sexta-feira, outubro 30, 2009

Minissaia expõe provincianismo de São Bernardo

Conforme noticiou ontem e hoje a grande imprensa, há cerca de uma semana uma estudante de Turismo da UNIBAN (Universidade Bandeirante de São Paulo) foi agredida verbalmente e ameaçada de estupro por trajar uma minissaia. A moça teve que sair da unidade de São Bernardo sob escolta da Polícia Militar, usando um jaleco emprestado por um professor, conforme mostram diversos vídeos obtidos por celulares e que foram parar na Internet.
Considerando-se as circunstâncias, pode-se até questionar a adequação e a estética daquela roupa, mas não vejo nenhuma justificativa para tanto alarme. Pelo uso da minissaia, a moça foi chamada de vagabunda e prostituta, entre outros termos. Ficou chocada com a reação dos colegas, como ficamos todos quando tomamos conhecimento dessa manifestação preconceituosa, retrógrada e reacionária.
É realmente lamentável que, em pleno século 21, jovens dentro de uma "universidade" demonstrem tal nível ideológico, cultural e até mesmo educacional. A mercantilização do ensino superior prestou mesmo um grande desserviço à cultura do país ao fomentar a abertura de faculdades caça-níqueis em qualquer esquina e que, pelo poder do dinheiro, se autodenominam universidades. Universidade significa pluralidade, diversidade, liberdade, tolerância. A universidade deve ser um celeiro de idéias e mentes arejadas, que não tem nada a ver com essa visão estreita e tacanha do conservadorismo provinciano do ABC.

quinta-feira, outubro 29, 2009

Distrito 9

"Distrito 9" (District 9, 2009) está em cartaz há 2 semanas e cria expectativas em muita gente, por já ser um sucesso de bilheteria. E merecido. É um drama de ficção científica com doses equilibradas de ação e suspense. É rodado como se fosse um documentário e, inclusive, no início contém entrevistas e depoimentos reais de brancos e negros que comentam sobre imigrantes ilegais na África do Sul. No filme, os imigrantes ilegais são alienígenas perdidos e doentes, que são retirados de sua espaçonave estacionada sobre Joanesburgo para refúgio em uma favela chamada Distrito 9. Devido ao excesso de problemas com a vizinhança humana, o governo decide despejar os "camarões" (apelido pejorativo dos aliens) para um assentamento mais afastado da cidade. Apesar de contar com Peter Jackson, que produziu a série "O Senhor dos Anéis", são novatos tanto o diretor Neill Blomkamp como o principal ator, Sharlto Copley, que vive Wikus Van De Merwe, o encarregado de coordenar a transferência dos aliens. Não vou entrar em detalhes, mas apenas recomendar este bom filme, por sua originalidade, sem falar de sua clara referência ao apartheid, à intolerância e à discriminação.

terça-feira, outubro 27, 2009

Momentos de Jerusalém

"Momentos de Jerusalém" (Jerusalem Moments, 2009) é um dos filmes da 33ª Mostra Internacional de Cinema que podem ser vistos de graça pela Internet. Na verdade é um conjunto de 7 documentários conduzidos por 7 jovens diretores palestinos e israelenses. Aborda a complexidade da vida em Jerusalém. O que mais me chamou a atenção foi o documentário que aborda a profanação dos túmulos palestinos efetuada por Israel, em mais um exemplo de discriminação, intolerância e injustiça praticada pelo sionismo. Num intervalo que fiz, por acaso topei com a manchete do portal O Globo noticiando que Israel está sendo acusado pela Anistia Internacional de "tirar" água de palestinos. Coloquei a palavra tirar entre aspas porque se trata de um eufemismo que significa subtrair para si propriedade alheia mediante o uso da força. Isto é, o mesmo que os sionistas fizeram em relação às terras palestinas, notadamente durante o mandato britânico através de sua atividade terrorista, a Guerra dos Seis Dias e mais recentemente a construção do muro que isola a Cisjordânia.
A seguir, veja o vídeo publicado pela Anistia Internacional (falado em inglês):

