Robson, o diretor de "Terremoto" (Earthquake, 1974). Mas não desanime, a não ser que você pense que todo filme novo sempre é melhor.

domingo, junho 11, 2006

Melinda e Melinda

Antes de comprar, resolvi alugar "Melinda e Melinda" (Melinda and Melinda, 2004, Woody Allen). Vi. Gostei. Vou comprar. No começo, lamentei a ausência do escritor e diretor entre os atores. Mas aos poucos percebi que o personagem Hobie (Will Ferrell) faz a vez de Allen neste filme, em sua metade comédia. Este filme é um romance, metade dramático, metade cômico. Existe uma Melinda problemática e pessimista e outra Melinda também problemática mas otimista. A atriz Radha Mitchell faz muito bem as duas personagens. São duas estórias alternadas sobre as tentativas de Melinda de acertar a própria vida. "A vida pode ser uma comédia ou uma tragédia... tudo só depende da maneira como você a encara". Embora tenha sido o filme mais visto do Woody Allen em nossos cinemas, está longe de ser um blockbuster. Ainda bem. É um filme que nos faz pensar sobre nossas escolhas. E como escolhemos nos sentir. Filme para pensar. Veja.

sexta-feira, junho 09, 2006

Adeus, Fiori Giglioti

É fogo, torcida brasileira. O tempo passa... Agüenta coração.
Lá vai o moço de Barra Bonita.
Agora não adianta chorar. Fecham-se as cortinas e termina o espetáculo.
Até logo, Fiori.

domingo, maio 28, 2006

Elenco, roteiro e diretor

A HBO passou ontem "Doze Homens e Outro Segredo" (Ocean's Twelve, 2004, Steven Soderbergh), um excelente exemplo de que o resultado de um filme depende do elenco (atores, atrizes), do diretor e do roteiro (isto é, do escritor), além, claro, do produtor, editor e pessoal técnico. Não basta colocar um bando de atores conhecidos, como George Clooney (o tal Danny Ocean, chefe do grupo, e que dá nome ao filme), Brad Pitt, Matt Damon, Andy Garcia, Don Cheadle, Bernie Mac, Catherine Zeta-Jones e Julia Roberts. Como no futebol, juntar um grupo de bons jogadores não faz um time. É preciso um bom técnico. E um bom planejamento estratégico, tático, técnico, incluindo treinamentos e preparação física. Numa empresa é a mesma coisa: às vezes se tem um grupo de bons profissionais (não necessariamente os que amamos), mas sem sincronia, sintonia, causa comum. Este diretor - Soderbergh - já fez coisa melhor, como "Erin Brockovich, uma Mulher de Talento" (Erin Brockovich, 2000), "O Inventor de Ilusões" (King of the Hill, 1993), "Traffic" (Traffic, 2000) - o melhor que ele dirigiu, além do precursor "Onze Homens e um Segredo" (Ocean's Eleven, 2001). Para 2007 vem aí Ocean's Thirteen. Se tiver um roteiro desastroso como este, cuidado. Pode ser melhor se concentrar na pipoca ou alguma outra coisa no escurinho do cinema.

segunda-feira, maio 15, 2006

Tudo sob Controle

É o que afirmou o governador Lembo, PFL, ex-Arena. Claro que a situação é grave, mas não está tão caótica quanto afirmam os alarmistas e boateiros. O momento é de atenção, alerta, sem dúvida. E devemos tomar cuidado porque tem muita gente explorando o tema com tintas político-eleitorais. Tem tucano dizendo que tudo isso está acontecendo porque o governo reduziu a verba destinada à segurança nos estados. Talvez isso seja verdade em parte. Mas o fato é que nesta campanha, só se divulgam meias verdades. A Folha de hoje comenta que "Gestão Lembo faz negociação com o PCC" e que "emissários do secretário Nagashi Furukawa estiveram ontem em Presidente Venceslau", o que é muito estranho. Tanto o arenista como o "Picolé de Chuchu", que foi à Bahia pedir a benção do "democrata" ACM, afirmam que não negociam com o crime organizado. O que será que o secretário deles foi fazer lá? Outro fato estranho é que o governador disse saber dos planos do PCC há vinte dias, mas aparentemente a polícia foi pega de surpresa!
Bem, tenho procurado ficar razoavelmente distante dos temas políticos aqui. Mas a gente ouve e lê certas "coisas" tão notáveis, que fica difícil não comentar nada. Mas sigo na intenção de ficar longe do debate político-eleitoral. Podem ter certeza de que não vou enviar nem repassar nenhum e-mail com a intenção de falar bem ou mal deste ou daquele político. Tenho minhas convicções. E vou reservá-las para as urnas. Assim como outros tantos amigos. Bem ou mal, o povo vai dar a sua própria resposta nas urnas. E a gente deve aceitar que, para o bem ou para o mal, a nação não é composta apenas de plutocratas e da classe média. Que pena!

