Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2004
Imagem
Ontem almocei com alguns amigos da Herberts no restaurante do Geraldo (que não é mais do Geraldo) em Caieiras. Este já é o sexto almoço, mas talvez só uma ou duas pessoas tenham ido a todos. Este ano foram o Anderson, o André, o Andreas, a Carla, o Celso, o Jorge, o Luís, a Sonia e a Vera. Esse encontro me proporciona dois tipos antagônicos de sentimentos. Por um lado, alegria por rever pessoas com quem convivi em uma época que deixou saudades. Foi o nascimento da empresa no Brasil. Significou esperança. E uma espécie de renascimento para muitos profissionais. Por outro lado, esse encontro traz uma certa melancolia. Isto porque a venda da empresa e o fechamento da planta de Caieiras e de outras no exterior pode ser considerada uma verdadeira tragédia para a gente. De qualquer forma, valeu a pena rever o pessoal. Pena que muitos tenham faltado. Espero que no ano que vem a gente se veja novamente. E assim que receber as fotos, coloco pelo menos uma aqui, prometo.

Esta foto foi …
Kill Bill
Estava querendo escrever algo sobre Kill Bill já há algum tempo, mas ando sem inspiração, apesar de ter achado genial esse filme do Quentin Tarantino (você viu Pulp Fiction?), com uma excelente atuação da Uma Thurman. Então recomendo ler a crítica (em português) do volume 1 e do volume 2 do site Terra - Cinema & DVD (clique nos links). O vol. 1 você encontra nas locadoras, e o vol. 2 está em algumas salas em São Paulo. Não perca!
Milton Nascimento
O Bituca, carioca da Tijuca, recém-nascido foi adotado e levado para Trespa (Três Pontas, MG), onde ganhou um violão aos quinze anos e formou o conjunto Luar de Prata (com Wagner Tiso, Toninho Brito, Teresa e Guido). Depois de algum tempo, o conjunto virou W's Boys e todo mundo teve que adotar o w como primeira letra do nome. O Mílton virou Willer e até o empresário entrou na dança - virou Wonifácio! Os outros eram Wagner, Wanderley, Wayne e Waltro (ex-Daltro). Em 1963 o Bituca foi para Belo Horizonte com o Wagner Tiso e conheceu o Fernando Brandt, o Márcio e o Lô Borges. Aí o nome do conjunto era Evolussamba. Depois, Sambacana. A essa altura já tinha gravado discos em São Paulo e Rio, como crooner e contrabaixista. Em 1965, ganhou o Berimbau de Bronze no I Festival de Música Popular da TV Excelsior. Em 1966 a Elis gravou a "Canção do Sal". Em 1967, o Bituca ganhou o prêmio de melhor intérprete do II Festival Internacional da Canção, cantando "Trave…
São Lourenço
No último feriado estive em São Lourenço (300 km de São Paulo), no Circuito das Águas do sul de Minas. Sua atração principal é o Parque das Águas, que está muito bem conservado, e onde vale a pena passear e provar as águas de 6 fontes naturais, entre elas a água Vichy, que só existe lá e na França. Aliás, salvo engano, a companhia que administra o parque é do grupo francês Perrier. É um lugar ideal para se descansar, bem diferente de Brotas, onde a tônica são os esportes radicais. Se houver tempo, vale uma visita às outras cidades do circuito (Caxambu, Lambari, Cambuquira) e até dar uma esticada a São Tomé das Letras.

Pensamento do dia: quando apresentar opções para uma pessoa escolher, certifique-se que seja válida qualquer escolha que a pessoa faça. Senão, não estará dando escolhas à pessoa, mas sim tentando manipulá-la.