domingo, outubro 26, 2014

Apesar de você, mídia golpista

Hoje você é quem manda
Falou, tá falado
Não tem discussão
A minha gente hoje anda
Falando de lado
E olhando pro chão, viu
Você que inventou esse estado
E inventou de inventar
Toda a escuridão
Você que inventou o pecado
Esqueceu-se de inventar
O perdão
Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Eu pergunto a você
Onde vai se esconder
Da enorme euforia
Como vai proibir
Quando o galo insistir
Em cantar
Água nova brotando
E a gente se amando
Sem parar
Quando chegar o momento
Esse meu sofrimento
Vou cobrar com juros, juro
Todo esse amor reprimido
Esse grito contido
Este samba no escuro
Você que inventou a tristeza
Ora, tenha a fineza
De desinventar
Você vai pagar e é dobrado
Cada lágrima rolada
Nesse meu penar
Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Inda pago pra ver
O jardim florescer
Qual você não queria
Você vai se amargar
Vendo o dia raiar
Sem lhe pedir licença
E eu vou morrer de rir
Que esse dia há de vir
Antes do que você pensa
Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Você vai ter que ver
A manhã renascer
E esbanjar poesia
Como vai se explicar
Vendo o céu clarear
De repente, impunemente
Como vai abafar
Nosso coro a cantar
Na sua frente
Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Você vai se dar mal
Etc. e tal
Lá lá lá lá laiá

Leitura de domingo - Hoje não é Armagedom



A Folha continua em cima do muro, sem confessar sua torcida pelo candidato do retrocesso. Até o DataFolha, que prefere anunciar um empate técnico. Hidrófobos como sempre, Cantanhede e Gullar nem merecem ser lidos. O que salva a edição, o que já virou rotina, é a coluna do Janio de Freitas: “Os enganados e o mentiroso”. Ele lembra, sabiamente, que o país não ficou dividido agora. O país sempre foi dividido, sempre foi Casa Grande & Senzala.
O Estadão, que não é dissimulado como a Folha, deixa claro em editorial sua opção político-eleitoral ao defender o voto em Aécio. E estampa que a 'eleição chega ao fim hoje como a mais acirrada desde 1989'. É verdade, nunca antes na curta história democrática deste país a direita esteve tão perto de ser eleita, com o apoio da mídia, do judiciário e de todas forças conservadoras.
O Globo concorda que 'desde a redemocratização não se via uma disputa tão acirrada' mas festeja que 'Aécio volta a subir em pesquisas e disputa com Dilma está indefinida' para o deleite de seus colunistas lambe-botas Merval, Noblat, Leitão e outros.
Época, a revistinha rosa que rivaliza com a Caras, segue a linha do Grupo Globo, maior conglomerado de mídia do país e da América Latina, que faturou mais de 14 bilhões de reais e cresceu mais de 9% no ano passado. O negócio deles é escolher o que, como, quando, onde e por que informar ou contrainformar.
A Veja, assim como os eleitores do Aécio, é mais radical do que o próprio PSDB e seus filiais DEM e PPS. Concorda que o 'Brasil volta às urnas na eleição mais acirrada da história' após cometer mais um crime eleitoral adiantando uma capa considerada pelo TSE como 'panfletário de campanha'. O panfleto da famiglia Civita, parcialmente sob controle do grupo racista sul-africano Naspers, é porta-voz de terrorismo e golpismo político-eleitoral.
Depois da saída do Paulo Moreira Leite, a IstoÉ, que chegou a publicar umas 4 capas sobre o trensalão tucano em SP, virou casaca de vez, parecendo agora uma filial da Veja. Nesta semana afirma que a campanha de Dilma é 'montada na mentira' deixando clara sua opção por Aécio, no qual vota ao som de gritos e rojões porque o Instituto Sensus, ligado ao PSDB, dá agora 4 pontos de vantagem para o playboy.
Resta apenas a CartaCapital, que mostra Dilma à frente segundo o Vox Populi, o Ibope e o DataFolha. E também destaca (em textos da Deutsche Welle e do The Observer) o surpreendente número de mulheres jovens que trocam o Ocidente pelo Estado Islâmico, jogando por terra o mito do pacifismo feminino.
Da blogosfera, hoje compartilho o site mineiro Poços 10 Notícias.
O mundo não acaba hoje, como brinca o colunista José Simão da Folha, citado pela Dilma no último debate ao lembrar o programa “meu banho, minha vida” do tucanato paulista. Qualquer que seja o resultado das eleições, a decisão popular é soberana e a luta por mais democracia e justiça social deve e precisa continuar.
Os fascistas não passarão! Até a vitória, companheirada. #DilmaNovamente

domingo, outubro 19, 2014

Leitura de domingo - Mídia e Judiciário elegerão o candidato do retrocesso?