sábado, maio 06, 2006

O Homem que Calculava

Terminei de ler "O Homem que Calculava" (1938, 62a. edição: 2003) do Malba Tahan, aliás de Júlio César de Melo e Sousa, professor de Matemática, educador, pedagogo, escritor e conferencista. Ouvi falar desse livro há muito tempo. Mas só agora tive a oportunidade de lê-lo. E foi um belo presente. Muito legal as soluções que o "calculista" persa Beremiz Samir encontrava para os diversos problemas matemáticos e lógicos contados no livro pelo também fictício Malba Tahan.
Entre os diversos desafios encontrados por Beremiz, achei mais notável o problema dos cinco discos. Um rei submeteu três príncipes, candidatos à mão de sua filha, a um teste para determinar qual seria o mais inteligente. Um monge trouxera cinco discos de madeira fina, que tinham a mesma forma, tamanho, brilho e peso, e só se distinguiam pela cor. Três eram brancos, e dois, pretos. O monge vendou os príncipes, e aleatoriamente lhes pendurou nas costas um disco. Eles seriam então interrogados e o primeiro que acertasse a cor do próprio disco, justificando-se com um raciocínio rigoroso, metódico e simples, venceria a disputa e se casaria com a moça. O primeiro a ser interrogado poderia ver o discos dos outros dois concorrentes. O segundo poderia ver só o disco do terceiro. E o terceiro não poderia ver nada. Os príncipes escolheram a ordem. Aconteceu que tanto o primeiro como o segundo erraram. E coube ao terceiro solucionar o problema. Se acertasse, casaria com a princesa. E não é que ele acertou?! Acertou e descreveu o raciocínio que utilizou para chegar à conclusão correta. Qual a cor do disco dele e como ele a descobriu?
Recomendo que você leia este curioso livro. Vale a pena.

segunda-feira, maio 01, 2006

Ora (direis) ouvir estrelas!

Hoje visitei o Planetário do Carmo, o novo planetário da cidade, que fica no bucólico Parque do Carmo, zona leste da Capital. Está aí um programa que vale a pena. É o segundo parque da cidade em extensão, só atrás do Parque do Ibirapuera, com 1,5 milhão de metros quadrados. E seu planetário é novinho em folha. Tem 4 sessões por dia em sábados, domingos e feriados, sendo 2 sessões para crianças e outras 2 para adultos. Veja mais detalhes no link. Palavra mágica: tudo gratuito.
E para variar, pude recordar os velhos tempos. Tempo em que eu, meu irmão caçula e alguns amiguinhos íamos todo fim de semana ao Ibirapuera. Íamos de ônibus, jogávamos futebol na grama, participávamos de todo e qualquer evento que ocorresse ali. E era sagrado: pegávamos todas as sessões do planetário. Sabíamos de cor os programas através do ano. Cheguei a fazer alguns cursos na Escola Municipal de Astrofísica (EMA). Isto mais o fato de eu ser vidrado na série de TV "Perdidos no Espaço" me levaram anos mais tarde a entrar no curso de Bacharelado em Física da Unicamp. Tempos bons.

domingo, abril 30, 2006

O desespero das elites

A cada dia que passa recebo mais spam político-eleitoral a serviço das elites que pela primeira vez na história do país ficaram de fora do núcleo do poder. Estão desesperados para voltar. Vão apelar e fazer de tudo para voltar. Estão famintos e sedentos de poder. Quem são eles? São aqueles que apoiaram o regime fascista que foi implantado no Brasil em 1964 para defender os interesses geopolíticos dos norte-americanos, e hoje se apresentam como se fossem democratas. No plano político, são os reacionários, conservadores e liberais, ex-UDN, ex-Arena, e hoje espalhados pelo PFL, PSDB, PP, PL e PRONA. Essa gente é apresentada como a esperança e o futuro do país pela imprensa marrom, como é o caso da revista da família Civita, a Veja, esse arremedo de jornalismo. Eles e outros tubarões estão financiando a campanha "Quero Mais Brasil" - já viram aquela propaganda com a mulherada lavando a bandeira do Brasil num rio? Pois é. As raposas querem voltar a tomar conta do galinheiro.
Leitor e assinante da Veja, acorde. Procure, para variar, ler a revista Novae, a Caros Amigos, ou o Observatório da Imprensa, por exemplo. É preciso ouvir diferentes opiniões e pontos de vista, e ponderar equilibradamente para podermos formar e ter opinião própria. Se não, vamos ficar repassando e-mails por aí, disseminando preconceitos e ideologias alheias?

sábado, abril 29, 2006

Emular, para matar saudades

Estou numa fase nostálgica. Nestes dois últimos dias, tenho curtido as lembranças de meus primeiros micros. Meu primeiro contato com a informática foi na faculdade. Foi num curso sobre uma linguagem que não entendi, e por isso detestei informática naquele momento. Uns anos depois, comprei meu primeiro "personal computer", um TK85, da Microdigital, que era (como seus antecessores TK82, TK82C e TK83) um clone do Sinclair ZX-81. Tinha que ser ligado à televisão, mas não tinha cores nem som. Os programas eram armazenados em fita cassete.
No Plano Cruzado, comprei um CP400 Color II, clone do TRS-Color II da Tandy Radio Shack. Foi um avanço e tanto. Era praticamente um teclado, parecido com esses atuais, de PC. Também não tinha monitor, mas já tinha cores e som! Além disso, tinha saída para impressora, joystick e entrada para cartuchos. A armazenagem dos programas podia ser em fita cassete e também em disquetes de 5 1/4" - cheguei a ter um drive.
Depois, tive um MSX Gradiente Expert 1.1 Br, com monitor monocromático (verde), modem, cartão de 80 colunas, gravador de fita cassete e uma série de periféricos, inclusive drive de disquetes de 3 1/2", que era o mesmo do PC.
Por causa desse micros, aprendi linguagem de máquina (assembly) do Z80 (chip do TK85 e do MSX) e BASIC (Beginner's All-purpose Symbolic Instruction Code, ou Código de Instruções Simbólicas de Uso Genérico para Principiantes). E daí, o interesse por Visual Basic e Java.
Mas porque mencionei tudo isto? É porque encontrei na Internet alguns emuladores para meus 3 antigos micros. Resultado: só diversão. E algum trabalho, para lembrar das instruções nas suas respectivas versões de BASIC. Eis os links para os emuladores que estão tomando meu tempo agora:

