quinta-feira, dezembro 31, 2015

Feliz 2016!

2015 está terminando.  Este foi o ano em que os cães latiram e a caravana passou.  Para a direita, Dilma não devia ser candidata à presidência.  Candidata, não deveria ser eleita. Eleita não deveria tomar posse.  Empossada, a direita recorreu ao golpismo para impedi-la de governar.  É o que ocorre desde 20h27min de 26 de outubro de 2014.  Os reacionários atribuíram a derrota de seu candidato aos estados do norte e do nordeste, mas o fato é que o tucano perdeu em seu próprio estado, Minas Gerais, e também no Rio de Janeiro, o que foi decisivo para a reeleição de Dilma.  Sem aceitar o resultado das urnas, o PSDB, maior partido de direita do país, chegou a colocar em dúvida a lisura do processo eleitoral e pediu ao TSE a recontagem dos votos.  Manipulada pela mídia uma multidão ensandecida foi para as ruas vestindo o amarelo da corrupta CBF para pedir a volta da ditadura militar, a renúncia e o impeachment da presidenta democraticamente eleita. O “terceiro turno” se estende por mais de um ano e deve se arrastar ainda até outubro, quando haverá eleições municipais. A desculpa dos golpistas é a crise econômica.  De fato, alguns indicadores são preocupantes, como a queda do PIB e as altas taxas de juros e de inflação, nada que se compare à época em que os tucanos desgovernaram o país, no entanto. Mas a causa mais provável do golpismo é que a Polícia Federal e o Ministério Público têm toda a liberdade para investigar a corrupção, o que desagrada à maioria do Congresso, a seus financiadores e aos barões da mídia, elite acostumada a dar gorjetas (em todos os sentidos) e guardar dinheiro em paraísos fiscais.  Essa corrupção correu solta desde a República Populista (1946), a Ditadura Militar (1964) e a Nova República (1985) até o segundo mandato do Farol de Alexandria, FHC, que cruzou os braços em 1996, quando o jornalista Paulo Francis denunciou o que se passava na Petrobras.  No ano seguinte, aliás, FHC e seu genro, David Zylberstajn, fragilizaram os critérios de governança da empresa, dispensando-a das rigorosas licitações.  Pior, agora, despudoradamente, se junta ao rol dos golpistas.

A boa nova é que, apesar desses golpistas e moralistas sem moral, apoiados pela mídia partidária e por uma parcela da classe média, ignorante, hipócrita e preconceituosa, não vai ter golpe – este é o nosso mais sincero voto de Feliz 2016!

terça-feira, dezembro 29, 2015

Certos cristãos e suas manifestações de ódio

Interessante o artigo do Gregório Duvivier, do Porta dos Fundos: "Oposição e sua trilha sonora se merecem".  Se a pessoa não conhece Chico Buarque, então é só um caso de desinformação.  Mas agredir o Chico Buarque por suas escolhas ideológicas é selvageria e oligofrenia.  Para se ter uma ideia do que se passa na cabeça desses coxinhas engomadinhos e filhinhos de papai, olha quem são os porta-vozes deles:  Lobão, Roger, Fábio Jr, Alexandre Frota, Ronaldo (ver foto abaixo), Danilo Gentili, Ronaldo Caiado, Jair Bolsonaro, Marco Feliciano, Malafaia, Levy Fidelis, Pastor Everaldo, Marcelo Madureira, Rachel Sheherazade, Datena, Faustão etc.  A propósito, quem quiser saber mais sobre os playboys que hostilizaram Chico, vale a pena ler: A história do avô do rapaz que ofendeu Chico
O que está acontecendo com a sociedade em plena Era da Informação? As pessoas (especialmente da classe média) estão ficando cada vez mais ignorantes, hipócritas e preconceituosas! 
Em tempo: agora quem está atacando o Chico é o jornalista da Globo Alexandre Garcia, que foi porta-voz do general Figueiredo, o que dispensa comentários. 
Mas sejamos otimistas porque, lembrando Chico, apesar dessa gente amanhã há de ser outro dia - melhor. 

segunda-feira, dezembro 21, 2015

Sorria, você está sendo manipulado.

Tenho o costume diário de ler, ouvir e ver notícias, mas acabo sendo alvo também dos boatos, espalhados pelos desinformados e por parte da mídia (geralmente, a grande mídia, que tem interesses velados). 

Desemprego e escândalo contábil...é no Brasil? #SQN. Confira: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/12/1721582-toshiba-vai-demitir-um-terco-de-seus-funcionarios-e-preve-prejuizo-recorde.shtml. 

Aliás, sempre que um desinformado começar com aquele mimimi sobre desemprego, oriente-o a consultar o site Trading Economics:http://www.tradingeconomics.com/country-list/unemployment-rate.  O desemprego aumentou no último ano, é verdade. Quase dobrou, saltando de 4,3% no ano passado para 7,9% em outubro.  Ainda assim o desemprego aqui está abaixo da união européia e da zona do euro.  Se a nossa situação não está boa neste momento, imagine a de alguns países europeus como França, Eslováquia, Itália, Portugal, Chipre, Croácia, Espanha e Grécia. Informar é educar. 

Mas a nota mais engraçada do dia saiu no DCM (Diário do Centro do Mundo): A diferença entre Miss Colômbia e Aécio - Confira em  http://www.diariodocentrodomundo.com.br/a-diferenca-entre-miss-colombia-e-aecio-por-nathali-macedo/.  Imagens valem mais do que mil palavras. 