A Folha, um jornal a serviço do conservadorismo, continua a favor de Aécio, mas sem assumir em seu editorial de hoje, em que faz de conta que é neutra.  Vale a pena dar uma olhada na coluna da ombudsman (por que não ombudswoman?) Vera Guimarães Martins, mas quem salva a edição é o Janio de Freitas, que comenta a censura imposta pelo TCE a uma semana do segundo turno.
O Estadão, que não dissimula e se declara conservador, ilustra bem seu partidarismo hoje no editorial 'a esperança contra o ódio'.
O Globo, como era de se esperar, apoia a censura do TSE a esta altura do jogo por causa do “desvirtuamento da campanha eleitoral”, em editorial claramente oposicionista.
A Veja, claramente de direita, continua em sua apaixonada cruzada contra o PT, Lula e Dilma, estampando o doleiro Youssef, segundo o qual em 2010 a campanha de Dilma recebeu dinheiro desviado da Petrobras.
A IstoÉ, que agora parece reivindicar o título de porta-voz número um da direita, estampa “Corrupção: você aceita isso?”, afirma que a campanha de Dilma usa a mentira como arma, e comemora Aécio ‘13’ pontos na frente.
A revista Época, da Globo, jornalismo rosa, está cada vez mais parecida com a “Caras” e o destaque, além da torcida por Aécio, é a foto dele beijando as mãos de Marina, que aparece nas redes sociais como a “noiva cadáver”.  Aliás, ela tinha dito que não subiria no palanque do PSDB, mas novamente mudou de ideia e fez isso no Pará. É a ‘nova política’ da santa do pau oco.
Das revistas semanais a exceção é a CartaCapital, a única favorável à reeleição da Dilma e não alinhada ao jornalismo subordinado aos interesses dos Estados Unidos e de Israel. Aliás, destaca esta semana que prisioneiros de guerra de 1948 a 1955 sofriam com miséria, falta de higiene, fome, doenças, trabalho forçado, tortura e tentativas de fuga punidas com execuções em campos de concentração de Israel para palestinos.
Como pudemos acompanhar nos últimos meses, a mídia não mudou de lado: é conservadora e combate todo e qualquer governo que tenha a ousadia de ficar do lado do povo e do trabalho em detrimento das elites e do capital.  Foi assim com João Goulart de 1961 a 1964.  E tem sido da mesma forma nos últimos 12 anos.  Elegeu Collor em 1989 e o forçou a renunciar em 1992.  Domingo que vem veremos se ainda tem força para eleger e derrubar presidentes no Brasil. Está perto de seu objetivo, já que desta vez tem o apoio do Judiciário.  Quem duvida, basta lembrar que o mensalão original, tucano, prescreveu.  E, como lembrou Dilma no debate da Bandeirantes, não há sequer um condenado cumprindo pena pelos diversos escândalos promovidos pelo PSDB durante a gestão FHC e os governos estaduais tucanos.  A Justiça é como as víboras, que só picam os pés descalços. Outro fator que vai pesar nestas eleições é o renascimento do fascismo, que já cresce na Europa e nos Estados Unidos, agora entre nós, como bem lembra o Paulo Moreira Leite.
Hoje o blog indicado é o do PML, citado acima.
A hora é de esquecer divergências e votar conscientemente para garantir que o país mude mais, com mais democracia e mais justiça social.  Para isto, reitero meu voto em Dilma.  Boa semana a todos.

domingo, outubro 12, 2014

Hoje é dia das crianças no Brasil!