Em tempo: estou montando um curso de programação das linguagens BASIC, Visual BASIC e Java. Já coloquei a página de Introdução ao BASIC em minha homepage. Se tiver paciência, dê uma olhada em http://www.geocities.com/lcmoura/program/basic1.htm

terça-feira, abril 25, 2006

Martin Scorsese

O Scorsese é um daqueles grandes diretores que até hoje não receberam nenhum prêmio da Academia (de Artes e Ciências Cinematográficas) de Hollywood, isto é, nenhum Oscar. Ainda bem, poderíamos dizer, já que este é um prêmio discutível, comercial demais talvez. Afinal, olha quem também não ganhou: Alfred Hitchcock, Stanley Kubrick, Federico Fellini, Akira Kurosawa, e Ingmar Bergman! Se estes gênios não ganharam, talvez seja até um demérito ganhar, não?
Com mais de 30 filmes, do Martin Scorsese eu citaria: "Caminhos Perigosos" * (Mean Streets, 1973), "Alice Não Mora Mais Aqui" (Alice Doesnt't Live Here Anymore, 1974), "Taxi Driver- Motorista de Táxi" * (Taxi Driver, 1976), "Touro Indomável" * (Raging Bull, 1980), "O Rei da Comédia" * (The King of Comedy, 1983), "Depois de Horas" (After Hours, 1985), "A Última Tentação de Cristo" (The Last Temptation of Christ, 1988), "Os Bons Companheiros" * (Goodfellas, 1990), "Cabo do Medo" * (Cape Fear, 1991), Cassino * (Casino, 1995), "Gangues de Nova Iorque" (Gangs of New York, 2002), e "O Aviador" (The Aviator, 2004). Os que estão com asterisco (*) têm no elenco o completo Robert De Niro.
Sabe que já comentei aqui mais de 60 filmes? Acho que seria uma boa idéia fazer uma lista deles, não?

domingo, abril 23, 2006

Família

  Posted by Picasa
Eu e meus irmãos, na Vila Madalena, sexta-feira. Momento raro. A gente se vê assim umas duas ou três vezes por ano, somente. Coisas da vida. Cada um segue seu próprio caminho. Como diz um provérbio, um irmão é um amigo que Deus te deu; um amigo é um irmão que teu coração escolheu. Não é incomum as pessoas terem amigos muito mais próximos que os próprios irmãos. Mas concordo com o ator americano Leonardo DiCaprio, que disse que "irmãos não têm necessariamente que dizer alguma coisa uns aos outros - eles podem se sentar numa sala, ficar juntos e completamente confortáveis uns com os outros".

domingo, abril 16, 2006

Socorro!

  
Está tudo bem. Passei a Páscoa revisitando Socorro, Serra Negra, Lindóia e Águas de Lindóia, o chamado circuito paulista das águas, a cerca de 120 km da Capital. Bom local para descansar e fugir do tumulto em que as praias devem ter-se tornado neste feriadão de Páscoa.

Em Socorro, fui ao Parque dos Sonhos (foto acima), a "Terra da Aventura", com suas trilhas, cachoeiras e atrações radicais (como uma tirolesa de 1 km de extensão e a 160 m de altura). E também visitei a Gruta do Anjo, onde pilotei um radicalíssimo pedalinho! ;-)

Em Águas de Lindóia, que continua cada vez mais linda, fui (devidamente trajado) ao Morro Pelado (1400 m), de onde flagrei um pôr-do-sol e um nascer-da-lua.

De quebra, prestigiei a FACITUR, feira de artesanato e algo mais de Serra Negra, e a FENAT, feira do tricot de Monte Sião, ambas com desfiles de moda e sorteios de brindes.
  Posted by Picasa

quarta-feira, abril 12, 2006

Turismo em Sampa

  Posted by Picasa
Hoje coloquei o cavalo na chuva e fui passear no centro velho de São Paulo, de novo. Por sorte não choveu. Nem eu fui a cavalo. Fez um dia ensolarado, com poucas nuvens, céu de brigadeiro. E fui de metrô. Fora da hora do rush. Nada mal. Mas, olha o que visitei:



  • Torre do Banespa: mirante com vista panorâmica de 360° do centro de São Paulo. Pena que só abre dias de semana, das 10 às 17 horas. Fim de semana, só em janeiro. Gratuito.
  • BM&F - Bolsa de Mercadorias & Futuro: dá para ver o pregão, aquela movimentação e gritaria de uns querendo vender e outros querendo comprar, como a gente vê pela TV. Gratuito.
  • Museu da Língua Portuguesa: na Estação da Luz, com 3 andares dedicados à língua, sua literatura e história, e muita interatividade e ótimos recursos audio-visuais. Veja o site, que vale a pena. Só R$ 4,00.
  • Pinacoteca do Estado: exposição de cerca de 4 mil peças, muitos quadros e esculturas, passeio altamente cultural. Fica ao lado da Estação da Luz e da Praça da Luz, revitalizadas. Também R$ 4,00.