Agora, falando sério.  É importante saber separar o trigo do joio. Não é que a gente desaconselhe as pessoas a lerem o jornal, escutarem o noticiário, e verem o telejornal, mas imagine que o jornal, o noticiário e o telejornal estivessem em uma língua alienígena (isto é, estrangeira, distante, ou exótica - como os generais gostavam de dizer).  Adiantaria? Sem ter olhos de ver e ouvidos de ouvir, faria sentido? A maioria das pessoas não curte noticiários e não se interessa por eles porque a maioria simplesmente não os entende.    Se o conteúdo da mensagem for desconhecido para a pessoa, simplesmente ela faz ouvidos de mercador, isto é, a mensagem entra por um ouvido e sai pelo outro.  Bem, talvez se um pedaço da mensagem for subliminar, então vai ficar no subconsciente da pessoa como um mecanismo que vai começar a trabalhar assim que receber um sinal externo.  É como uma hipnose.  A parte inteligível da mensagem, que a pessoa entende, geralmente  também é uma manipulação.  Exemplo: a pessoa ouve alguma coisa que não aceita e fica irritada, revoltada.  Mas este pode ser o objetivo da mensagem, da notícia, ou melhor, de quem a escolheu ou criou para transmitir.  Por isto, não basta o senso comum ao se ler, ouvir ou ver o noticiário.  É necessário o senso crítico, e este só é adquirido quando a gente consegue enxergar o quadro completo, a imagem toda (the whole picture), isto é, saber quem cria o conteúdo, quem o transmite, em qual contexto, considerando-se principalmente os pontos de vista histórico e ideológico.  Simplificando, conhecer bem o mensageiro faz toda a diferença se quisermos saber se ele está dizendo a verdade ou está mentindo. 
Por outro lado,  se as pessoas não leem, não ouvem ou não veem as notícias, mas apenas rumores, boatos e fofocas, elas acabam se comportando como os ratos influenciados pelo flautista de Hamelin, como os walking dead, mortos-vivos, zumbis, alienados, birutas, marias-vão-com-as-outras, vaquinhas-de-presépio, teleguiados, hipnotizados, manipulados, de corpo e alma invadidos.  Aliás, são perfeitas essas metáforas em The Walking Dead (Robert Kirkman), em Night of the Living Dead (George Romero) e Invasion of the Body Snatchers  (Jack Finney). 

domingo, dezembro 20, 2015

A mídia e os trouxas

Interessante este artigo em que o Jorge Furtado, diretor e roteirista de cinema e TV, fala da nossa mídia: “A Imprensa está pautada por bandidos”. Segundo ele, “os jornais estão impregnados de ideologia. A infâmia e a fama são absolutas nessa era da mídia... A imprensa publica o que quer, sem checar nenhuma denúncia. Depois, quando elas não se confirmam, ninguém volta para retificar... São bandidos que alimentam diariamente a imprensa, são eles que fazem as capas de jornais diariamente... A imprensa assume que deixa de fazer jornalismo e passa a fazer política. Não se dedica mais a buscar a verdade factual e isso é um grave problema para a democracia”.
Recomendo também outro artigo da CartaMaior: “Atores do golpismo”, segundo o qual a mídia oposicionista é outro ator importante do golpe, e recorta a realidade sem mostrar que a gênese da corrupção na Petrobras está no governo FHC.  Aliás, você já reparou que a maioria absoluta dos líderes golpistas é ficha suja, está sob investigação? Os outros que apoiam o impeachment são apenas reacionários, de extrema-direita, mal informados, ignorantes ou imbecis mesmo.
Acerca do mau-caratismo da mídia no mundo todo, certo presidente disse uma vez que "se andasse de manhã sobre o rio Fulano de Tal, à tarde e à noite o noticiário seria 'o presidente não sabe nadar'!" - e esse presidente não era petralha, era o LBJ (Lyndon Johnson), democrata que sucedeu Kennedy e que perdeu a Guerra do Vietnã.
Aqui a nossa gloriosa mídia está concentrada em cerca de meia dúzia a uma dezena de famiglias que costumam guardar dinheiro em paraísos fiscais, mas como dizem: isto não vem ao caso. 

domingo, dezembro 13, 2015

Histórias em Quadrinhos

Qual a criança que nunca leu um gibi e não curtiu uma HQ (histórias em quadrinhos)?  Por alguma razão, é difícil achar uma exceção, pelo menos no mundo ocidental e no chamado Primeiro Mundo. 
Costumo dizer que aprendi a ler com duas cartilhas: "Caminho Suave" e "Mickey" (além de Tio Patinhas, Pato Donald, Superman, Batman etc.).  Nada mais normal.  Talvez não seja tão normal adquirir alguns cabelos brancos e continuar lendo e curtindo as obras de Disney, da Marvel etc. Isso aí e Harry Porter não é exatamente literatura para adultos. Dizem que o cérebro humano se mantém adolescente até os 24 anos, mas via de regra é natural que exista um amadurecimento.  Claro que isto não significa deixar de ser young at heart, isto é, deixar de ter espírito jovem mesmo sendo adulto. 
Qualquer meio de comunicação traz uma mensagem que, quando a pessoa não entende, funciona como sugestão.  Quando a mensagem contém propaganda, e a pessoa não percebe, aí é o caso de manipulação subliminar, lavagem cerebral, reeducação.
Histórias em quadrinhos são formas sagradas de manifestações impressas dos sonhos infantis.  A maioria de nós as teve e as amou. Mas elas eram nada mais do que revistinhas impressas, ou tinham um propósito oculto que não parecia tão óbvio naquela época? A Marvel e a DC Comics são provavelmente as editoras mais populares desde o início do século 20.  Elas passaram por tempos de guerra e de paz tendo muita inspiração na infinidade de eventos emocionantes e chocantes daquele século.  Observando os diversos super-heróis, podemos facilmente perceber identidades ocultas que representavam vários lados durante as guerras e conflitos políticos. Ao longo da História, super-heróis participaram de guerras, e de acordo com as histórias em quadrinhos, por vezes, as venceram.  O Capitão América ilustra bem isto; um super-soldado americano que luta contra um agente nazista, o Red Skull.  Considerando que o Capitão América apareceu pela primeira vez em 1941, durante a II Guerra Mundial, pode-se deduzir que como os quadrinhos imitaram os eventos da vida real, eles também representaram ideologias políticas.  A Guerra Fria também foi uma importante fonte de ideias para as histórias em quadrinhos.  Mais uma vez os super-heróis foram enviados para a batalha, mas desta vez a menção ao verdadeiro inimigo, os soviéticos, teria influenciado os resultados no mundo real.  Em vez disso, as guerras entre as nações fantoches de comunistas e de capitalistas foram mostradas, como os “Watchmen” da DC Comics enviados ao Vietnã. Criadores de quadrinhos de sucesso, como Stan Lee, esconderam pensamentos e opiniões em suas criações e influenciaram as mentes de muitos.  Os quadrinhos, por esta razão, poderiam ter sido uma maneira para as crianças se adaptarem ao mundo sombrio e perigoso.  Hoje em dia este papel foi passado à mídia interativa.  Mas os quadrinhos permanecem fortes e populares e até agora eles podem nos manipular secretamente com suas mensagens subliminares e referências ocultas.  O Homem de Ferro é um bom exemplo disso, já que seu recente inimigo era um terrorista árabe, comandado por um americano.  Olhando a natureza das histórias em quadrinhos, podemos facilmente afirmar que é mais do que óbvio por que elas foram escolhidas como um meio de propaganda e para a transmissão de mensagens ocultas.  Elas são fanaticamente lidas por jovens e adultos, infectam nossas mentes e permanecem lá em nossos pensamentos e sonhos. Não apenas têm sido eficientes em divulgar ideologias, mas também têm sido a ferramenta ideal para manipular as mentes de crianças e jovens.
O parágrafo acima é uma tradução livre do texto de Daniel Csáki. A seguir recomendo dois sites e um livro a respeito do assunto.
 