Tenho muita saudade das minhas crianças. Mas, enquanto não chegar o dia de reencontrá-las, sigo sonhando com um mundo melhor para todas elas.  Como  não tenho palavras agora, faço-as com a poesia de Victor Jara nos vídeos acima e abaixo.
Por isso recomendo uma visita ao site da Unicef, do qual traduzi o texto seguinte.
Imagine um mundo onde todas as crianças têm a chance para realizar o seu potencial, onde cada criança tenha um lugar decente para dormir, comida suficiente, uma sala de aula e a saúde de aprender, crescer e prosperar. Imagine um mundo em que os direitos de cada criança são realizados.
O mundo - e as crianças do mundo - enfrentaram muitos desafios em 2013, mas houve marcos importantes para se reconhecer, também:
  • O número de mortes evitáveis ​​de crianças menores de cinco foi cortado quase pela metade entre 1990 e 2013;
  • 89% da população global usou uma melhor fonte de água para beber e 64% usou instalações sanitárias melhores;
  • 123 países agora penalizam todas as formas de violência sexual contra crianças.
Em 2013, a UNICEF trabalhou para construir o progresso que tem sido feito para as crianças - conduzir a mudança para os mais vulneráveis​​, desfavorecidos e excluídos - e aumentar o progresso no futuro.
Caso o leitor não odeie as políticas públicas de inclusão social, vale a pena dar uma olhadinha no site Brasil da Mudança também.


Leitura de domingo

A Folha continua dissimulada.  Morde e assopra. Dá uma no cravo e outra na ferradura.  Mas o pasquim da famiglia Frias, que apoiou logística e ideologicamente a ditadura, a qual chamava carinhosamente de ‘ditabranda’, não engana mais ninguém; espero.  Hoje a manchete principal é: ‘Choque de gestão’ de Aécio em MG teve efeito limitado.  Fica em cima do muro com a Mônica Bergamo: antipetismo causa separação (‘divórcio ideológico amigável’) de dupla de Fernando Meirelles.  Repare que o título não cita o nome do fotógrafo uruguaio César Charlone, incomodado com o ódio de classe surgido das sombras contra o PT.  O que salva a edição é, como sempre, a coluna do Janio de Freitas, mostrando o que é a ‘elite financeira’ e o sobe e desce da Bolsa: uma eleição de muitos.
O Estadão, pasquim da famiglia Mesquita, destaca que ‘Dilma prepara novo pacote de tributos para agradar a empresários’ e que ‘Aécio aceita parte das bandeiras de Marina’, deixando a redução da maioridade penal de fora e recebendo carta de apoio da viúva de Campos.  O Estadão, como toda a mídia golpista, escolhe o que, como e quando informar ou não.  Retiraram até do Internet Archive a matéria encomendada pelo Zé Bolinha Çerra em que insinuaram o hábito de aspiração do playboy AE5, intitulado “Pó pará, governador?”.
O Globo, mais serelepe que a Cantanhede (da Folha e do PSDB), diz que ‘Aécio espera ter hoje o apoio de Marina’, e que ‘Dilma quebra promessa e ataca tucano’ ao lembrar mensalão tucano, caso Alstom em SP (trensalão) e que vazamento seletivo de caso Petrobras é eleitoreiro.  E aí continuam os mesmos os ‘calunistas’ Merval Pereira, Ricardo Noblat e Míriam Leitão, entre outros.  Ou seja, a organização da famiglia Marinho continua manipulando você.
A revista Época, imprensa rosa da Globo, é só material de campanha do AE5, com o candidato da direita na capa dizendo cinicamente que ‘o governo dele será o governo dos pobres’ e que ‘não se sente obrigado a disputar um segundo mandato’.  A propósito, a reeleição foi comprada pelo PSDB, lembra?  
Mais serelepe que O Globo e a Cantanhede está a Veja, folhetim da famiglia Civita.  E, como o Facebook, fedorenta também, com seu ‘caminho aberto para Aécio, o fator surpresa que ganhou mais 30 milhões de votos de um dia para outro’!
A IstoÉ, que virou totalmente à direita, estampa que a ‘campanha de Dilma (está) sob suspeita’ e despudoradamente ‘mostra que o tucano abriu 17 pontos sobre Dilma’ em pesquisa do Instituto Sensus.  Cabe lembrar que Sensus/IstoÉ é empresa de Clésio de Andrade, ex-vice de Aécio, e réu no mensalão tucano.
A única revista semanal que se salva ainda é a CartaCapital, que faz a síntese do momento: ‘estão em disputa dois projetos opostos de Brasil, o futuro versus o passado’.  Outros destaques são: ‘Erundina: apoio a Aécio é vexatório’ e ‘Sururu no ninho tucano’.  A exemplo da França, parece que o Brasil também descamba para a direita.  Tomara que não.
Como disse Malcolm X: “A imprensa é tão poderosa no seu papel de construção de imagem que pode fazer um criminoso parecer que ele é a vítima e fazer a vítima parecer que ela é o criminoso. Esta é a imprensa, uma imprensa irresponsável. Se você não for cuidadoso, os jornais terão você odiando as pessoas que estão sendo oprimidas e amando as pessoas que estão fazendo a opressão.” E vale complementar com Joseph Pulitzer: “Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma”.
Não é um blog, mas é meu destaque hoje o media watch website Observatório da Imprensa, porque com ele ‘você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito’.