terça-feira, abril 11, 2006

Cidade de Deus

Na semana passada a Globo exibiu "Cidade de Deus" (2002, Fernando Meirelles). O filme se passa em uma favela carioca. E mostra a violência e o tráfico de drogas, sob o ponto de vista de Buscapé (Luís Otávio, criança, e Alexandre Rodrigues, adulto), que consegue escapar da bandidagem tornando-se um fotógrafo. É simplesmente excelente. Assim como a série "Cidade dos Homens", sobre as aventuras de Laranjinha (Darlan Cunha, Dadinho no filme) e Acerola (Douglas Silva, Filé-com-Fritas no filme), co-dirigida pelo Fernando Meirelles. O Fernando também co-dirigiu "Domésticas - O Filme" (2001). E recentemente dirigiu "O Jardineiro Fiel" (The Constant Gardener, 2005), adaptação do romance do John Le Carré, com o Ralph Fiennes e a Rachel Weisz, que ganhou o Oscar e o Golden Globe de melhor atriz coadjuvante em 2006. Dica: fique de olho nesse diretor. São só três filmes. Mas excelentes filmes.

segunda-feira, abril 10, 2006

Livro Livre

Na época do e-mail, a boa nova é que a gente tem que aprender a escrever, e a melhor forma de fazer isto é aprendendo a ler! Não é preciso acender uma vela em pleno dia e, a la Diógenes, andar à procura de alguém que não tenha dificuldades com a nossa bela língua portuguesa. Então, vou comentar com os amigos essa idéia do Movimento Livro Livre e do BookCrossing.com. Passar adiante um livro que você já tenha lido é uma boa idéia. Claro que pode ser melhorada, com sugestões e críticas construtivas. Mas é um bom princípio. Que me desculpem os que pensam diferente, mas ler é fundamental. Não resisto a fazer apenas duas citações, bem discretamente. Quando tenho algum dinheiro, eu compro livros; e sobrando algum dinheiro, compro comida e roupa*. Há crimes piores do que a queima de livros; um desses crimes é não lê-los**. Por falar nisso, quem já foi ao Museu da Língua Portuguesa? Preciso ir.


* Desiderius Erasmus (1465 - 1536)
** Joseph Brodsky (1940 - 1996

Liberdade de Expressão

Hoje em dia, infelizmente é comum a gente receber e-mails não solicitados e mesmo indesejados. É o famigerado "spam". É propaganda de produtos e serviços, campanha político-eleitoral, correntes, fórmulas infalíveis de ganhar dinheiro, lograr conquistas e aumentar isso ou aquilo, pornografia, apresentações diversas em PowerPoint, piadas discriminatórias etc. Veja uma definição mais completa no Movimento Brasileiro de Combate ao Spam.
Hoje respondi assim a um spam político-eleitoral repassado por um amigo:
"Solicito que não me repasse esse tipo de spam. Respeito a opinião alheia e solicito que a minha opinião também seja respeitada. Nós, eu e você com certeza, prezamos muito a liberdade de pensamento e de expressão. As pessoas têm o direito de falar o que quiserem, assumindo o que pensam com responsabilidade. E também têm o direito de escolher o que querem ouvir e ver. Há canais adequados para a livre expressão. Entendo que o e-mail (e particularmente o corporativo) não é o canal mais adequado, a não ser que previamente combinado. Assim, peço que não me repasse nenhuma mensagem contendo julgamento político, filosófico, religioso ou étnico, sob nenhum pretexto.
Deixemos as brincadeiras para as crianças, que são inocentes. E, como homens e mulheres, busquemos o que entendemos ser melhor para todos, sempre respeitando e tratando as diferenças de forma democrática.
Abraço saudoso a você e aos amigos da lista"
Outro dia a companhia telefônica me ofereceu o serviço de leitura de e-mail em meu celular. Seria ótimo, caso não houvesse tanto lixo enviado à nossa caixa-postal. Sempre que abro minha correspondência, vejo lá centenas de mensagens inconvenientes. Não leio. Apago todas. Mas sempre sobram algumas, principalmente de amigos, colegas, conhecidos. Respondo quando acho que vale a pena. E dificilmente repasso uma mensagem. Já repassei, claro. Mas decidi não fazê-lo mais. Mesmo que eu repasse a um círculo reduzido de amigos, estes podem por sua vez repassar a outro círculo também reduzido de amigos, e assim por diante. Sei que muitas vezes as pessoas não estão mal intencionadas. Eu mesmo já devo ter incomodado pessoas, sugerindo-lhes que dessem uma olhadinha nesse blog. Peço desculpas, portanto. De qualquer forma, é preciso bom senso e discernimento. Vamos usufruir do direito de livre expressão com responsabilidade, sem cercear o nosso sagrado direito de escolha.

domingo, abril 09, 2006

Santos é Campeão Paulista de 2006!




Agora quem dá bola é o Santos
O Santos é o novo campeão
Glorioso alvinegro praiano
Campeão absoluto desse ano

Santos, Santos sempre Santos
Dentro ou fora do alçapão
Jogue onde jogar
És o leão do mar
Salve o novo campeão

sábado, abril 08, 2006

Quis custodiet ipsos custodes

Terminei de ler "Fortaleza Digital" (Digital Fortress, 1998, Dan Brown). Ei, não me olhe com esse ar de reprovação. Eu ganhei o livro. Seria indelicado não lê-lo. Mas tenho que dizer que foi interessante. Não é nenhum clássico. Mas é entretenimento. Suspense. Começa chato. Depois fica interessante. Eu, que lia aos poucos no início, ficava agora curioso a respeito do próximo capítulo. Aí decidi terminar de vez. Demorei uns meses para ler 1/4 do livro. E menos de 24 horas para terminar. Já imagino o texto sendo convertido em roteiro - filme à vista, portanto. Vamos conferir. Afinal este livro continua entre os 10 mais vendidos na categoria de ficção, ao lado de "Anjos e Demônios", "Ponto de Impacto" e "Código Da Vinci", todos do Dan Brown. Em tempo: o título acima está em Latim e significa aproximadamente "Quem guardará os (próprios) guardiões (?)". Significa... melhor você ler o livro, se está curioso (a).