O
 site Cracked publicou um texto interessante sobre seis tentativas (bem-sucedidas) hilárias de se fazer lavagem cerebral em crianças e adolescentes com histórias em quadrinhos: http://www.cracked.com/article/209_6-hilarious-attempts-at-brainwashing-kids-with-comic-books_p2/ 

O
 site Newsbusters publicou um texto conservador sobre como Hollywood usa a TV para fazer lavagem cerebral com nossas crianças (e até adultos com idade mental infantil):  http://www.newsbusters.org/blogs/kathleen-mckinley/2011/06/02/how-hollywood-uses-tv-brainwash-our-children 

E, para completar, este é um clássico polêmico do argentino Ariel Dorfman e do belga Armand Mattelart: "Para leer al Pato Donald", de 1972, não lembro a editora (mas é fácil encontrar na Internet).

domingo, dezembro 06, 2015

Golpe paraguaio à vista!

Se você ler hoje os jornalões (Folha, Estadão, O Globo) e as revistas semanais (Veja, IstoÉ, Época, exceto CartaCapital), não é reacionário e não votou no candidato da mídia golpista, então você vai ficar sem esperança e deprimido. O golpe paraguaio vem aí. Desta vez será sem os militares.  Para a direita, trabalhista ou esquerdista não pode ser candidato. Se for, não pode ser eleito. Se eleito, não pode tomar posse.  Se tomar posse, não pode governar. É o que ocorre com Dilma desde que foi reeleita em 26 de outubro de 2014: não pode governar. Neste quase um ano e dois meses houve inúmeros turnos da eleição: o terceiro, o quarto, o quinto etc. Tudo porque certo “playboyzinho de Copacabana e Ipanema está agindo como moleque”, conforme Agnaldo Timóteo, ou seja, a direita não aceitou a quarta derrota seguida (ou a oitava, se considerarmos os dois turnos desde 2002).
Agora que Eduardo Cunha, deputado federal pelo PMDB-RJ e presidente da Câmara, herói dos coxinhas, acatou o pedido de impeachment da presidenta ao saber que não teria apoio do PT na Comissão de Ética, a sorte de Dilma, do país e da democracia está lançada. Se depender do PMDB e do vice-presidente Michel Temer, dias difíceis virão. O PMDB, embora tenha mais governadores (7, assim como sua cria, o PSDB) e a maioria dos prefeitos (quase 20%), nunca elegeu diretamente nenhum presidente.  Mas participou de todos os governos pós-ditadura por ter tido sempre expressiva bancada no Legislativo. Governou o país através de Itamar Franco por dois anos depois do impeachment de Fernando Collor. E talvez governe os próximos três anos através de Michel Temer, “capitão do golpe” e “sócio íntimo de Cunha em tudo que se possa imaginar”, segundo Ciro Gomes.
Enquanto Dilma “espera confiança total de Michel Temer”, muitos fatos indicam que ele não vai apoiá-la.  O pedido de demissão do peemedebista, ex-ministro de FHC, Eliseu Padilha, ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, tem sido considerado uma senha para a retirada definitiva do apoio do PMDB ao governo.  Eventual governo de Temer já tem 100% de apoio do PSDB.
Se as ruas não reagirem, então o golpe paraguaio será só uma questão de tempo. 

sábado, dezembro 05, 2015

Os países mais ricos são mais evoluídos?


