Golpe Nosso de Cada Dia


Ler os jornalões no domingo não nos deixa esquecer: entra ano, sai ano, décadas se passam, e a mídia continua golpista aqui no Brasil. Basta comparar o comportamento da Folha, do Estadão e de O Globo.  Há 51 anos eles apoiaram o golpe fascista de 1964 e hoje apoiam o movimento golpista contra a presidenta democraticamente eleita.  As mesmas famílias que sempre tiveram o monopólio da comunicação o usam para manipular a opinião pública em prol de seus interesses.  Mesmo aqueles que não leem jornais por imaturidade, deficiência cognitiva ou alienação estão hipnotizados pela mídia na medida em que se “informam” por meio de fofoca, “achismo”, spam e não-notícias.  A grande mídia eventualmente tem um código de ética jornalística, mas é o tal do “me engana que eu gosto", já que não é isenta, plural, apartidária e independente como apregoa mentirosamente. Veríssimo sintetiza tudo isso ao dizer que “às vezes, a única coisa verdadeira num jornal é a data”.

Ao coxinha que imagina que a gente exagera quando chamamos esta mídia de PiG, partido da imprensa golpista, sugiro ler qualquer dia as seções de opinião dos jornalões.  Hoje mesmo se você ler com atenção e senso crítico as seções de editorial e tendências e debates da Folha, vai perceber como esse jornalão dá uma no cravo e outra na ferradura, morde e assopra, mas não esconde seus reais interesses, como fez quando deu apoio logístico à ditadura militar que chamou carinhosamente de “ditabranda” e sua dirigente confessou que era a mídia que fazia oposição no país.

Hoje o Estadão, em editorial, defende a farra dos institutos de pesquisas eleitorais, em nome da liberdade de expressão e de informação.  Também chama de “cinturão vermelho” os redutos petistas da periferia paulistana.  As colunas da Dora Kramer e da tucana Eliane Cantanhede, entre outras, ilustram bem o conservadorismo do Estadão, o que não é nenhuma novidade.  Aliás, novidade mesmo foi a matéria da revista Piauí sobre a rádio Jovem Pan: a nova sinfonia paulistana. A Jovem Pan virou porta-voz da extrema-direita ao dar voz apenas aos conservadores.

O destaque de O Globo hoje é que “documentos mostram que Lula fez lobby no exterior”.  É sério.  A mesma Globo que defende as empreiteiras estrangeiras para a exploração das nossas riquezas, diretamente em editoriais e também através de Ricardo Noblat, Merval Pereira, Miriam Leitão e outros da mesma linha editorial.

Outro dia um coxinha me perguntou: “então, você não lê nenhum dos jornalões?”.  Respondi que, ao contrário, procuro ler todos.  Sim, isso me dá condições objetivas de critica-los.  É preciso conhecer os que controlam as comunicações para saber o que eles pensam e tramam.  E ficar atento.

Comentários