domingo, março 20, 2005

Domingo romântico


Hoje vi dois filmes românticos. Um antigo, que gravei da TV. E outro novo, que vi em DVD alugado.
- Ladrão de Casaca (To Catch a Thief, do Alfred Hitchcock, 1955): filme sem aquele costumeiro suspense, mas com uma guerra dos sexos entre John Robie (Cary Grant) e Frances (Grace Kelly, belíssima). Ela toma sempre a iniciativa e é bem avançadinha para a época. A cena dela lhe oferecendo um colar e algo mais em seu quarto, culminando com o show de fogos de artifício retrata bem o clima. A cena em que ela dirige a toda velocidade pelas curvas perigosas e sinuosas da Riviera Francesa parece uma antevisão do que ocorreu com a atriz em 1982, que ali morreu em um acidente de carro ao voltar para Mônaco.
- Antes do Pôr-do-Sol (Before Sunset, do Richard Linklater, 2004): belo filme que se resume no reencontro de Jesse (Ethan Hawke) e Celine (Julie Delpy) em Paris após 9 anos do primeiro encontro em Viena, tema de "Antes do Amanhecer" (Before Sunrise, do mesmo diretor, 1995). Dizem que o primeiro filme é até melhor. Vale conferir ambos.

sábado, março 19, 2005

Cinema em Casa


Sábado vi "O Terminal" (2004). O interessante é que quando vi o cartaz do filme pela primeira vez imaginei que fosse sobre um paciente terminal! Vi que era com o Tom Hanks, mas não me empolguei a ponto de procurar assistí-lo. O fato de estar entre os mais alugados no Blockbuster pesou contra, ainda mais que entre eles estava (ou está) o Catwoman - que li não sei onde que é fraquíssimo. O mais interessante de tudo é que acabei vendo o filme. E sinceramente não sabia quem era o diretor, coisa que dificilmente deixo passar. Assisti. Gostei. E até pensei: "esse diretor tem futuro, parece ter boa mão para a coisa". Por incrível que pareça não entendi o nome do diretor nos créditos, que nesse filme passam no final e no estilo de letra de punho. Só fui ver quem era quando fui olhar o verso da embalagem. Steven Spielberg! Para resumir, é um filme baseado na aventura de um iraniano que passou 16 anos dentro do aeroporto Charles De Gaulle em Paris. Neste caso, claro que o Spielberg adaptou a história ao gosto de Hollywood. E foi bem, no geral. Diverte e emociona. O Tom Hanks está muito bem no papel principal. Não é tão bom quanto o penúltimo do Spielberg, que também teve o Hanks no elenco, o "Prenda-me Se for Capaz" (2002). Mas vale a pena ver.

sábado, março 12, 2005

Correspondente Estrangeiro


"Foreign Correspondent", de 1940, é o segundo filme do Hitchcock nos Estados Unidos. Tive a sorte de encontrar o DVD numa banca de jornais por uma bagatela, e não resisti. Valeu a pena. Estou sempre me surpreendendo com esse diretor - e isto é muito agradável. Trata-se de um suspense político, com intriga internacional, espionagem e contra-espionagem, perseguições, assassinato, e até romance, em pleno ambiente de início da II Guerra Mundial. As cenas do moinho de vento holandês, da fuga do Hotel de L'Europe em Amsterdã, da torre da igreja em Londres, e do avião perto do final são inesquecíveis! Maravilha.

domingo, março 06, 2005

A Revolução dos Bichos


Se você não conhece a história, estará sujeito a repeti-la. É uma tradução de "Those who cannot remember the past are condemned to repeat it.", frase de George Santayanna (filósofo espanhol, 1863-1952). Outro filósofo espanhol, José Ortega y Gasset (1883-1955) escreveu que nós temos necessidade da história em sua totalidade, não para recuar nela, mas para escapar dela. E a História não é apenas o que está naqueles nossos velhos livros didáticos. Ela está acontecendo agora. É surpreendente como as pessoas desconhecem a história recente do Brasil, do mundo. O desconhecimento da História talvez seja o que a faça repetir, sempre. Como fazer escolhas para o futuro, sem conhecer o passado?
Bem, não quero me alongar nisto que pode parecer até uma indireta no atual contexto (histórico). Era para ser apenas um prelúdio para comentar algo sobre o título acima.
Outro dia recebi o link para o site composto pela filha de uma amiga (e seus colegas): "A Revolução dos Bichos - o livro, o filme e a história por trás". Está bastante informativo. E acredito que, para os que não tiveram a oportunidade, até dá vontade de ler o livro do George Orwell, que depois escreveu "1984" (Big Brother is watching you). Este é um link para um dos e-books da biblioteca da Universidade de Adelaide-Austrália. O site "The Literature Network" também possui vários e-books, inclusive sobre estes livros do George Orwell.

Mídia golpista hoje

Domingo é dia de folhear os jornalões e tentar entender o que a máfia dos barões da mídia está querendo que a gente acredite. O Globo, en...