domingo, agosto 09, 2015

Meus 200 Amigos do Facebook

Para falar a verdade, diferentemente do Roberto Carlos, eu não quero ter um milhão de amigos.  Os duzentos do “Feici” já me bastam. Compõem um espectro interessante.  Ou lembrando Jânio Quadros, uma colcha de retalhos, uma arca de Noé. Claro que não vou dar nome aos bois, mas alguns deles poderão vestir a carapuça.  A seguir, farei uma pequena descrição desta amostragem de fauna e flora.
Alguns são exigentes, mais com os outros do que consigo mesmos.  Não sei se por se acharem perfeitos, esperam perfeição de tudo e de todos.  Aliás, alguns imaginam que o mundo está em constante “evolução”, tudo fica melhor e será perfeito um dia.  Não deixa de ser uma faceta do positivismo que “tudo é para o melhor no melhor dos mundos possíveis”.
Alguns têm fé demais.  Pena que façam exatamente o oposto do que teria pregado ou faria seu líder ideológico. Mas, como mecanismo de defesa, projetam suas “imperfeições” nos outros. Por isto é que desconfio dos moralistas.  Via de regra são hipócritas.
Os religiosos são de dois tipos.  O primeiro é carola, beato, carismático, pentecostal, ortodoxo, xiita.  O segundo prefere religiões modernas, avançadas, evoluídas, sintéticas, enciclopédicas, “científicas”.  Alguns até acham lícito ganhar um dinheirinho com a fé alheia.
A maioria é ignorante.  Mas não me entenda mal: essa maioria é alienada, desinformada, talvez não gostasse e tenha faltado às aulas de História.  Não leem nem livros e nem jornais.  Não por ser analfabeta, mas por não ver valor na leitura.  Pode até abrir um jornal ou uma revista, mas somente nas seções de esporte, entretenimento ou anúncios publicitários (para saber o que “precisa” comprar).
Muitos não tomam partido. Preferem ficar em cima do muro. É mais cômodo, confortável, seguro. Acham que é radical quem escolhe um lado e desce do muro.  Claro, não têm noção do que seja radicalismo.
Não conte para ninguém, mas alguns têm vergonha da própria origem, da própria cor, da própria classe, da própria língua! Lembrando Cazuza, são caboclos querendo ser ingleses.  Não que um seja melhor que outro, mas apenas diferentes.
Outros seguem à risca a lei de Gérson, estão sempre querendo levar vantagem.  São espertos.  Criticam a desonestidade, desde que isso não inclua “gatos” e fraudes contra fornecedores de serviços (água, energia, telefone, TV por assinatura etc.).  Um jeitinho, uma caixinha aqui, uma propina ali, que mal faz?
Com avós ademaristas ou pais malufistas, alguns achavam razoável “roubar, mas fazer”.  No entanto, por causa da moda da volta da UDN, viraram tucanos “para combater a corrupção”.  O esquartejamento diário do petismo é a catarse deles nas redes sociais, no WhatsApp.
E como tem coxinha! A meta deles é subir na vida, na carreira, ser gestor, ficar rico, comprar aquele apê em Miami, ir morar nos States.  Não faz mal ser puxa-saco, capacho, lambe-botas, pelego, piolho de rico e de patrão. O que importa é ter grana, ser chique, poder comprar tudo do bom e do melhor, ou pelo menos o que estiver na moda.  Não faz mal se os bens que são seus fetiches forem manufaturados por mão de obra escrava lá no outro lado do mundo.
Tem uns que curtem autoritarismo, no fundo por serem inseguros.  Não aceitam esta baderna “que está aí”.   Pedem a volta do regime militar. Têm a Síndrome de Estocolmo. São sadomasoquistas. Adoram julgamento, castigo, punição. Deliram com o Datena, o Marcelo Rezende e a Sheherazade. Repetem: “bandido bom é bandido morto; direitos humanos para humanos direitos”. São conservadores, retrógrados, reacionários. Fazem lembrar o que disse Tim Maia: “Este país não pode dar certo. Aqui prostituta goza, cafetão tem ciúmes, traficante se vicia, e pobre é de direita”. O sujeito pode ser pobre, negro, assalariado, homossexual, sem educação (diploma), mas vota no rico, no branco, no patrão, no heterossexual, no doutor, no “engenheiro”.
Tem gente que se gaba porque “se informa” pela revista Veja.  E lê a Você S/A para turbinar a carreira.  Ama o capitalismo.  Quer ser CEO, CFO, COO... Seu modelo é o Steve Jobs. Aí, para soar menos egoísta ou mais politicamente correto, curte uma ONG beneficente, um trabalho comunitário ou voluntário, o que estiver mais na moda.
Pode até reconhecer que a Cultura, mesmo aparelhada, é a melhor TV aberta, mas é Globo-dependente e assiste qualquer coisa, desde que passe na Globo, seja novela, reality show, esporte (futebol, fórmula 1, lutas selvagens), enfim qualquer vazio cultural. A Globo é que faz a agenda de vida destas pessoas.
Mas tem muita gente jovem, dinâmica, inteligente.  Paradoxalmente, alguns seguem Bolsonaro, Olavo de Carvalho.  São modernos, “antenados”, super atualizados, embora pensem exatamente como os pais e os avós, ou de forma mais retrógrada ainda.
Será que me esqueci de alguém? 

Nenhum comentário:

Mídia golpista hoje

Domingo é dia de folhear os jornalões e tentar entender o que a máfia dos barões da mídia está querendo que a gente acredite. O Globo, en...