Crise? Relaxe, a mídia está decidindo o seu futuro!

Nos anos 50 e 60 a direita utilizou-se da mídia e dos militares para promover golpes contra a democracia.  Após os 21 anos da última ditadura, a direita passou a utilizar a mídia, o judiciário, os ministérios públicos e a polícia federal (no lugar das forças armadas). A mídia, manipulando a opinião pública, elegeu Fernando Collor em 1989 e o derrubou em 1992.  Agora, após 14 anos fora do núcleo do poder, a direita está obcecada em derrubar a presidenta Dilma.  Hoje, se você abre um jornal, liga o rádio ou a TV, é difícil diferencia-los já que todos têm um discurso único: querem o fim deste governo legitimamente eleito alegando que estão combatendo a corrupção.
A estratégia da direita é, através da mídia, massacrar diuturnamente o governo, manipulando a opinião pública para que as urnas, já neste ano ou em 2018, recoloquem no poder os conservadores ou seus títeres (como, por exemplo, os tucanos lesa-pátria).
A tática hoje é dizer que o governo atua para controlar a PF e limitar a ação do judiciário, segundo a Globo  e o Yahoo, e lamentar que “homens bons”, como o japonês da federal e certos juizes tucanos, estão se sentindo ameaçados.  Está claro que, para a direita, os fins justificam os meios.
Como alertou Julian Assange, uma guerra furiosa pelo futuro da sociedade está em andamento e, para a maioria, essa guerra é invisível.   O futuro previsto por George Orwell no livro “1984“ já chegou, mas de uma maneira diferente, onde o poder não está centralizado em um Hitler, Mussolini ou Stalin, mas em grandes corporações. E, conforme Noam Chomsky, a propaganda representa para a democracia aquilo que o cassetete significou para um estado totalitário.

Nota: o texto acima foi elaborado com o AbiWord no Xubuntu, editor de texto e sistema operacional gratuitos e, na minha percepção, muito melhores do que aqueles vendidos por certas corporações.


Comentários

existe um video no youtube ... alem do cidadão Kane ... que faz uma analise histórica da rede globo. Mais interessante, produzido pela BBC