domingo, maio 30, 2010

Centro velho, saudade nova

Sempre que vou ao centro velho da cidade de São Paulo, “alguma coisa acontece no meu coração”. Não sei bem explicar o sentimento. É uma nostalgia, uma agonia de querer que o tempo voltasse à época de garoto, em que eu perambulava pelo centro à procura de um disco, um gibi, um livro. Tenho orgulho de ser paulistano da gema. Mas não aquele orgulho besta, separatista, que os provincianos têm. Gosto da cidade, do estado, do país, do mundo. Mas o centro velho de São Paulo me traz lembranças, boas por sinal.
Gosto particularmente da Santa Ifigênia, entre a Luz e a República. Infelizmente a região foi abandonada pelo poder público e tem problemas com drogas, violência e prostituição. Talvez só não esteja em piores condições devido ao vigoroso comércio de eletro-eletrônicos nas centenas de lojas de artigos de iluminação, som, vídeo e informática. Mesmo a gente chique e cheirosa, que adora a Paulista e os shoppings da zona sul, vai dar o braço a torcer e reconhecer o valor turístico da Pinacoteca do Estado, incluindo a Estação Pinacoteca (no prédio do antigo DOPS), das estações da Luz (com o Museu da Língua Portuguesa) e Júlio Prestes (com a Sala São Paulo, sede da orquestra sinfônica da cidade). Se você não conhece a cidade, mas tiver a oportunidade de vir, não deixe de conhecer esses locais.
Bem, a exemplo do título da canção do Adoniran Barbosa, que pergunta: “nóis viemos aqui pra beber ou pra conversar?”, quero destacar três lugares interessantes para se beber e se comer lá no centro velho:

  • Bar Léo, talvez ainda o melhor chope da cidade;
  • Del Mar, a meio quarteirão ou trinta metros do Bar Léo, bom chope e ótima paella valenciana;
  • Sujinho - Bisteca D'Ouro, ali perto, na esquina da Ipiranga com a Rio Branco, bom chope e talvez ainda a melhor bisteca bovina da cidade.

Ah, e tem também o Bar Brahma, “quando cruza a Ipiranga e a avenida São João”.

sábado, maio 22, 2010

Pac-Man, 30 anos

Tive uma boa surpresa hoje ao abrir o Google. O doodle do dia faz referência aos 30 anos do game Pac-Man. Lembra dele? Depois que comprei meu TK85 (clone nacional do ZX81 da Sinclair), acho que em 1985, passei horas em frente à TV jogando TK-Man, que era uma versão da Microsoft para o Pac-Man. Foi aí que me apaixonei pela informática. Antes disso, cheguei a ter aulas de programação na universidade, mas detestei porque não tinha entendido nada. Mas, a leitura do manual de operações com programação BASIC do TK85 mudou tudo: comecei a aprender BASIC e linguagem de máquina para o ZX81. Depois tive um CP400-Color II, um MSX e vários PC's. Por hobby, andei estudando Visual BASIC, Java, C e C++ e até me tornei entusiasta do Linux. Hoje voltei no tempo e achei uma preciosidade para os saudosistas do ZX81: "ZX81 Never Die". A garotada que hoje joga "Grand Theft Auto IV" no Playstation 3 não imagina o quanto as coisas mudaram ao longo desses trinta anos. Não importa, o Pac-Man já é eterno.

O desespero da direita e o spam

Um amigo de Curitiba me encaminhou um spam denominado “Para avaliação”. E não foi com o intuito de apenas disseminar o spam, até porque o referido amigo é uma pessoa inteligente e bem informada. Ele se diz cansado de receber esse tipo de e-mail não solicitado que difama o governo atribuindo-lhe todos os males possíveis e imagináveis. Esse em particular começa assim: “recebi este e-mail e realmente temos que avaliar, o risco é muito alto, e cuidado, pois estas informações estão na parte da bula que você não lê”. O spam “patriótico” mostra preocupação com a possibilidade de a nossa futura presidente não poder comparecer à Assembléia Geral da ONU porque ela teria sido condenada nos Estados Unidos por sua participação na resistência à ditadura, estando assim impedida de pisar em solo americano. Não vale a pena falar dos detalhes de mais essa farsa contra a ministra.
A resposta é muito simples. Ontem mesmo a pré-candidata deu palestra em Nova Iorque, conforme noticiou o próprio PiG, que deu destaque a pequenas discordâncias entre a Dilma e uma tradutora. Veja (com o perdão da palavra) como eles escolhem o que vão informar e como vão informar. E depois tem gente que se acha bem informada porque lê a Farsa de S.Paulo e aquela revista que é metade publicidade.
Concluo lembrando o que disse a esse e a outros amigos. Acho que devemos ter paciência, denunciar a prática de spam ao provedor de e-mail, e recomendar uma visita ao antispam.br. É ano eleitoral e a direita está irada e desesperada. Para falar a verdade, espero até mais contra-informação do PiG (Folha, Estado, Veja, Globo), ainda mais agora que o próprio DataSerra (oops, DataFarsa... oops, DataFolha) admite o crescimento da candidatura Dilma e o atual empate técnico.