segunda-feira, abril 03, 2006

Polanski

Ontem revi no TCM a "Dança dos Vampiros" (The Fearless Vampire Killers or Pardon Me, But Your Teeth Are in My Neck, 1967, Roman Polanski). E ri novamente com o velho cientista e professor Abronsius (Jack MacGowran) e seu assistente, Alfred (o próprio Polanski), que vão a uma fria e remota vila da Transilvânia em busca dos vampiros. É sempre um grande prazer ver um filme do Polanski. Uma vez comentei com alguém que se você, numa locadora ou numa loja, vir um filme do Polanski, mesmo que não tiver nenhuma referência pode alugar ou comprar sem medo ou dúvida - tenho certeza de que você vai gostar. A referência é o próprio Polanski. Cito alguns filmes dele a seguir: "Repulsa ao Sexo" (1965, com a Catherine Deneuve), "Armadilha do Destino" (1966), "O Bebê de Rosemary" (1968, com a Mia Farrow), "Macbeth" (1971), "Chinatown" (1974, com o Jack Nicholson), "O Inquilino" (1976), "Tess" (1979, com a Nastassja Kinski), "Busca Frenética" (1988, com o Harrison Ford), "Lua de Fel" (1992), "A Morte e a Donzela" (1994), e "O Pianista" (2002). Se você não viu algum, faça o favor a si mesmo. É CINEMA. Isto mesmo, com letra maiúscula.

sábado, abril 01, 2006

Primeiro de Abril

Conforme a Folha de hoje "para Exército, golpe alicerçou democracia". A ordem do dia de ontem, segundo a qual o golpe ajudou a "alicerçar a convicção perene de que preservar a democracia é dever nacional", foi assinada pelo comandante do Exército, general Francisco Albuquerque. Detalhe: no mês passado, esse general democraticamente fez com que um avião, que já estava lotado e iniciando procedimento de decolagem na pista, voltasse para que ele e sua esposa pudessem embarcar no lugar cedido por um casal. Ainda bem que nossas gloriosas forças armadas sempre estão vigilantes na preservação da democracia, não? Excelente.

Dica de Micreiro

Se você gosta de manter seu computador funcionando de forma otimizada, além de freqüentemente rodar o Scandisk e o Defrag e atualizar seu AntiVírus e AntiSpyware, tente estes dois aplicativos gratuitos (freeware):

Brian De Palma

Ontem revi no canal AXN, com som original e legendas em castelhano, "Os Intocáveis" (The Untouchables, 1987, Brian De Palma). Na época da Lei Seca (anos 30) em Chicago, Al Capone (Robert De Niro) é enfrentado pela equipe de agentes federais incorruptíveis formada por Eliot Ness (Kevin Costner), Jim Malone (Sean Connery, que ganhou o Oscar e o Globo de Ouro de melhor ator coadjuvante), George Stone (Andy Garcia) e Oscar Wallace (Charles Martin Smith). Dos mais de 30 filmes do Brian De Palma, este é um melhores em minha opinião, assim como "Carrie, a Estranha" (1976, com a Sissy Spacek), "Vestida para Matar" (1980, com o Michael Caine), "Um Tiro na Noite" (1981, com John Travolta), "Scarface" (1983, com Al Pacino), "Dublê de Corpo" (1984, com Melanie Griffith), "O Pagamento Final" (1993, com Al Pacino) e "Olhos de Serpente" (1998, com Nicholas Cage), entre outros. Em "Os Intocáveis" o melhor discípulo de Hitchcock incluiu aquela cena do carrinho de bebê descendo a escadaria, uma citação a Sergei Eisenstein em "O Encouraçado Potemkin" (Bronenosets Potyomkin, 1925). Isto é cinema.

domingo, março 26, 2006

Hitch - Conselheiro Amoroso

Já tinha visto em DVD, mas ontem vi de novo "Hitch - Conselheiro Amoroso" (Hitch, 2005, Andy Tennant), uma comédia romântica sobre o conselheiro amoroso Alex 'Hitch' Hitchens (Will Smith), que garante a seus clientes a conquista de suas amadas em apenas três encontros. Seu cliente mais engraçado é o contador Albert (Kevin James), que conquista a célebre Allegra Cole (Amber Valetta). Mas a situação se complica quando o "consultor do amor" aplica seu "método dos três encontros" ao se apaixonar pela colunista de fofocas Sara Melas (Eva Mendes). Assista para descobrir o que acontece. E não seja muito exigente. Lembre-se: é uma comédia água-com-açúcar, mas entretém.

domingo, março 19, 2006

Em Nome do Pai

Ontem passou na TV Record o filme "Em Nome do Pai" (In the Name of the Father, 1993, Jim Sheridan), talvez o melhor da noite. Isto mostra que nem sempre o melhor filme passa na TV paga, ou na Globo. Em 1974 uma bomba do IRA matou cinco pessoas em um pub. A polícia prende Gerry Conlon (Daniel Day-Lewis), seu amigo de infância Paul Hill (John Lynch) e outros dois irlandeses, que são incriminados e condenados injustamente, ficando conhecidos como os "Quatro de Guildford". Na prisão, Gerry e seu pai Giuseppe (Pete Postlethwaite), que também foi preso e condenado, acabam estreitando seu relacionamento, antes frio e distante. A advogada Gareth Peirce (Emma Thompson) descobre toda a farsa do processo, num trabalho brilhante. Não vou contar tudo. São fatos verídicos, descritos no livro autobiográfico do próprio Gerry (Proved Innocent), muito bem adaptados ao cinema. Excelente.

sábado, março 18, 2006

Nossa Língua - Por quê?