É comum se ouvir de coxinhas que certos países do chamado “Primeiro Mundo” são melhores que o Brasil, mais desenvolvidos, mais “evoluídos”.  Pergunto-me quando essas pessoas vão migrar definitivamente para esses paraísos, porque esta ação seria muito mais lógica do que viver reclamando.  Levando em conta que os coxinhas são ignorantes, no sentido de mal informados, e pensam de acordo com a mídia e os preconceitos, vale a pena fazer algumas reflexões.
O que será que é um país desenvolvido e evoluído?
Você já reparou que os países mais ricos do mundo ainda praticam a selvageria da pena de morte até para crimes comuns?  Pelos dados do FMI em 2014 eles eram pela ordem: Estados Unidos, China e Japão.  A China é campeã em execuções enquanto que, considerando o número de execuções entre 2007 e 2013, os Estados Unidos estão em quinto lugar (com 259 execuções) e o Japão em décimo lugar (com 41 execuções).  A propósito, no ano passado o artigo “Pena de Morte no Japão – Você é a favor ou contra?” destacou algumas curiosidades sobre a pena de morte e o sistema penal japonês.
Se considerarmos o índice GINI do Banco Mundial, indicador de distribuição de renda (média de 2008 a 2013), o Japão está em 33° (32,1), os Estados Unidos em 81° (40,8) e a China em 85° (42,3), enquanto o Brasil é o 120° (53,4) numa lista de 129 países. De fato, embora sejamos a 6ª economia do mundo, atrás apenas daqueles 3 países além de Alemanha e França, ainda somos uma nação muito pobre. E aí faz todo sentido a tese de que “país rico é país sem pobreza” mesmo que a mídia golpista, como as revistinhas Veja e Época, discorde. No entanto, os conservadores criticam duramente os programas sociais implementados por Lula e Dilma, especialmente o Bolsa Família. A direita alega que é uma prática assistencialista e eleitoreira, tese desmascarada pelo PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento). Apesar da recente e desastrosa declaração de um ministro japonês, o Japão, que tem preocupação secular com o bem-estar social, tem-se inspirado em nosso Bolsa Família; assim como Nova Iorque (Opportunity NYC) e a Suíça. Segundo o The Wall Street Journal, nos Estados Unidos, 14% apoiam-se nos food stamps, programa de assistência nutricional suplementar que atende mais de 42 milhões de americanos. Segundo a própria CIA, nos Estados Unidos 15,1% (48,6 milhões) vivem abaixo da linha da pobreza; no Japão, 16,1% (20,4 milhões); e aqui, 21,4% (43,8 milhões). Clique nos links para saber mais.
Ao passar os olhos pelos livros de História, tão esquecidos ultimamente, qualquer um pode constatar que o “evoluído” Japão cometeu muito mais crimes de guerra do que seus sócios na II Guerra Mundial, a Alemanha nazista e a Itália fascista.  Nessa época o Japão assassinou 30 milhões de pessoas no sudeste asiático e 23 milhões de chineses, além de outros crimes, como pilhagem, experimentos com seres humanos, tortura, canibalismo, uso de armas químicas e biológicas, trabalhos forçados, escravidão sexual.  Para completar sua “superioridade”, ainda hoje é um dos poucos países, ao lado da rica Noruega (país virtualmente sem pobreza), que não assina a Convenção Internacional para a Regulação da Atividade Baleeira.  Ao contrário, pretende caçar mais 4 mil baleias nos próximos 12 anos!
Então permanece a dúvida: qual país é desenvolvido, evoluído, rico?
Voltando ao Brasil, talvez a ilustração abaixo, vista no site da Bloomberg, explique o motivo de tanto ódio dos sonegadores de impostos e seus criados pelegos.


domingo, novembro 22, 2015

Mídia golpista nossa de cada dia

A melhor manchete de hoje saiu na Folha: “Ações visam cassar licenças de rádio e TV de 40 congressistas”, citando os "democratas" Aécio Neves (PSDB/MG), Tasso Jereissati (PSDB/CE), José Agripino DEM/RN) e Rubens Bueno (PPS/PR), entre outros. Detalhe: nenhum político do PT.
O Estadão não tem nenhuma novidade além de seus editoriais panfletários no estilo da revista Veja, ambos porta-vozes da direita.
O Globo, assim como o Estadão e a Veja, entende que a “Eleição é oportunidade de mudança na Argentina”.  Estão claramente torcendo pela vitória do candidato conservador Mauricio Macri, o Çerra argentino.  Também revela mais uma vez sua defesa do sionismo, traço comum de nossa grande mídia, ao criticar Caetano Veloso em “A razão da ocupação”.
A QuantoÉ, digo IstoÉ, deixa de lado momentaneamente a causa golpista, compartilhada com a Veja e a Época, e se ocupa do “terror islâmico”.  A Época, cada vez mais parecida com a Caras, faz o mesmo. A mídia golpista está pensando duas vezes antes de espalhar suas mentiras. É a Lei do Direito de Resposta, tão hostilizada pela mídia, dando os primeiros resultados.
A CartaCapital continua sendo a única revista semanal que vale a pena ler. São imperdíveis as matérias “Simone de Beauvoir e a imbecilidade sem limites de Feliciano e Gentili” e “Cunhas, Felicianos e Bolsonaros são inquisidores da atualidade”, sobre os ídolos dos retardados online.
Mas o melhor da semana ficou por conta do blog Sacizento: “Brasil vai exportar 1 milhão de jegues e Revista Veja teme ficar sem seus leitores”.
Leitores da Veja

domingo, outubro 25, 2015

A cadela do fascismo está no cio novamente


O título acima é atribuído a Bertolt Brecht e talvez seja referência ao que ele disse sobre Hitler: "Don’t rejoice in his defeat, you men! For though the world stood up and stopped the bastard, the bitch that bore him is in heat again".  Ilustra bem a corrente onda marrom do tsunami conservador iniciado em outubro de 2002 e crescente a cada derrota eleitoral da direita brasileira.
Ontem mais uma vez um bando de walking dead, analfabetos políticos ou, como eles mesmos já se chamam, coxinhas se manifestaram de forma agressiva contra petistas e qualquer um que expresse alguma ideia progressista. Dessa vez as vítimas foram Haddad e Suplicy.
Em junho o apresentador Jô Soares teve sua calçada pixada com a frase “Morra, Jô Soares” e foi chamado de “comunista” e “pago pelo PT” após ter elogiado a presidenta Dilma.  Fernando Morais, que o defendeu, também foi hostilizado nas redes sociais.
No mesmo mês, o ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, voltou a ser agredido enquanto almoçava em um restaurante de São Paulo.  Em fevereiro ele tinha sido ofendido no Hospital Albert Einstein, quando estava com a companheira que luta contra um câncer.
Em maio o ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha, foi insultado enquanto almoçava também em um restaurante paulistano.
As redes sociais, e não somente o Facebook e o Whatsapp mas até o LinkedIn, estão repletas de manifestações seletivas de ódio e intolerância. A mídia, que tem atuado como partido político de fato, é a grande responsável por estourar essa boiada.  Enquanto seus proprietários guardam dinheiro em paraísos fiscais, a mídia prega diuturnamente que toda a corrupção do país surgiu por causa do PT e só deve acabar com sua extinção.  E, da mesma forma que o flautista de Hamelin, hipnotiza seus leitores, ouvintes e telespectadores.  Mas o que assusta mais: a falta de discernimento das pessoas ou o fascismo enraizado em corações e mentes?



