segunda-feira, dezembro 25, 2006

Jornalismo de Invenção. Tudo a ver?

Em minha época de universidade a gente considerava alienados aqueles que não estavam a par do que acontecia nos porões da ditadura que a quartelada de 1964, com o apoio de nossa gloriosa classe média, implantou. Os agentes da ditadura freqüentavam as redações da mídia para escolher o que seria publicado ou não. Hoje parte dessa mídia, a mais bem aquinhoada, faz isso por conta própria. Escolhe o que você deve saber ou não. E você acha que está bem informado. Pois é. O que mudou daqueles dias para os atuais?
Na semana passada, um repórter da Globo criticou a direção e o "jornalismo" da emissora. Leia a carta de Rodrigo Vianna, no Terra:
Demitido, repórter da Globo critica direção

E veja o que o Fernando Morais disse à ótima Língua Portuguesa:
"Toda generalização é perigosa, mas o que vem ocorrendo é uma partidarização, de maneira hipócrita, porque escondida do leitor. A Veja, símbolo disso, virou um partido de direita e não diz. Virou uma publicação sórdida".

Monte Verde

 
Neste Natal fui a Monte Verde (Minas, 160 km de São Paulo pela Fernão Dias). Já tinha ido lá antes, mas dessa vez fui conhecer suas montanhas. Não sei como não o fiz antes. Quando viajo pelo interior do país, tenho o costume de procurar um mirante, um cruzeiro, um Cristo, um teleférico etc, enfim um lugar alto pra admirar a paisagem, vista de cima. Até parece pagamento de promessa. E agora chegou a vez de Monte Verde, afinal. Fui caminhar por suas trilhas até a Pedra Partida (2050m, ver foto), a Pedra Redonda (1990m), o Chapéu do Bispo (2030m) e o Platô (1900m). Fiquei com as pernas doloridas, mas valeu a pena. Com céu limpo, dá pra ver o Vale do Paraíba - imagens belíssimas. Pena que não levei a máquina fotográfica; só o celular. Mas para paisagens assim, melhor uma máquina fotográfica com uma boa lente para distãncia. É bom ir de roupa leve, incluindo uma blusa porque lá em cima venta bastante. Água é importante também. E o ideal é ir de manhã, porque pode chover, subir neblina, e para dar tempo de voltar com a luz do dia porque se gasta algumas horas, dependendo da disposição e do que você decidir ver. Na próxima vez vou ao Pico do Selado (2083m), o ponto mais alto da região, e mais longe também - mais de uma hora e meia de caminhada; ida e volta, três horas. Que tal? Se não gosta de caminhar tanto, um passeio pela cidade também vale a pena, com seu clima de Campos de Jordão, mas mais simples, natural. Recomendo. Posted by Picasa

domingo, dezembro 17, 2006

Matar um Sabiá

Acabei de ver "O Sol É Para Todos" (To Kill A Mockingbird, 1962, Robert Mulligan), drama estrelado por Gregory Peck, como o advogado sulista Atticus Finch, que defende um negro de uma acusação injusta de estupro, numa cidadezinha em plena Era da Depressão. Destaque para suas crianças, o garoto 'Jem' (Phillip Alford) e a menina 'Scout' (Mary Badham), que foi a atriz mais jovem a ser indicada ao Oscar. Não sei por quê, mas eles chamavam o pai pelo nome, "Atticus", e não "Dad". E adivinhe quem era o sabiá (mockingbird). Melhor você assistir, se gosta da Sétima Arte.

segunda-feira, dezembro 11, 2006

Muere el dictador chileno Augusto Pinochet

A morte venceu a justiça. Como disse o escritor uruguaio Mario Benedetti, "é a morte de um ditador que foi muito cruel com uma parte de seu povo. Julgando a história eu o condeno."
Que ironia! O ditador morreu bem no Dia Internacional dos Direitos Humanos! Bem, não vou fazer nenhum comentário porque qualquer comentário agora não seria racional, mas somente emocional. Quero apenas lembrar das milhares de vítimas da ditadura chilena, em solidariedade a seus amigos, parentes e familiares espalhados mundo afora.
Se murió el dictador, pero Victor vive. Mira:

sexta-feira, dezembro 08, 2006

Veja mais algumas do folhetim da direita

No último dia 29 o jornalista Joelmir Betting leu um editorial do Grupo Bandeirantes que me chamou a atenção, mas não tive tempo de comentar. Hoje pela manhã seu canal de notícias BandNews noticiou que a Justiça pediu explicações ao Grupo Abril sobre sua associação com os racistas sul-africanos da Naspers. "Veja" os links:

E o artigo do jornalista Altamiro Borges:

terça-feira, dezembro 05, 2006

Os Abutres Têm Fome

Outro dia vi "Os Abutres Têm Fome" (Two Mules for Sister Sara, 1970, Don Siegel), um faroeste em que o mercenário americano Hogan (Clint Eastwood) salva de bandidos a irmã Sara (Shirley MacLaine), que é uma freira um tanto diferente. Os dois acabam lutando juntos contra os franceses - ele pela recompensa, e ela pela causa mexicana. O destaque é a música do Ennio Morricone, que marcou época nos melhores faroestes de todos os tempos - os grandes filmes do Sergio Leone. Neste gênero o Don Siegel, que também se apresentava como Donald Siegel, teve a sorte de dirigir seu melhor western, "O Último Pistoleiro" (The Shootist, 1976), em que John Wayne era um velho pistoleiro a fim de um último desafio porque sabia que ia morrer de câncer. E de fato este foi o último filme de John Wayne, que morreu de câncer três anos depois. Conclusão: se você gosta de faroeste, não deixe de ver ou rever estes dois filmes do Don Siegel.

Mídia golpista hoje

Domingo é dia de folhear os jornalões e tentar entender o que a máfia dos barões da mídia está querendo que a gente acredite. O Globo, en...