Porquê é um substantivo que significa motivo, causa, razão. Seu plural é porquês. E normalmente é antecedido por artigos, numerais, adjetivos e pronomes determinativos ou restritivos (demonstrativos, possessivos etc). Em espanhol é o mesmo, mas escreve-se porqué, porqués. Exemplo:
Fulano foi detido sem saber o porquê.


Porque é uma conjunção causal ou explicativa, que introduz uma oração subordinada que traz a causa ou explicação da oração principal. E significa pois, uma vez que, já que, porquanto, como, pelo fato de que, pelo motivo de que etc. Em espanhol é idêntico. Em francês, parce que. Em inglês, because. Em alemão, weil. Exemplo:
Fulano foi detido porque foi julgado por crime de sonegação.


Por que pode ser:

  1. uma locução formada pela preposição "por" e pelo pronome interrogativo "que", que significa por qual motivo, o motivo pelo qual, por qual razão, a razão pela qual, por qual causa, a causa pela qual. Em espanhol é por qué. Em francês, pourquoi. Em inglês, why. Em alemão, warum.
    Exemplos:
    pergunta direta - Fulano perguntou: por que você não foi à festa?
    pergunta direta invertida - Fulano perguntou: você não foi à festa por quê?
    pergunta indireta - Fulano perguntou por que você não foi à festa.
    Observe que em português o que é acentuado (tônico) apenas no final da oração.
  2. uma locução formada pela preposição "por" e pelo pronome relativo "que", que significa pelo qual, pela qual, pelos quais, pelas quais. Em espanhol é idêntico. Em francês, par ce que. Exemplo:
    Foram vários os delitos por que Fulano foi julgado.

terça-feira, março 14, 2006

Recrudescimento da Luta Ideológica


  • Os índios tupiniquins e guaranis da região de Aracruz-ES querem a devolução de 18 mil hectares de suas terras, que hoje pertencem à Aracruz Celulose S/A. Conforme a Agência Carta Maior, a Polícia Federal, apoiada pela empresa, destruiu duas aldeias e expulsou 50 pessoas dos povos tupiniquim e guarani dessas terras em 20 de janeiro último.
    Quarta passada, dia 8, agricultoras do MMC (Movimento das Mulheres Camponesas), entidade ligada à Via Campesina invadiram e danificaram instalações do horto florestal da Aracruz Celulose em Barra do Ribeiro-RS, denunciando as "conseqüências sociais e ambientais do avanço da invasão do deserto verde criado pelo monocultivo de eucaliptos".
    Hoje agricultores ligados à Via Campesina ocuparam um campo experimental da empresa Syngenta Seeds, contendo soja e milho transgênicos numa área do Parque Nacional do Iguaçu, no Paraná, o que foi elogiado pelo governador Roberto Requião.
  • O prefeito José Serra perdeu a disputa pela indicação a candidato do PSDB para a presidência. O governador Geraldo Alckmin, chamado pelo José Simão, da Folha, de "Picolé de Chuchu" é o candidato que vai disputar a eleição à presidência com Lula, provavelmente em um turno só. Serra, ex-senador e ex-ministro de FHC, foi presidente da UNE de 1963 até o golpe militar e daí ficou no exílio por 14 anos. Geraldo foi vereador e prefeito em Pindamonhangaba-SP, foi parlamentar e assumiu o governo estadual após a morte de Mário Covas, e finalmente eleito governador em 2002. Detalhe: é vinculado à Opus Dei, organização católica ultraconservadora.

domingo, março 12, 2006

Apesar de Você

Hoje você é quem manda
Falou, tá falado
Não tem discussão
A minha gente hoje anda
Falando de lado
E olhando pro chão, viu
Você que inventou de inventar
Toda a escuridão
Você que inventou o pecado
Esqueceu-se de inventar
O perdão

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Eu pergunto a você
Onde vai se esconder
Da enorme euforia
Como vai proibir
Quando o galo insistir
Em cantar
Água nova brotando
E a gente se amando
Sem parar

Quando chegar o momento
Esse meu sofrimento
Vou cobrar com ljuros, juro
Todo esse amor reprimido
Esse grito contido
Este samba no escuro
Você que inventou a tristeza
Ora, tenha fineza
De desinventar
Você vai pagar e é dobrado
Cada lágrima rolada
Nesse meu penar

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Inda pago pra ver
O jardim florescer
Qual você não queria
Você vai se amargar
Vendo o dia raiar
Sem lhe pedir licença
E eu vou morrer de rir
Que esse dia há de vir
Antes do que você pensa

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Você vai ter que ver
A manhã renascer
E esbanjar poesia
Como vai se explicar
Vendo o céu clarear
De repente, impunemente
Como vai abafar
Nosso coro a cantar
Na sua frente

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Você vai se dar mal
Etc. e tal

Essa é a letra da composição do Chico Buarque, "oferecida" em 1970 ao então general presidente Médici.