domingo, outubro 05, 2014

Leitura de domingo

Os jornalões voltam a ficar animados com as últimas pesquisas que apontam para um segundo turno com Aécio, o plano A da direita, o candidato dos conservadores, dos reacionários.
A Falha e o DataFalha decretam: Dilma 44%, Aécio 26% e Marina 24%.  Diz que eleição chega ao primeiro turno com dúvida sobre quem enfrentará Dilma.  O que chama a atenção é o artigo segundo o qual “hegemonia do PSDB no interior deve garantir vitória”.  Para o paulista do interior não existe má gestão na SABESP, assalto a trem e metrô no trensalão de empresas multinacionais e governadores do PSDB, pedágios mais caros do mundo, segurança pública deficiente.  O servo da organização paracristã de direita Opus Dei, Picolé de Chuchu, deve se reeleger no primeiro turno.  Alternância de poder no estado, não.
O Estadão está todo serelepe com a pesquisa do Ibope mostrando que Aécio cresce, ultrapassa Marina, mas vaga no 2° turno fica indefinida. Diz ainda que Aécio sobe 5 pontos, sai do desânimo, ganha fôlego e volta ao jogo com chance real.  O cara de pau, recebido com tomates no próprio estado, disse que Dilma foi a MG por estar ‘assustada’.  Lá Dilma está na frente e Pimentel ganha no primeiro turno.  A má notícia é que Çerra está bem à frente de Suplicy na corrida ao senado.  Como o Zé Bolinha nunca cumpriu um mandato, é certo que, caso eleito senador, disputará a prefeitura da capital daqui a 2 anos.
O Globo acompanha os jornalões paulistas e faz campanha pelo playboy tucano através de seus colunistas, os sempre pelegos Merval, Miriam Leitão, Noblat.  Talvez a única informação que presta seja o artigo sobre o número de eleitores que compareceram para votar nas últimas eleições mundo afora.  Nós estamos atrás apenas da Índia, dos Estados Unidos e da Indonésia.
O pasquim fascista da Abril e da Naspers ficou sem bala de prata e mostra Marina e Aécio como a última esperança dos reacionários que ‘rejeitam a classe política e desejam mudança’.  E, claro, nos subtítulos insiste em ‘petrolão’ e Joaquim Barbosa, o ídolo dos coxinhas.  É preciso usar EPI (equipamento de proteção individual) para abrir esse folhetim porta-voz do obscurantismo.
A IstoÉ confirma que fareja o fim do jornalismo de esgoto da Abril e, como urubu, disputa seu público vil com uma guinada à direita, festejando virada de Aécio sobre Marina e presença do tucano no 2° turno, que seria a ‘hora da mudança’, quando o eleitor expressará o desejo de um Brasil melhor através do voto...em Aécio? Essa revista ‘endireitou’ mesmo com a saída do Paulo Moreira Leite em agosto, quando foi para o Brasil247.
A revista Época, imprensa rosa, também segue a linha conservadora das outras acima e revela que ‘Joaquim Barbosa foi convidado para vice de Aécio’. Isto aconteceu no final do ano passado, mas um colunista ex-Veja relembrou isto ontem, ao mesmo tempo em que Veja defende o ex-ministro do STF que teve registro de advogado negado pela OAB.  Por que será?
A CartaCapital, a única revista semanal independente, destaca que o trabalho escravo financiou 61 candidatos, entre os quais o único presidenciável financiado por empresas na ‘lista suja’ do Ministério do Trabalho é Aécio.  Nenhuma novidade, portanto.  Cabe aqui uma reflexão sobre reforma política e a proposta de financiamento público de campanhas político-eleitorais. É interessante e educativo também o artigo da Cynara Menezes sobre os ‘desertores das eleições’.
Já que citei a Cynara, destaco hoje seu blog.
Então é isso por hoje, companheirada:
#Dilma13PraVencer
#NaoVaiTer2oTurno