33ª Mostra Internacional de Cinema

Da última sexta-feira, 23/10, até quinta-feira da semana que vem, 5/11, acontece em São Paulo a 33ª Mostra Internacional de Cinema. Esse ano temos uma novidade interessante. Nunca antes na história dos grandes festivais de cinema houve a oferta dos filmes da programação para acesso online. De 26 filmes, 16 já estão disponíveis para acesso em streaming. Essa disponibilidade é válida para os 300 primeiros acessos, após a exibição tradicional do filme, durante a realização da mostra. Acesse
http://www.mostra.org/exib_destaque.php?destaqueId=252&language=pt
e
http://www.theauteurs.com/programs/41
Agora o cinéfilo que não puder vir à mostra pode assistir aos filmes pela internet. Excelente.

quinta-feira, outubro 22, 2009

Bastardos Inglórios

Está em cartaz o novo filme do Tarantino, “Bastardos Inglórios” (Inglorious Basterds, 2009), que foi indicado à Palma de Ouro no Festival de Cinema de Cannes. Trata da vingança de judeus contra a elite nazista contada do jeito de Tarantino, com diálogos longos que estendem o filme a cerca de duas horas e meia, e inúmeras referências à história do cinema. O soldado Fredrick Zoller (Daniel Brühl), conhece uma jovem que possui um cinema em Paris. Apaixonado, o soldado convence o próprio Joseph Goebbels a mudar para o cinema da moça a estréia do filme em que ele representa a si mesmo como herói de guerra. Acontece que a moça, Shosanna Dreyfus (Mélanie Laurent) é uma fugitiva judia cuja família foi executada sob o comando do coronel Hans Landa – magnificamente interpretado por Christoph Waltz, que venceu o prêmio de melhor ator em Cannes. Já que toda a cúpula nazista iria ver o filme, isto era o golpe de sorte que viabilizaria a vingança da moça. Por outro lado, havia um grupo de soldados judeus americanos, comandados pelo tenente Aldo Raine (Brat Pitt, cujas caretas lembram o Robert De Niro), vulgo Apache, cuja missão é escalpelar o maior número possível de nazistas. Repare as referências ao western de John Ford no apelido e no nome do tenente – Aldo Ray + John Wayne. Se prestar atenção aos detalhes, o que não dá para conseguir totalmente na primeira vez, existem inúmeras referências dentro dos nomes dos personagens, da trilha sonora, dos cartazes, dos filmes dentro do filme, a todo momento. Bem, não vou contar o filme e nem fazer outra sinopse. Só vou dizer que decidi assistir ao filme esperando o máximo de Tarantino, até com um pouquinho de medo de ficar decepcionado, e saí feliz com o resultado: magnífico! Recomendo.

terça-feira, outubro 20, 2009

Congonhas


Congonhas-MG fica a cerca de 80km de Belo Horizonte, pela BR-040, rumo ao Rio. Para o turista não há muito o que ver na cidade, exceto a magnífica e imperdível Basílica do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, tesouro barroco tornado patrimônio cultural mundial em 1985. Além da igreja (primeira foto), com a sala anexa dos ex-votos, é impressionante o átrio com as esculturas de pedra-sabão dos 12 profetas (Daniel, Isaías, Jonas, Amós, Abdias, Baruc, Oséias, Ezequiel, Jeremias, Joel, Naum e Habacuc). A segunda foto destaca os profetas Ezequiel e, em segundo plano, Oséias. E também as 6 capelas dos passos (ceia, horto, prisão, flagelação, calvário e crucificação), todas obras de Aleijadinho e seus auxiliares. A última foto mostra as imagens de cedro representando o Passo da Subida ao Calvário. Independentemente de seu credo religioso, tenho certeza que vai apreciar essa obra-prima inesquecível.