A Questão do Poder

Costumo pensar que para se conhecer bem uma pessoa, é necessário que ela fique numa posição de poder. Nessa condição, seu líder, seja ele seu parceiro, seu chefe, seu presidente etc normalmente se transforma em outra pessoa, ou passa a ser na realidade a pessoa que sempre foi, mas de forma velada, até então desconhecida. O historiador inglês John Emerich Edward Dalberg (1834-1902), também conhecido como lorde Acton, disse: “power tends to corrupt; absolute power corrupts absolutely”, ou seja, “o poder corrompe; poder absoluto corrompe absolutamente”. Mas talvez quem tenha mais razão seja Abraham Lincoln (1809-1865), décimo sexto presidente dos Estados Unidos, quando disse: “nearly all men can stand adversity, but if you want to test a man's character, give him power”, ou seja, “quase todos os homens podem suportar adversidades, mas se você quiser testar o caráter de um homem, dê-lhe poder”.
Já vi tanta gente mudar quando adquire alguma forma de poder! Democratas, liberais e libertários viram tiranos, com freqüência. Tinha razão o historiador americano Henry Adams (1838-1918) quando disse: “a friend in power is a friend lost”, ou seja, “um amigo no governo é um ex-amigo”.
Por falar em governo, lembro do que disse o geógrafo e etnólogo alemão Friedrich Hatzel (1844-1904): “Arbitrary rule has its basis, not in the strength of the state or the chief, but in the moral weakness of the individual, who submits almost without resistance to the domineering power”, isto é, “leis arbitrárias têm sua base, não na força do estado ou do chefe, mas na fraqueza moral do indivíduo, que se submete quase sem resistência ao poder dominante”. Sociedades de cultura autoritária acreditam que devem ser guiadas de forma autoritária, não importa por quem, desde que seja por alguém autoritário. Mesmo que seja alguém de baixa estatura moral ou de sexualidade duvidosa, como Hitler, por exemplo. Ou um idiota qualquer. Mas, como disse o escritor russo Denis Fonvizin (1744-1792), “a fool is very dangerous when in power”, ou seja, “um idiota no comando é muito perigoso”.
Bem, chega de falar em autoritarismo e autoritários. Conforme o escritor francês Jean de La Bruyère (1645-1696), “we should keep silent about those in power; to speak well of them almost implies flattery; to speak ill of them while they are alive is dangerous, and when they are dead is cowardly”, isto é, “devemos nos manter calados sobre os que estão no poder; falar bem deles quase significa bajulação; falar mal deles enquanto eles estão vivos é perigoso, e quando eles estão mortos é covarde”.
Desculpe as muitas citações, mas faço minhas as palavras dessas pessoas.

domingo, março 05, 2006

Diário de uma Paixão

A HBO passou ontem "Diário de uma Paixão" (The Notebook, 2004, Nick Cassavetes), um belo drama romântico baseado no romance de Nicholas Sparks, que conta a estória de amor iniciada num Carnaval entre Noah (Ryan Gosling) e Allie (Rachel McAdams). Se você gosta de filmes românticos e tem HBO, fique atento à programação deste mês. Vale a pena.


Hoje é a festa do Oscar. Eu não vou ver. Mas se você assistir, preste atenção ao que vai acontecer na premiação ao melhor filme estrangeiro. Os melhores filmes são Paradise Now (2005, Hany Abu-Assad), sobre a causa palestina, e Sophie Scholl - Die letzten Tage (2005, Marc Rothemund), sobre a resistência contra o nazismo. Adivinhe quem vai ganhar! Conhecendo Hollywood, você não tem um palpite?

quinta-feira, março 02, 2006

Santos, de novo


Domingo passado fui de novo para Santos. Não para as praias, que estavam lotadas. Mas para conhecer um pouco mais da cidade. Anteriormente conheci o Monte Serrat, a Bolsa do Café e o Museu da Pesca, além de revisitar o Aquário Municipal, que foi ampliado. Dessa vez, dei uma volta pelo centro histórico no bondinho que sai da Praça Mauá. Visitei o Palácio José Bonifácio, que abriga a Prefeitura e a Câmara. De lá fui para o Teatro Coliseu, totalmente restaurado, e de onde tirei essa foto aí da Igreja da Matriz. E para completar, como um bom santista (de torcida, não de nascimento), fui à Vila Belmiro. Visitei a sala de troféus, a sala de imprensa, e fui para o gramado do Estádio Urbano Caldeira através do túnel que sai do vestiário. Mesmo para outras torcidas, vale a pena ler, ver e ouvir um pouco da história do Pelé e de outros craques do passado. Lá, lembrei o que meu pai tinha me contado uma vez: a Nigéria e a Biafra interromperam uma guerra sangrenta por três dias em janeiro de 1969 para que o povo pudesse ir ver o Santos de Pelé jogar. Posted by Picasa

domingo, fevereiro 19, 2006

Nove Rainhas



Outro dia passou na TNT o filme argentino "Nove Rainhas" (Nueve Reinas, 2000, Fabián Bielinsky). Estória de dois picaretas portenhos, Marcos (Ricardo Darín) e Juan (Gastón Pauls), que tramam a venda de uma falsa coleção de selos raros, as "nove rainhas", a um milionário colecionador espanhol. O filme é tão bom que os americanos o refilmaram em 2004 (Criminal, Gregory Jacobs), mas "171", como foi chamado aqui, não ficou tão bom quanto o original. Ponto para nuestros hermanos. Excelente.

quarta-feira, fevereiro 15, 2006

Dois observatórios


  • A excelente revista Língua Portuguesa comenta na edição 4 sobre o Observatório da Língua Portuguesa, criado, segundo a revista, pela Escola Secundária José Cardoso Pires, de Lisboa. Se você se interessa por nossa língua, ou mesmo de qualquer outra, vale a pena visitar o site deles. Está aí uma boa dica cultural. Confira.
  • O LABJOR - Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo - apóia institucionalmente o Observatório da Imprensa. Já comentei que, tratando-se de jornalismo, política, ciência etc, é muito importante ter acesso a mais de uma fonte, além de conhecer as fontes e suas tendências. Conheça o Observatório, e "você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito". O mesmo é válido para revista. E mídia em geral. A propósito, está bem interessante a matéria sobre a influência da Opus Dei em nossa mídia hoje em dia. Tema atualíssimo!