segunda-feira, outubro 19, 2015

Ética nos negócios e na política

Este foi o título da palestra proferida na semana passada por Joaquim Barbosa, ex-presidente do STF, no 14º Congresso Internacional de Tintas, a ABRAFATI 2015.
O ex-ministro do Supremo frustrou a maioria da plateia, formada por gente branca, conservadora e de classe média que certamente votou no candidato da mídia há um ano.  Digo isso porque essa gente estava ávida para saber o que Joaquim Barbosa pensa de um eventual (e muito desejado por eles) impeachment da presidenta democraticamente eleita.  E ele tirou a esperança deles afirmando que o impeachment é um recurso que se deve usar apenas em último e extremo caso.  Citou que o do Collor justificou-se porque a Casa da Dinda tinha sido totalmente construída com dinheiro da corrupção e que o Caçador de Marajás tivera somente apoio midiático e nenhuma base de sustentação, já que o partidinho dele, PRN, era minúsculo, artificial e sem nenhuma representatividade.  Achei que faltou pouco para que o xingassem de ‘petralha’ quando afirmou que nada há contra Dilma.
Além de sua completa exposição sobre a composição dos poderes na república brasileira, Joaquim Barbosa citou três causas da atual crise política, a saber:
A falta de ‘jogo de cintura’ e diálogo com a sociedade por parte da Presidência.  Ele não citou o nome da presidenta e aí interpretei uma crítica indireta a ela, a única, por sinal.  Claro, isto foi segundo a minha percepção.
A falta de ética da maioria dos políticos, principalmente aqueles que hoje compõem o Congresso.  E frisou que é totalmente contrário ao financiamento privado de campanha eleitoral, mencionando que os políticos já dispõem de uma verba bilionária, que é o Fundo Partidário.  Aí, ficou clara sua reprovação à avidez dos partidos de direita pelo dinheiro do financiamento privado, como é o caso do PSDB.
A falta de informação da maioria da população, inclusive de gente que se acha bem informada por esta mídia que está muito longe de ser isenta.  Também indiretamente ele criticou aquelas pessoas que vão para as ruas, como ratos hipnotizados pelo flautista de Hamelin (a mídia), sem saber o que reivindicar, alguns até pedindo o retorno insensato da ditadura.
Confesso que me surpreendi com a postura relativamente equilibrada do ministro, apesar de ter apontado apenas o Executivo, o Legislativo e a própria população como causas da crise, sem fazer nenhuma crítica ao Judiciário e a seu próprio papel como agente deste. 
Com relação ao setor industrial, um ponto positivo de sua palestra foi afirmar que a indústria não precisa e não deve contar com a ajuda financeira do governo, citando inclusive que este não é o caso da indústria de tintas.
E finalmente a boa notícia é que ele contrariou mais uma vez os coxinhas ao reiterar que não pretende ser candidato à presidência. Mas será que a direita o lançaria realmente como candidato?

quarta-feira, outubro 07, 2015

O cofre do Picolé e o buraco do Çerra

Ontem alguns veículos estamparam: “Alckmin torna/impõe sigilo de 25 anos a/para projetos de metrô/transportes”.  É o caso da Exame (Abril), ConversaAfiada, Brasil247, RedeBrasilAtual e Fórum.  Ao comparar o viés de cada um, podemos concluir que alguém vai ser advertido lá na Abril.  A mesma notícia foi estampada assim pela Época (Globo) e pelo Estadão: “Gestão Alckmin decreta/impõe sigilo de 25 anos a documentos de metrô/transportes”.  Repare que agora o sujeito é a gestão, não o servo da Opus Dei.  Mídia amiga não consegue esconder que o cofre do Picolé é a própria confissão do trensalão ou do metrolão.  Aliás, passados 8 anos do buraco da estação de Pinheiros, o crime está prescrevendo, ninguém foi julgado e nem mesmo uma plaquinha foi colocada na estação em memória das sete vítimas fatais.
A novidade do dia saiu no Estadão: “WhatsApp de cúpula da Andrade revela torcida por Aécio nas eleições”.  Essa é muitíssima interessante e dispensa comentários.
Ler para informar-se é muito importante.  É claro que não basta ler superficialmente, mas é preciso aprender a ler as entrelinhas, isto é, entender e captar a essência da mensagem.  Conhecer o mensageiro facilita o entendimento. Como dizem os velhos livros, quem tiver olhos para ver, ou de ver, que veja.
P.S.: Nada melhor do que um dia após o outro.

domingo, outubro 04, 2015

Os Heróis da Mídia

Na quarta-feira o MP da Suíça nos enviou os autos da investigação sobre lavagem de dinheiro e corrupção passiva do presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), quando soubemos que ele tem quatro contas bancárias somando US$ 5 milhões.  Agora, na iminência da queda de mais um ícone da direita, elogiado pelos colegas evangélicos Malafaia e Marco Feliciano, e os “jornalistas” Rachel Sheherazade e Reinaldo Azevedo (da Veja e da Jovem Pan AM), os jornalões e as revistas semanais praticamente o ignoram, sem manchetes principais e nem capas.
A revista Veja não faz nenhuma menção a Cunha, a não ser na coluna do Tio Rei.  Mas Cunha foi capa na última edição de março com a manchete “A Súbita Força de Eduardo Cunha”, lembrando bem aquela “reporcagem” na primeira edição de julho de 2007, “Os Mosqueteiros da Ética”, em que elogiava Demóstenes Torres.  Aliás, essa revistinha foi capaz de encontrar uma conta falsa do Romário na Suíça, mas não encontrou as quatro contas verdadeiras do Cunha!
Da mesma forma que a Veja, a IstoÉ (também conhecida por QuantoÉ) e a Época (a revista de fofocas da Globo) se omitem completamente, preferindo atacar Dilma, Lula e o PT.  Estas publicações deixam bem claro a sua opção de trocar o jornalismo, se é que algum dia elas o praticaram, pela militância política partidária e ideológica.  A CartaCapital também não destacou Cunha na capa, mas trouxe diversos artigos sobre o assunto:
Para ilustrar o viés da mídia vale a pena ler o texto da Andressa Costa Prates: “A IMPRENSA COMO PARTIDO POLÍTICO: A COBERTURA DA GREVE NAS UNIVERSIDADES FEDERAIS POR VEJA, CARTA CAPITAL, ISTOÉ E ÉPOCA”.
Em tempo: não é apenas a mídia golpista que se cala sobre Cunha.  Essa oposição sem rumo e sem projeto faz exatamente o mesmo.  Os coxinhas, cuja indignação é seletiva e agora não batem panelas, dizem: “Cunha é corrupto, mas está do nosso lado”!  Segundo o Brasil247, OPOSIÇÃO QUE PREGA GOLPE SE CALA SOBRE CUNHA.