sábado, outubro 17, 2009

O Quarto Poder

Recebi de um amigo um spam que brinca com as diferentes versões da imprensa brasileira para uma mesma história, no caso, a estória do Chapeuzinho Vermelho. A mensagem não é novidade, mas nos leva a refletir sobre a qualidade e a ideologia de nossa mídia.
Assinei a Folha por muito tempo, quase sempre em papel e ultimamente na versão on-line, mas acabei cancelando. Não imaginava um dia admitir que o Estado estivesse melhor. Na verdade, não melhor, mas menos ruim. A propósito o Estado on-line continua com aquele banner que diz "xx dias sob censura", o que confunde o leitor porque relaciona uma decisão judicial contra divulgação de grampos a uma determinação autoritária da ditadura militar nos tempos em que o Estado publicava poemas e receitas por causa da censura prévia. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Aliás, o Estado, por meio do Jornal da Tarde, fez campanha contra alguns políticos (por exemplo: Brizola e Maluf) que seria mais adequada a um panfleto de sindicato em porta de fábrica. Não defendo tais políticos, mas acho que um jornal minimamente sério não deveria usar técnicas de pasquim. Nos anos de chumbo o Estado foi vítima, sim, da ditadura. E infelizmente outro jornal, dizem, emprestava viaturas para transporte de presos políticos.
Não sei muito a respeito do Jornal do Brasil e do Globo, mas este último, junto com toda a organização Globo, tem uma história muito suja. Não vou me demorar neste caso, mas recomendo ver o documentário da BBC "Muito Além do Cidadão Kane", por exemplo, no YouTube (http://www.youtube.com/watch?v=JA9bPyd1RKQ).
A revista Veja é talvez o melhor exemplo de imprensa marrom (yellow journalism) que temos e também não vou me estender. Recomendo o artigo do Nassif "O Caso de Veja" (http://luis.nassif.googlepages.com/). Uma vez fui criticado por um colega quando disse que a Caras é melhor que a Veja. Disse e explico: a Caras é honesta e coerente com aquilo que se propõe. Não a leio, ou vejo, exceto quando vou ao barbeiro. Jamais a assinaria. Mas acho que ela é mais séria, só isso.
Independentemente de ser contra ou a favor de uma determinada ideologia política, filosófica ou religiosa, a imprensa deveria separar informação de opinião. Claro que deve haver liberdade de imprensa, mas é preciso responsabilidade e transparência. E não é apenas aqui que há problemas. Veja o caso do jornal dinamarquês Jyllands-Posten que em 2005 publicou charges contra Maomé ofensivas ao islamismo. Aquilo foi tão grosseiro quanto o que faz quase todos os dias o nosso "PiG" - partido da mídia golpista (Estado, Folha, Globo, Veja, Band). E isso não acontece só agora, não. Foi assim antes da quartelada de 1964, depois, no governo do Sarney, no do Collor, no do Fernando Henrique, e ainda mais agora, ou seja, sempre que o interesse dos donos dessa mídia foi ameaçado.
Como disse no início, cancelei, não sem tristeza, a minha assinatura da Folha. Acho que a alternativa é a blogosfera. Claro, da mesma forma, sei que devo filtrar o conteúdo porque há muita coisa boa e muita coisa abaixo da crítica. Há muitas opções dentro do espectro ideológico, e fica mais fácil discernir. Não vejo nenhum problema se determinada mídia ou pessoa é fascista ou comunista, se é conservadora ou progressista, se é católica ou muçulmana etc, desde que exprima sua opinião no foro adequado e de forma responsável.
Costa-Gavras abordou a questão da manipulação da opinião pública feita pela imprensa enquanto quarto poder no filme “O Quarto Poder” (Mad City, 1997). A propósito, para quem não lembra ou não conhece, Gavras é o mestre do suspense político que dirigiu, entre outros, “Z” (Z, 1969), “A Confissão” (L’Aveu, 1970), “Desaparecido – Um Grande Mistério” (Missing, 1982), “Estado de Sítio” (État de Siège, 1972) e “Seção Especial” (Section Spéciale, 1975), todos imperdíveis. Mas, voltando ao tema do poder da mídia, o quarto poder deixa de ser um grande aliado do cidadão comum e, aliado a gigantescos grupos econômicos, se torna mesmo um perigo para a democracia. Um exemplo clássico foi a campanha difamatória do jornal El Mercúrio contra o governo Allende, entre 1970 e 1973, que culminou no golpe. Se você é leitor da Veja, provavelmente acha que o Chavez é apenas um fanfarrão, mas o que você não deve saber é como atua a mídia conservadora na Venezuela, em nome da “liberdade de expressão”.
Embora seja virtualmente impossível manter sempre a neutralidade e o equilíbrio, uma boa opção pode ser verificar o ponto de vista dos media watchers, como o nosso Observatório da Imprensa, por exemplo. Se o camarada lê o Estado e a Veja e acha que está bem informado, uma “segunda opinião” pode ser interessante. Quando cheguei à universidade, minha primeira lição foi ouvir os contrários e conhecer as diferentes fontes de informação e de opinião. Acho que posso recomendar isto.

