sábado, agosto 26, 2017

Uma Tarde em Buenos Aires



O “Santos Manjares” é o nono melhor restaurante de Buenos Aires segundo avaliações do TripAdvisor.  Fica na calle Paraguay, no bairro do Retiro, a uma quadra da Estátua de Adolfo Alsina, avenida 9 de Julio, aquela larga, do Obelisco.  É simples, mas a comida é boa e o pessoal é muito simpático e amigável.  Lá, recomendo o ‘bife de chorizo al punto’.  Uma sugestão: não peça café e ‘postres’ (sobremesas) – em vez disso, caminhe uns 20 minutos para fazer a digestão e prove café brasileiro ou colombiano e alfajores no “ El Gato Negro”, na Corrientes.
Enquanto Santiago tem uma farmácia em cada esquina, Montevideo, casas de câmbio, Buenos Aires tem livrarias, muitas.  É difícil resistir e não comprar nenhum título, livro técnico ou de ficção.  Chama a atenção o número de teatros e de livrarias.  Buenos Aires é a cidade com mais livrarias do mundo, tendo mais livrarias que o Brasil inteiro.  Temos de admitir: o portenho médio é mais educado e culto do que a nossa classe média (ignorante, hipócrita e preconceituosa).
Buenos Aires também tem uma boa malha de ‘subte’ (metrô).  As composições assemelham-se mais a trens mesmo, e as estações estão um tanto descuidadas, embora a decoração e a presença de músicos sejam destaques interessantes.  A estação Carlos Gardel tem saída para o shopping Abasto, um dos maiores da cidade.  Hoje, numa de suas 12 salas, vi o novo filme do Santiago Mitre, “La Cordillera”, com Ricardo Darín no papel de Hernán Blanco, hipotético presidente da Argentina, vivendo momentos críticos nos âmbitos político e familiar, durante uma cúpula latino-americana em Valle Nevado (‘ski resort’ perto de Santiago do Chile, na Cordilheira do Andes - daí o nome original do filme).  Não vou contar o filme, mas preste atenção às referências a Lula e à Petrobras, à manipulação corruptora dos ianques na região e à corruptibilidade das autoridades latino-americanas.

domingo, agosto 06, 2017

Dia de Vergonha e Dia de Covardia




Em menos de um ano e meio, o Brasil teve seu segundo Dia da Vergonha, nesta última quarta-feira, dois de agosto. A Câmara dos Deputados optou pelo arquivamento da denúncia de corrupção passiva contra o presidente ilegítimo Michel Temer (PMDB/SP).  Votaram unanimemente pelo não ao arquivamento apenas PT (58 votos), PCdoB (10), PSOL (6), REDE (4) e PMB (1).  Pela ordem, os partidos que mais contribuíram com Temer (ou foram comprados): PMDB (53 votos), PP (37), PR (28), DEM (23), PSD e PSDB (22); ou seja, a direita, que se dizia contra a corrupção, agora disse que estabilidade é mais importante e corrupção não é mais um problema.  Os partidos que votaram contra Temer foram os mesmos que votaram unanimemente contra a reforma trabalhista patrocinada pelos patrões.  O PDT tem um reacionário em suas fileiras, e o PSB está dividido, lamentavelmente.  Todo desinformado, que acredita que partido e político é tudo igual, deveria saber que a diferença é cristalina quando se vota temas de interesse nacional.

Dessa vez tivemos novidades interessantes.

A classe média não bateu panela, mas quer o fim do governo... da Venezuela!

A maioria da bancada evangélica votou a favor de Temer alegando que foi guiada por Deus.  Em outras palavras, pastores picaretas, que enriquecem à custa da fé popular, não se importam com a corrupção ou se o vampiro é satanista ou não.

E a TV Globo, pela primeira vez, cancelou novelas e Jornal Nacional - portanto em um dia de semana - para transmitir ao vivo a votação, mesmo perdendo audiência, uma vez que decidiu desembarcar do golpe que apoiou – não sei se por causa da queda da verba publicitária ou da popularidade do governo. O mais cômico, e trágico, é que Ali Kamel, o diretor de jornalismo da Globo, que decretara não haver racismo no Brasil, e que anda às turras com os jornalistas da Folha, dois dias depois disse que “a Globo faz jornalismo, não faz campanha, nem contra nem a favor, em respeito ao público”.  Ou seja, mente descaradamente.  Qualquer estudante de jornalismo sabe - ou deveria saber - que jornalismo não é só jornalismo, mas principalmente negócio.

Não poderia terminar sem lembrar que hoje fazem 72 anos que Hiroshima e cerca de 130 mil alvos civis foram alvos de armas nucleares ianques.

Mídia golpista hoje

Domingo é dia de folhear os jornalões e tentar entender o que a máfia dos barões da mídia está querendo que a gente acredite. O Globo, en...