quinta-feira, setembro 24, 2015

Notícias da Hora

Alemães são melhores em tudo mesmo?
Nada como empresas sérias como as europeias, não? A legendária Volkswagen admitiu que onze milhões de carros estão equipados com software que frauda resultados de testes sobre emissão de poluentes.  Imagina se fosse uma empresa latino-americana, brasileira!  Saiba mais pela CNBC: http://www.cnbc.com/2015/09/22/vw-scandal-germanys-reputation-on-the-line.html
Não bastasse esse ato de “honestidade” da empresa do primeiro mundo, em maio do ano passado soubemos de seu envolvimento com a ditadura fascista implantada aqui em 1964: “Envolvimento da Volkswagen com ditadura brasileira questionado por acionistas”.
Prêmio por gestão hídrica é merecido?
Piada pronta: o governador paulista Geraldo Alckmin, vulgo Picolé de Chuchu, servo da Opus Dei e preferido da direita, ganhou da Câmara o prêmio de gestão hídrica.  Sério! Confira: http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/198008/Com-SP-'na-seca'-Alckmin-recebe-pr%C3%AAmio-de-gest%C3%A3o-h%C3%ADdrica.htm
Se achar que o Brasil247 tem viés “petralha”, então confira no conservador e golpista O Globo: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/09/alckmin-diz-que-premio-sobre-gestao-hidrica-e-modestia-parte-merecido.html
Pato Donald virou petralha?                         
O maior jornal americano, The Wall Street Journal, liberal apesar de ser do canastrão Rupert Murdoch, elogia o prefeito paulistano chamando-o de “visionário urbano”.  Será que os jornalistas de Patópolis e Gothan City viraram petralhas?
Apesar de bater no prefeito todo o dia, o Estadão, ultraconservador, critica, mas admite: http://politica.estadao.com.br/blogs/gestao-politica-e-sociedade/fernando-haddad-a-ousadia-sem-dialogo/

Nada melhor do que um dia após o outro!

terça-feira, setembro 22, 2015

Mídia e outras empresas

É interessante o artigo da ScienceNews.org Unbiased computer confirms media bias. É uma pena que esteja apenas em inglês.  Resumindo, o artigo comenta sobre um programa de computador que confirma o viés ideológico e político da mídia ao analisar a escolha que esta faz das citações (trechos de discurso) dos agentes políticos.   
Lá em Patópolis e Gothan City eles concluem não haver diferença entre o badalado NYT e a horrível Fox. Aliás, um presidente americano (Lyndon B. Johnson) resumiu o papel da mídia assim: "Se uma manhã eu andasse sobre a água do rio Potomac, a manchete naquela tarde seria: 'O presidente não sabe nadar’".  A mídia no Brasil está concentrada em uma dúzia de famílias, sendo mais importantes as seguintes: Marinho, Frias, Mesquita, Civita, Saad, Abravanel e Macedo.  De tudo o que acontece no mundo inteiro e o tempo todo, essas famílias escolhem o que, quando, onde, como noticiar - naturalmente de acordo com os interesses de sua classe.  Então é apenas marketing aquela estória de imprensa livre, isenta, imparcial, independente, plural, apartidária e democrática a serviço do país.  E cabe ao leitor e espectador o cuidado para não ser hipnotizado (plim-plim) e manipulado. 
Em tempo: nada como empresas sérias como as europeias, não? A legendária Volkswagen admitiu que onze milhões de carros estão equipados com software que frauda resultados de testes sobre emissão de poluentes.  Imagina se fosse uma empresa latino-americana, brasileira!  Saiba mais pela CNBC: http://www.cnbc.com/2015/09/22/vw-scandal-germanys-reputation-on-the-line.html

Não bastasse esse ato de “honestidade” da empresa do primeiro mundo, em maio do ano passado soubemos de seu envolvimento com a ditadura fascista implantada aqui em 1964: “Envolvimento da Volkswagencom ditadura brasileira questionado por acionistas”. 

sexta-feira, setembro 11, 2015

Chile, 11 de setembro de 1973

Caro amigo, 

Hoje faz 42 anos que o governo democrático do presidente Salvador Allende foi derrubado pela oposição de direita, a mídia golpista e a seção conservadora da sociedade chilena.  Infelizmente foi mais um dos golpes contra a democracia na América Latina, que foram recorrentes nas décadas de 60 e 70, com o patrocínio dos ianques. 
Passado tanto tempo, a presidenta socialista Michelle Bachelet luta com aprovação de 22% (e 61% de rejeição) contra a mídia conservadora, da mesma forma que suas colegas Cristina, na Argentina, e Dilma, aqui.  É interessante observar a conspiração reacionária cada vez mais atuante nos governos democráticos e progressistas destas nações, além do Uruguai, da Bolívia, do Equador e da Venezuela.  Há muito dinheiro e interesse alienígena na região.  E entenda-se alienígena por seu real significado: estrangeiro, forasteiro.  Ou, simplificando, gente apátrida, oriunda de paragens exóticas. 
Lembrando Chico, 
"meu caro amigo eu não pretendo provocar 
Nem atiçar suas saudades 
Mas acontece que não posso me furtar 
A lhe contar as novidades 
Aqui na terra 'tão jogando futebol 
Tem muito samba, muito choro e rock'n'roll 
Uns dias chove, noutros dias bate sol 
Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta..." 
Pois é, está difícil abrir um jornal, uma revista, ouvir um noticiário no rádio ou na TV.  Os donos da mídia, acostumados a remeter dinheiro a paraísos fiscais imorais como a Suíça (lembra da Operação Zelotes?), de posse de concessão pública, bombardeiam diuturnamente a opinião do cidadão mais adepto de novelas, futebol, fórmula um, lutas e qualquer esporte que passe na Vênus Platinada e seus clones.  Com as mesmas bandeiras hipócritas de 1964, trabalham intensamente pelo golpe desde o fechamento das urnas em outubro passado.  Ando apreensivo, como Ubaldo, o Paranóico, saudoso como o Henfil.  Assim como no Chile de 1973 e no Brasil de 1964, mais dia, menos dia, deve haver um golpe à moda do Paraguai - dessa vez sem canhões e milicos nas ruas, mas via Judiciário, essa nossa Caixa de Pandora. 
Se isto acontecer, a gente volta a se falar em Santiago - que tal? 
Em tempo: hoje não é data de comemoração. É hora de lembrar: o povo que não recorda o passado está condenado a repeti-lo.