quinta-feira, outubro 15, 2009

Ao Mestre, Com Carinho

Em muitos países no mês de outubro se comemora o dia do professor. Na maioria deles a comemoração é no dia 5, que coincide com o dia mundial do professor. No Brasil, é hoje. Mas o que os professores podem comemorar aqui?
Antes da quartelada de 1964 o ensino era uma alternativa considerável para quem se graduasse nas chamadas ciências exatas, biológicas e humanas. Não era necessário seguir carreira dentro da universidade ou ir direto para o mercado de trabalho para exercer a profissão. Ser professor dava status e o salário não era aviltante. Hoje o professor não é mais referência. Perdeu valor e autoridade. Trabalha em condições precárias e tem um salário vergonhoso, conforme afirma a direção da APEOESP. E o aluno que chega ao ensino superior mal sabe ler e escrever, mal consegue efetuar uma simples operação aritmética sem o uso da calculadora eletrônica, e conseqüentemente não tem condições de articular idéias e de organizar o raciocínio. O que será do futuro?
Para a UNESCO a construção do futuro passa pelo investimento nos professores hoje. Senão, paixão e paciência não bastarão como chaves da eficácia do ensino. É preciso urgentemente entender e apoiar o professor, valorizá-lo e qualificá-lo.
Um certo educador, de nome Donald D. Quinn, afirmou que “se um médico, advogado, ou dentista tivesse 40 pessoas ao mesmo tempo em seu consultório, todas com diferentes necessidades, e algumas não quisessem estar lá e estivessem causando problemas, e o médico, advogado, ou dentista, sem ajuda, tivesse que tratá-las todas com excelência profissional durante um ano, então ele poderia ter alguma noção do que é o trabalho do professor na sala de aula”.
Em São Paulo, ao invés de diminuir o tamanho das turmas, o projeto demotucano mal consegue colocar estagiários para auxiliar os professores apenas no primeiro ano apesar da propaganda enganosa de que haveria dois professores em sala de aula. Em termos nacionais, segue a luta em defesa do ensino público, gratuito e de qualidade para todos, bandeira da UNE que contraria a determinação da direita de simplesmente vender o ensino.
Mestres, parabéns pelo seu dia, que não é apenas hoje, mas sim todos os dias do ano letivo somados aos dias dedicados a planejamento e toda sorte de burocracia.

sexta-feira, outubro 09, 2009

Um pouco de política


  • Obama recebe Prêmio Nobel da Paz
    Está na cara que a decisão de dar o prêmio ao Obama foi política. Há menos de um ano na presidência da maior potência bélica do mundo, o que ele fez de concreto pela paz? Suas intenções, pelo menos as declaradas, são boas em relação às questões das armas nucleares, das mudanças climáticas e dos direitos humanos. Tanto que os republicanos, que equivaleriam aqui aos nossos "democratas" (ex-UDN, ex-Arena, ex-PDS/PP, ex-PFL, companheiros dos tucanos), reagiram muito mal. Mas não podemos esquecer que Obama ainda não fechou Guantânamo, não saiu do Iraque e deve mandar mais tropas ao Afeganistão. E ainda não ficou claro o quanto ele vai contrariar Israel ao defender os palestinos e ao tolerar o programa nuclear iraniano. Dessa forma o prêmio é uma estratégia para compremetê-lo com a esperança que ele nos passou ao ser eleito.
  • A CIA e os nossos tucanos
    "Quem Pagou a Conta? A CIA na Guerra Fria da Cultura" (Who Paid the Piper?: CIA and the Cultural Cold War, 1999 ou The Cultural Cold War: The CIA and the World of Arts and Letters, 2000), lançado aqui no ano passado pela Editora Record, é um livro da jornalista e historiadora britânica Frances Stonor Saunders, que explica por que o nosso ex-presidente FHC, o Farol de Alexandria, associou-se aos "democratas" e defende que nós devemos nos submeter sempre aos interesses americanos. Será que a Veja recomenda esse livro?

