sábado, agosto 26, 2017

Uma Tarde em Buenos Aires



O “Santos Manjares” é o nono melhor restaurante de Buenos Aires segundo avaliações do TripAdvisor.  Fica na calle Paraguay, no bairro do Retiro, a uma quadra da Estátua de Adolfo Alsina, avenida 9 de Julio, aquela larga, do Obelisco.  É simples, mas a comida é boa e o pessoal é muito simpático e amigável.  Lá, recomendo o ‘bife de chorizo al punto’.  Uma sugestão: não peça café e ‘postres’ (sobremesas) – em vez disso, caminhe uns 20 minutos para fazer a digestão e prove café brasileiro ou colombiano e alfajores no “ El Gato Negro”, na Corrientes.
Enquanto Santiago tem uma farmácia em cada esquina, Montevideo, casas de câmbio, Buenos Aires tem livrarias, muitas.  É difícil resistir e não comprar nenhum título, livro técnico ou de ficção.  Chama a atenção o número de teatros e de livrarias.  Buenos Aires é a cidade com mais livrarias do mundo, tendo mais livrarias que o Brasil inteiro.  Temos de admitir: o portenho médio é mais educado e culto do que a nossa classe média (ignorante, hipócrita e preconceituosa).
Buenos Aires também tem uma boa malha de ‘subte’ (metrô).  As composições assemelham-se mais a trens mesmo, e as estações estão um tanto descuidadas, embora a decoração e a presença de músicos sejam destaques interessantes.  A estação Carlos Gardel tem saída para o shopping Abasto, um dos maiores da cidade.  Hoje, numa de suas 12 salas, vi o novo filme do Santiago Mitre, “La Cordillera”, com Ricardo Darín no papel de Hernán Blanco, hipotético presidente da Argentina, vivendo momentos críticos nos âmbitos político e familiar, durante uma cúpula latino-americana em Valle Nevado (‘ski resort’ perto de Santiago do Chile, na Cordilheira do Andes - daí o nome original do filme).  Não vou contar o filme, mas preste atenção às referências a Lula e à Petrobras, à manipulação corruptora dos ianques na região e à corruptibilidade das autoridades latino-americanas.

domingo, agosto 06, 2017

Dia de Vergonha e Dia de Covardia




Em menos de um ano e meio, o Brasil teve seu segundo Dia da Vergonha, nesta última quarta-feira, dois de agosto. A Câmara dos Deputados optou pelo arquivamento da denúncia de corrupção passiva contra o presidente ilegítimo Michel Temer (PMDB/SP).  Votaram unanimemente pelo não ao arquivamento apenas PT (58 votos), PCdoB (10), PSOL (6), REDE (4) e PMB (1).  Pela ordem, os partidos que mais contribuíram com Temer (ou foram comprados): PMDB (53 votos), PP (37), PR (28), DEM (23), PSD e PSDB (22); ou seja, a direita, que se dizia contra a corrupção, agora disse que estabilidade é mais importante e corrupção não é mais um problema.  Os partidos que votaram contra Temer foram os mesmos que votaram unanimemente contra a reforma trabalhista patrocinada pelos patrões.  O PDT tem um reacionário em suas fileiras, e o PSB está dividido, lamentavelmente.  Todo desinformado, que acredita que partido e político é tudo igual, deveria saber que a diferença é cristalina quando se vota temas de interesse nacional.

Dessa vez tivemos novidades interessantes.

A classe média não bateu panela, mas quer o fim do governo... da Venezuela!

A maioria da bancada evangélica votou a favor de Temer alegando que foi guiada por Deus.  Em outras palavras, pastores picaretas, que enriquecem à custa da fé popular, não se importam com a corrupção ou se o vampiro é satanista ou não.

E a TV Globo, pela primeira vez, cancelou novelas e Jornal Nacional - portanto em um dia de semana - para transmitir ao vivo a votação, mesmo perdendo audiência, uma vez que decidiu desembarcar do golpe que apoiou – não sei se por causa da queda da verba publicitária ou da popularidade do governo. O mais cômico, e trágico, é que Ali Kamel, o diretor de jornalismo da Globo, que decretara não haver racismo no Brasil, e que anda às turras com os jornalistas da Folha, dois dias depois disse que “a Globo faz jornalismo, não faz campanha, nem contra nem a favor, em respeito ao público”.  Ou seja, mente descaradamente.  Qualquer estudante de jornalismo sabe - ou deveria saber - que jornalismo não é só jornalismo, mas principalmente negócio.

Não poderia terminar sem lembrar que hoje fazem 72 anos que Hiroshima e cerca de 130 mil alvos civis foram alvos de armas nucleares ianques.

Jornal só serve para embrulhar peixe?

Síntese do golpe de 2016 Conheci gente que, quando abria um jornal, ia direto e somente às seções de esporte, diversão e lazer.  Ho...