quinta-feira, setembro 10, 2015

O rebaixamento e os derrotados

Ontem a agência de classificação de crédito Standard & Poor’s rebaixou a nota de risco do Brasil de BBB (menor grau de investimento) para BB (sem grau de investimento).  Era o que faltava para a oposição de direita e a mídia sonegadora festejarem o “fim” do governo Dilma.  A CBN, a rádio que troca a notícia, a TV, os jornais e todos os veículos da Globo destacam festivamente o fato como se fosse o acontecimento do século, só menor que eventual queda da presidenta, queda pela qual a mídia golpista trabalha intensamente desde sua reeleição.
Mas vale a pena entender o que é essa agência e sua credibilidade.  Para tanto, bastam algumas consultas em sites da mídia, tanto da golpista como da independente.  A seguir, alguns exemplos.
Em 2011, o Estadão pensava diferente – veja seu mimimi quando Patópolis (ou Gothan City) foi rebaixada: “Standard & Poor’s não tem o direito de rebaixar os EUA”.  Essa mesma agência já rebaixou a França, além de Áustria, Espanha, Itália, Portugal, Malta, Eslovênia, Eslováquia e Chipre. Felizmente o mundo não acabou por isto, mas segundo a nossa mídia golpista e seus coxinhas amestrados é o fim do mundo para o Brasil ou, pelo menos, a senha para o golpe.
A agência marota é parceira da mídia faz tempo, como demonstrou a Carta Maior em 2013: “A Standard & Poor’s endossa a mídia, que retribui”.
Recentemente, em fevereiro, a própria Vênus Platinada estampou que “Standard & Poor’s pagará multa de US$ 1,37 bi por seu papel em crise”, referindo-se à punição da agência que não tem credibilidade por sua atuação na crise financeira de 2008, quando manteve a nota de risco A do banco de investimento Lehman Brothers até o momento de sua quebra, enganando muita gente.
Conclusão: é muito barulho por nada. E Lula tem toda a razão quando disse que o “rebaixamento do Brasil” não significa nada.  Completo: é mais um factoide que os derrotados nas urnas usam para convencer os mal informados de que o golpe à democracia é necessário ao Brasil. 

domingo, agosto 23, 2015

Imprensa marrom é igual no mundo todo

A nossa imprensa é ruim, mas veja o naipe da imprensa britânica: 

Daily Express: http://www.express.co.uk/ 
Daily Mirror: http://www.mirror.co.uk/ 


Para entender um pouco de tabloids e yellow journalism (imprensa marrom como a nossa revista Veja, por exemplo): https://www.questia.com/library/communication/journalism/tabloid-newspapers
É clássico o que disse Joseph Pulitzer, que foi concorrente de William Randolph Hearst (retratado como o Cidadão Kane por Orson Welles): "com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma".  Agora é só comparar os nossos jornalões (Folha, Estado, Globo) e as revistas semanais (Veja, Época, IstoÉ - que alguns chamam de QuantoÉ) com as pessoas "bem informadas" que votam em partidos e candidatos reacionários. 
Por falar em neoconservadorismo e jornalismo de esgoto, vale a pena ler O Caso de Veja, por Luís Nassif

Mídia e pesquisas não têm lá muita credibilidade.  Em todos os casos, veja que interessante esta pesquisa: http://fernandorodrigues.blogosfera.uol.com.br/2015/07/22/entre-as-instituicoes-igreja-lidera-em-confianca-na-opiniao-publica/ Segundo ela apenas 4,8% confiam na imprensa entre outras instituições.  Se perguntados apenas sobre a imprensa, 55,9% confiam poucas vezes ou não confiam nunca. Achei boa esta notícia.  No entanto, há uma consequência negativa: as pessoas acabam mal informadas ou contrainformadas através de boataria, fofoca, opinião alheia, achismo, não-notícias, spam, memes espalhados pela redes sociais. De qualquer forma, seja pelos meios de comunicação de massa ou não, as pessoas acabam desinformadas como consequência da omissão ou da manipulação da verdade.