domingo, outubro 04, 2009

Hasta luego, Mercedes

Gracias a la vida que me ha dado tanto,
me dió dos luceros que cuando los abro
perfecto distingo lo negro del blanco
y en el alto cielo su fondo estrellado,
y en las multitudes el hombre que yo amo

Gracias a la vida que me ha dado tanto
me ha dado el oído que en todo su ancho
graba noche y día grillos y canarios,
martillos, turbinas, ladridos, chubascos
y la voz tan tierna de mi bien amado

Gracias a la vida que me ha dado tanto
me ha dado el sonido y el abecedario
con él, las palabras que pienso e declaro
padre, amigo, hermano y luz alumbrando
la ruta del alma del que estoy amando

Gracias a la vida que me ha dado tanto
me ha dado la marcha de mis pies cansados
con ellos anduve ciudades y charcos,
playas y desiertos, montañas y llanos
y la casa tuya, tu calle y tu patio

Gracias a la vida que me ha dado tanto
me dio el corazón que agita su marco
cuando miro el fruto del cerebro humano
cuando miro el bueno tan lejos del malo
cuando miro el fondo de tus ojos claros

Gracias a la vida que me ha dado tanto
me ha dado la risa y me ha dado el llanto
asi yo distingo dicha de quebranto
los dos materiales que forman mi canto
y el canto de ustedes que es el mismo canto
y el canto de todos que es mi propio canto

sábado, outubro 03, 2009

Memorial da Resistência

Ontem fui ver a mostra "A Luta pela Anistia", que é gratuita e está de terça a domingo até 18 de outubro no Memorial da Resistência, o antigo prédio do DEOPS (Departamento Estadual de Ordem Política e Social). E tirei algumas fotos.
A primeira foto mostra uma das celas do DOPS. Da grade, ao fundo, se via a área em que os presos podiam tomar sol por uma hora uma vez por semana. Dependendo da forma como os carcereiros abriam as portas destas celas, se podia saber se estavam apenas trazendo comida ou algum novo preso político, ou se vinham buscar alguém para tentar arrancar confissões por meio de violentas torturas.
A segunda e a terceira fotos mostram algumas das ameaças dos grupos de direita aos que lutavam pela redemocratização do país. Entre esses grupos estavam o CCC (Comando de Caça aos Comunistas), a Falange Pátria Nova, as Brigadas Moralistas, o MAC (Movimento Anti-Comunista), o GAC (Grupo Anti-Comunista), a FAC (Frente Anti-Comunista) e outros.
A última foto mostra treze dos quinze prisioneiros políticos que foram levados ao México pelo avião Hércules 56 da FAB, trocados pelo embaixador americano Charles Burke Elbrick. A história é relatada pelo ótimo documentário "Hercules 56" (2006, Sílvio Da-Rin). Veja mais detalhes no sítio HISTORIANET ou no vídeo do YouTube a seguir:

Terraço Itália

Almoço, jantar e happy hour no Terraço Itália é uma ótima opção para quem visita a cidade de São Paulo. Nem tanto pela ótima cozinha italiana, já que não chega a rivalizar com o Fasano e nem com o Massimo, mas pela localização. Como fica nos 41º e 42º andares do Edifício Itália, na Av. Ipiranga, a vista lá de cima é muito bonita.
A primeira foto mostra um helicóptero que tinha acabado de pousar no heliporto do Edifício Matarazzo, também conhecido por Palácio do Anhangabaú, construído sob inspiração fascista, e atual sede da prefeitura. À direita se vê também as torres verdes assim como a abóboda da Catedral da Sé.
A foto do meio mostra o Edifício Copan e a Igreja e Rua da Consolação. Ao fundo se vêem os prédios da Avenida Paulista, com diversas antenas, e também o prédio do MASP.
A terceira foto mostra a Avenida Ipiranga e a Praça da República, um dos poucos pontos razoavelmente arborizados ao redor do centro da cidade.

Mídia golpista hoje

Domingo é dia de folhear os jornalões e tentar entender o que a máfia dos barões da mídia está querendo que a gente acredite. O Globo, en...