domingo, maio 16, 2010

A Carruagem Fantasma

Este é virtualmente um dos melhores filmes que já vi em toda a minha vida! Se a gente considerar que ele foi realizado em 1921, então de fato é o melhor de todos. Extraordinário! Contudo, não recomendo para quem pensa que cinema são aqueles blockbusters americanos para se ver comendo pipoca e tomando coca-cola e esquecer no dia seguinte porque já será apenas um filme velho.
"A Carruagem Fantasma" (Körkarlen, 1921) foi escrito e dirigido pelo sueco Victor Sjöström, que também atuou interpretando David Holm, o principal personagem do romance da conterrânea Selma Lagerlöf. O filme é mudo, com legendas originais em sueco. É branco e preto com tons azulados nas tomadas externas, amarronzados nas tomadas internas e avermelhados nos flashbacks. Com forte influência cristã protestante, o filme é moralista, atribui quase todos os males ao alcoolismo, e prega a possibilidade de salvação. David Holm é um mendigo e bêbado decadente, abandonado pela mulher, que foge com seus filhos. Ao perseguir a mulher através da Suécia, uma noite ele é recebido em um abrigo do Exército da Salvação. Lá, a irmã Edit (Astrid Holm) o acolhe e passa a amá-lo secretamente até o fim, mesmo depois de ser contagiada com a tuberculose dele e, pior, saber que ele é casado. Aliás, Edit promove o reencontro dele com a família, com a qual ele protagoniza a famosa cena da machadada na porta, copiada por Stanley Kubrick em "O Iluminado" (The Shining, 1980). Se for a última a pessoa a morrer na véspera de Ano Novo, David será condenado a ser o cocheiro da carruagem da morte durante o ano seguinte. A cena do espírito dele saindo do corpo foi copiada por Steven Spielberg em "Além da Eternidade" (Always, 1989). Naquela época o filme já apresentava efeitos especiais por conta da arte cinematográfica de Julius Jaenzon! É claro que não se comparam aos efeitos especiais obtidos com a tecnologia de hoje, sem os quais nada restaria da maioria dos filmes atuais. Bem, não vou contar todo o filme. Mas vale lembrar que Sjöström também dirigiu nos Estados Unidos o ótimo "Vento e Areia" (The Wind, 1928) e terminou sua carreira interpretando o Dr. Isak Borg em "Morangos Silvestres" (Smultronstället, 1957), homenagem de seu seguidor, o mestre Ingmar Bergman.
Os cinéfilos podem curtir uma amostra no YouTube:

terça-feira, maio 11, 2010

Dunga e suas pérolas

Hoje Dunga, o treinador da seleção brasileira de futebol, apresentou a lista dos 23 jogadores que pretende levar à Copa na África do Sul. É claro e normal que muita gente proteste, já que somos mais de 190 milhões de técnicos no Brasil. Eu mesmo tenho pelo menos 3 divergências, isto é, acho que ficaram de fora pelo menos 3 jogadores que estão em um momento muito bom de suas carreiras. De qualquer forma, penso que não vale a pena ficar discutindo a lista dos convocados pelo Dunga. Há gente muito mais capacitada na mídia para discutir essa convocação.
No entanto, gostaria de comentar um trecho da fala de Dunga, durante a entrevista coletiva em que ele anunciou os convocados: "... quem não viveu a época da escravidão não pode falar se era boa ou não; do mesmo modo que a ditadura, quem não viveu a época não pode saber se era boa ou ruim, se deveria voltar...". Reitero que vi o texto na Internet e não o ouvi no rádio ou na televisão. Aliás, o casal do Jornal Nacional bem que poderia ter pedido a ele que esclarecesse aquela frase, já que apareceu ao vivo na edição de hoje para atender à poderosa Globo, embora não tenha atendido à mídia esportiva e ao torcedor brasileiro. Então, segundo ele, para a maioria de nós, não dá para saber se a escravidão e a ditadura foram boas ou ruins! Desculpa, mas em minha percepção o Dunga demonstra que não é discutível apenas em matéria de futebol, mas precisa ler muito sobre História para não parecer que seja provinciano e reacionário.

domingo, maio 02, 2010

O Santos é o novo campeão!

O Santos perdeu do Santo André, mas sagrou-se campeão paulista pela 18a vez. De novo, foi um jogão e o placar foi construído no primeiro tempo. O Santo André jogou de igual para igual com o Santos e isto valorizou muito este título. Houve um gol mal anulado do time do ABC e até bola na trave do Santos, que conseguiu segurar o resultado mesmo terminando o jogo com 8 jogadores. O Paulo Henrique provou que é um craque de muita personalidade ao segurar a bola na frente e se recusar a ser substituído no finalzinho da partida. Foi uma das finais mais bonitas e nervosas que já vi. Haja coração! Mas foi merecido, no final das contas. Claro que muita gente invejosa torceu contra o Santos, mas o que seria do futebol-arte que o time vem apresentando até agora, se perdesse o campeonato justo na última partida? Afinal tem sido uma belíssima campanha durante esse primeiro semestre: em 29 jogos, 100 gols!