domingo, fevereiro 12, 2006

Elis Regina MPB Especial - 1973



Está excelente o DVD "Elis Regina MPB Especial - 1973" (2004, João Marcello Bôscoli) com o programa Ensaio, produzido pela Fundação Padre Anchieta - TV Cultura e dirigido pelo Fernando Faro, com a maravilhosa Elis. Os brazucas do site MúsicaBrasileira.org também descrevem o DVD em http://musicabrasileira.org/reviewsinterviews/ermpbespecial.html, em inglês. E o MPBNet, em português, também reverencia a "Pimentinha" em http://www.mpbnet.com.br/musicos/elis.regina/. Se você curte a MPB, vá correndo procurar o DVD, que já está esgotado na TV Cultura. Tenho certeza de que não vai se arrepender.

sábado, fevereiro 11, 2006

Papai Noel às Avessas



Hoje a HBO passou "Papai Noel às Avessas - ele não se importa se você é bonzinho ou malcriado" (Bad Santa, 2003, Terry Zwigoff), uma comédia interessante. Willie (Billy Bob Thornton) e seu comparsa Marcus (Tony Cox) trabalham como Papai Noel e seu duende em shoppings, para descobrir seu sistema de alarme e assaltá-los na véspera do Natal. Mas o golpe corre um sério risco quando o "Papai Noel" conhece um garoto problemático, e o responsável pela segurança descobre a trama. Apesar de meio fora de época, o filme agrada surpreendentemente. Pode conferir.

terça-feira, fevereiro 07, 2006

Alta Fidelidade


Ontem vi na Folha que hoje de madrugada ia passar um filme recomendado pela crítica, no SBT às 3h15. Pus para gravar. E o SBT não mudou o filme, nem seu horário. Então, assisti hoje, assim que cheguei. Excelente. Refiro-me a "Alta Fidelidade" (High Fidelity, 2000, Stephen Frears), mistura de romance, drama e comédia, adaptação do livro homônimo de Nick Hornby. Rob (John Cusack) é dono de uma loja de discos (- nisso lembrou "Durval Discos"). Tem medo de compromisso nos relacionamentos. E adora fazer listas (rankings), como a dos seus cinco mais importantes rompimentos de namoro, incluindo o atual com Laura (a bela e desconhecida dinamarquesa Iben Hjejle). No elenco tem Tim Robbins e Catherine Zeta-Jones. Muito legal a participação dos empregados e amigos de Rob na loja, Dick (Todd Louiso) e Barry (Jack Black). Boas atuações, excelente roteiro e ótima trilha sonora. Olha, se encontrar este título em alguma locadora, pode pegar que vale a pena.

segunda-feira, fevereiro 06, 2006

Conheça Santos


 
Esta é a foto da Catedral de Santos, também conhecida por Igreja Matriz, tirada do Monte Serrat, de onde se tem uma bela vista de toda a cidade. O acesso é através de um bondinho e custa R$ 12,50 o bilhete de ida e volta. Este é um dos 19 pontos de parada do ônibus da Linha Turística Conheça Santos. Tem ar condicionado e guia a bordo. No fim de semana, você pode embarcar e desembarcar várias vezes com o mesmo bilhete. Achei uma ótima forma de se conhecer o que a cidade tem de interessante, além das praias. Estive lá ontem e gostei bastante do passeio. Recomendo.
 Posted by Picasa

domingo, fevereiro 05, 2006

Liberdade de expressão


A Folha publicou nesta sexta uma das doze charges que estão revoltando o Islã. O jornal dinamarquês "Jyllands-Posten" as tinha publicado em setembro. As charges provocaram protestos porque retratavam o profeta Maomé, o que é proibido no mundo islâmico para evitar a idolatria. O problema é que além de representar imagens do profeta, as charges ridularizam a fé islâmica e a associam ao terrorismo. Com o agravamento da crise, na semana passada vários jornais europeus republicaram as charges em nome da liberdade de imprensa. A charge reproduzida pela Folha mostra Maomé dizendo a homens-bomba que chegam à entrada do Paraíso: "Parem, parem, nós estamos sem virgens". Noutra, o turbante do profeta é uma bomba prestes a explodir. O ataque à ideologia é preferível ao ataque às pessoas, mas gera a mesma ou maior revolta. Neste momento, cabe refletir sobre os limites da liberdade de imprensa. É curiosa a posição americana neste caso. Os EUA estão apoiando os países islâmicos porque as charges são ofensivas e incitam o ódio religioso e étnico. Na verdade, é um posicionamento estratégico, porque tenta compensar sua reputação deteriorada no mundo muçulmano, dizem os europeus. Por outro lado, a Europa tem demonstrado tendências xenofóbicas ultimamente, o que é preocupante porque lembra o nazi-fascismo. Penso que devemos ter liberdade de expressão e de manisfestar eventuais discordâncias, mas sem desrespeitar as pessoas e sua fé. Nesta questão, sou solidário à posição americana, que mesmo sendo oportuna à política externa deles, tem natureza pluralista.

Mídia golpista hoje

Domingo é dia de folhear os jornalões e tentar entender o que a máfia dos barões da mídia está querendo que a gente acredite. O Globo, en...