domingo, agosto 09, 2015

Meus 200 Amigos do Facebook

Para falar a verdade, diferentemente do Roberto Carlos, eu não quero ter um milhão de amigos.  Os duzentos do “Feici” já me bastam. Compõem um espectro interessante.  Ou lembrando Jânio Quadros, uma colcha de retalhos, uma arca de Noé. Claro que não vou dar nome aos bois, mas alguns deles poderão vestir a carapuça.  A seguir, farei uma pequena descrição desta amostragem de fauna e flora.
Alguns são exigentes, mais com os outros do que consigo mesmos.  Não sei se por se acharem perfeitos, esperam perfeição de tudo e de todos.  Aliás, alguns imaginam que o mundo está em constante “evolução”, tudo fica melhor e será perfeito um dia.  Não deixa de ser uma faceta do positivismo que “tudo é para o melhor no melhor dos mundos possíveis”.
Alguns têm fé demais.  Pena que façam exatamente o oposto do que teria pregado ou faria seu líder ideológico. Mas, como mecanismo de defesa, projetam suas “imperfeições” nos outros. Por isto é que desconfio dos moralistas.  Via de regra são hipócritas.
Os religiosos são de dois tipos.  O primeiro é carola, beato, carismático, pentecostal, ortodoxo, xiita.  O segundo prefere religiões modernas, avançadas, evoluídas, sintéticas, enciclopédicas, “científicas”.  Alguns até acham lícito ganhar um dinheirinho com a fé alheia.
A maioria é ignorante.  Mas não me entenda mal: essa maioria é alienada, desinformada, talvez não gostasse e tenha faltado às aulas de História.  Não leem nem livros e nem jornais.  Não por ser analfabeta, mas por não ver valor na leitura.  Pode até abrir um jornal ou uma revista, mas somente nas seções de esporte, entretenimento ou anúncios publicitários (para saber o que “precisa” comprar).
Muitos não tomam partido. Preferem ficar em cima do muro. É mais cômodo, confortável, seguro. Acham que é radical quem escolhe um lado e desce do muro.  Claro, não têm noção do que seja radicalismo.
Não conte para ninguém, mas alguns têm vergonha da própria origem, da própria cor, da própria classe, da própria língua! Lembrando Cazuza, são caboclos querendo ser ingleses.  Não que um seja melhor que outro, mas apenas diferentes.
Outros seguem à risca a lei de Gérson, estão sempre querendo levar vantagem.  São espertos.  Criticam a desonestidade, desde que isso não inclua “gatos” e fraudes contra fornecedores de serviços (água, energia, telefone, TV por assinatura etc.).  Um jeitinho, uma caixinha aqui, uma propina ali, que mal faz?
Com avós ademaristas ou pais malufistas, alguns achavam razoável “roubar, mas fazer”.  No entanto, por causa da moda da volta da UDN, viraram tucanos “para combater a corrupção”.  O esquartejamento diário do petismo é a catarse deles nas redes sociais, no WhatsApp.
E como tem coxinha! A meta deles é subir na vida, na carreira, ser gestor, ficar rico, comprar aquele apê em Miami, ir morar nos States.  Não faz mal ser puxa-saco, capacho, lambe-botas, pelego, piolho de rico e de patrão. O que importa é ter grana, ser chique, poder comprar tudo do bom e do melhor, ou pelo menos o que estiver na moda.  Não faz mal se os bens que são seus fetiches forem manufaturados por mão de obra escrava lá no outro lado do mundo.
Tem uns que curtem autoritarismo, no fundo por serem inseguros.  Não aceitam esta baderna “que está aí”.   Pedem a volta do regime militar. Têm a Síndrome de Estocolmo. São sadomasoquistas. Adoram julgamento, castigo, punição. Deliram com o Datena, o Marcelo Rezende e a Sheherazade. Repetem: “bandido bom é bandido morto; direitos humanos para humanos direitos”. São conservadores, retrógrados, reacionários. Fazem lembrar o que disse Tim Maia: “Este país não pode dar certo. Aqui prostituta goza, cafetão tem ciúmes, traficante se vicia, e pobre é de direita”. O sujeito pode ser pobre, negro, assalariado, homossexual, sem educação (diploma), mas vota no rico, no branco, no patrão, no heterossexual, no doutor, no “engenheiro”.
Tem gente que se gaba porque “se informa” pela revista Veja.  E lê a Você S/A para turbinar a carreira.  Ama o capitalismo.  Quer ser CEO, CFO, COO... Seu modelo é o Steve Jobs. Aí, para soar menos egoísta ou mais politicamente correto, curte uma ONG beneficente, um trabalho comunitário ou voluntário, o que estiver mais na moda.
Pode até reconhecer que a Cultura, mesmo aparelhada, é a melhor TV aberta, mas é Globo-dependente e assiste qualquer coisa, desde que passe na Globo, seja novela, reality show, esporte (futebol, fórmula 1, lutas selvagens), enfim qualquer vazio cultural. A Globo é que faz a agenda de vida destas pessoas.
Mas tem muita gente jovem, dinâmica, inteligente.  Paradoxalmente, alguns seguem Bolsonaro, Olavo de Carvalho.  São modernos, “antenados”, super atualizados, embora pensem exatamente como os pais e os avós, ou de forma mais retrógrada ainda.
Será que me esqueci de alguém? 

sábado, agosto 01, 2015

Período de Engorda



Não há como negar que estes dias, que precedem o golpe iminente contra a presidenta, estão sendo muito engraçados. E trágicos.


Esta semana a mídia golpista anunciou: "(Agência de risco) S&P (Standard & Poor's) mantém rating (nota de risco) do Brasil, mas"... na verdade o PiG (partido da imprensa golpista) ressaltou mesmo o "mas", dando o maior destaque à possibilidade de a nota do Brasil ser rebaixada em uma próxima avaliação.  O foco não foi o fato (manutenção do rating), mas na possibilidade (possível redução no futuro).  Acho que não precisa desenhar, neste caso.  Mas o que tem isso de engraçado? Até aqui, nada.  Ao contrário, é trágica a atuação de nossa mídia.  O engraçado foi o reconhecimento da própria Globo que ela, de fato, teve a nota rebaixada.  Claro, eles não devem ter dito nada no Jornal Nacional, né?  Ou confessaram? Não assisto, não sei. Ver o site deles reconhecer que a Petrobrás (que eles querem destruir) teve a nota mantida enquanto a nota deles caiu não tem preço: http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/07/sp-reduz-perspectiva-de-nota-de-41-bancos-e-empresas-brasileiras.html 

Aí veio a notícia de que os "jornalistas" da Veja estão saindo das redes sociais depois que o Romário senador os desafiou a provar mais uma mentira que eles publicaram: http://linkis.com/tijolaco.com.br/blog/iq0rw 
O melhor comentário foi esse: 
 “Tem um vizinho meu aqui que tá me incomodando muito, já tivemos até algumas rusgas. Gostaria de saber: quanto a Veja cobra para publicar uma matéria dizendo que ele tá enriquecendo urânio na casa dele?" 

Agora, o Instituto Lula foi alvo de um atentado a bomba e alguns fascistas da mídia, admirados por idiotas, estão dizendo que foi tudo montagem.

E a crise aqui está feia, não? O Brasil está com a taxa de desemprego de 6,9%!  Preocupa a situação de Holanda, Luxemburgo e Hungria, que estão com esse mesmo desemprego. E o que dizer de Áustria (8,3%), Suécia (8,5%), Bélgica (8,6%), Irlanda (9,7%), Finlândia (10%), França (10,3%), Itália (12,4%), Portugal (13,7%), Espanha (22,4%)?  Mas crise mesmo, só na Grécia (25,6%) e aqui (6,9%), né?  No primeiro mandato do Lula era 11%, no segundo 8%, no primeiro da Dilma 5,4% e agora... 6,9%! Que crise! 

Tudo é para o melhor no melhor dos mundos possíveis.