domingo, fevereiro 12, 2017

Dias de Cinema



Sendo o lazer tão importante para a qualidade de vida do trabalhador, resolvi ir duas vezes ao cinema nesta semana de tempos excepcionais (eufemismo para o golpe em curso).  Assisti a filmes tão bons que gostaria de compartilhar:
  • Até o Último Homem (Hacksaw Ridge), do Mel Gibson, que por sorte só dirige, com Andrew Garfield no papel de um soldado que serviu como médico na 2a Guerra Mundial e que nunca pegou numa arma por ser "objetor de consciência", adventista do sétimo dia.  Drama que trata de caráter e valores, algo raro nestes dias excepcionais.


  • Estrelas Além do Tempo (Hidden Figures), do Theodore Melfi, com Taraji Henson no papel de uma brilhante matemática negra que participou do projeto espacial norte-americano, que sempre esteve atrasado em relação ao programa soviético (até a farsa do pouso lunar).  Drama que trata da segregação racial, oficializada até o final dos anos 60 nos Estados Unidos.

São dois filmes que, embora hollywoodianos, são obras válidas para reflexão em qualquer lugar do mundo.  Diferem daqueles filmes típicos de propaganda ideológica e colonialismo cultural.  Não têm carros velozes batendo e pegando fogo, não têm heróis infantilóides, daqueles que usam capa e cueca por fora da calça, salvadores do mundo "livre".  Não têm nada a ver com aquelas aberrações da Marvel e da DC Comics que tanto agradam aos regredidos e oligofrênicos.  Por isso, recomendo ambos, exceto para leitores da Veja e telespectadores do Globo News.

P.S.: O alento da semana foi que algumas pessoas devolveram o que saquearam lá no Espírito Santo, inclusive essa pessoa de bens citada pelo mestre Hariovaldo:
Filiada do PSDB devolveu produto de saque

domingo, fevereiro 05, 2017

Boas e más notícias




Hoje temos uma notícia boa e uma notícia ruim. Vamos começar pela ruim.  Coxinhas podem ir direto para o último parágrafo, da notícia boa.

A notícia ruim é que a enfermidade e a morte da dona Marisa, ex-esposa de Lula, despertou uma onda de ódio na internet.  Infelizmente, manipulados pela mídia sonegadora e golpista, muita gente da classe média ignorante, hipócrita e preconceituosa, e boa parte dos que se dizem cristãos, têm dado demonstrações de ódio seletivo contra Lula, Dilma, o PT e parlamentares e partidos não fisiológicos da base do governo anterior, como se estes tivessem inventado a corrupção ou como se apenas estes não pudessem incorrer em corrupção.
Como sabemos, a eleição de 2014 polarizou muito o país.  Diante de um cenário em que Dilma seria candidata à reeleição, com perspectiva de vencer, a direita se infiltrou no Movimento Passe Livre em 2013 para promover aquela onda de protestos com o objetivo de desestabilizar o governo.  Logo em seguida começaram os vazamentos seletivos da Operação Lava Jato, cuja finalidade era inviabilizar a reeleição.  Todo mundo deveria saber que a corrupção das empreiteiras e das estatais não era nenhuma novidade.  O caso da Petrobras, por exemplo, já tinha sido apontado pelo jornalista Paulo Francis em 1996 no primeiro governo FHC, que nada fez a respeito senão colocar o próprio genro na ANP -Agência Nacional do Petróleo.  Antes, em 1989 o jornalista Ricardo Boechat já havia ganho um prêmio Esso de jornalismo ao denunciar a roubalheira na Petrobras. O fato é que, com a derrota dos conservadores, a direita, após tentar impedir a posse da presidenta, começou 2015 prometendo sabotar o governo através de uma oposição "incansável, inquebrantável e intransigente" (nas palavras daquele playboy mineirinho).  E em 2016 tivemos o show de horrores que foi a farsa do impeachment, que na prática foi para estancar a sangria da Lava Jato e proteger os corruptos, conforme confessou o senador Romero Jucá (PMDB).

Como disse Nelson Rodrigues, os idiotas  vão tomar conta do mundo; não pela capacidade, mas pela quantidade.  Eles são muitos. É verdade, muitos deles foram às ruas, hipnotizados pela mídia, para marchar com a camisa da CBF, bater panelas e aclamar o pato plagiado da FIESP.  Hoje, parte deles está desempregada.  Pagaram o pato, literalmente.  E, se conseguirem emprego, vão morrer trabalhando se passarem as reformas trabalhistas e previdenciárias da camarilha golpista de Temer.

A notícia boa é a crescente vitalidade do cinema nacional, conforme o artigo do jornal Correio: http://www.correio24horas.com.br/detalhe/vida/noticia/bilheteria-cresce-no-brasil-e-filmes-nacionais-batem-recorde-de-lancamentos-em-2016/?cHash=d0503cbccf0601ef53a5ec312acb0b18
Já vi duas vezes e recomendo muito "Minha Mãe é uma Peça 2", escrito e protagonizado pelo fantástico Paulo Gustavo. Divirtam-se, sem moderação.