domingo, março 01, 2015

Águas de março

A mídia continua firme em seu papel de partido político de oposição, manipulando corações e mentes. Mesmo assim, continuo arremessando a rede ou peneirando na esperança de encontrar algo que preste no PiG – partido da imprensa golpista. 
A Folha tucana, no sentido de que está sempre em cima do muro, traz hoje uma entrevista com o ex-tucano Bresser-Pereira, segundo o qual os ricos nutrem ódio ao PT e à Dilma, o que não é nenhuma novidade, claro. O pior é que muita gente de classe média tem opinião formada pela mídia pertencente a uma dúzia daqueles ricos. 
O Estadão, agora com a The Economist, explicita seu lado: o lado dos ricos, dos neoliberais, dos bancos especuladores e agiotas. É coerente, ao menos. O editorial é ilegível, a não ser para quem é de direita, e direita raivosa. Está bem no estilo Veja e Sheherazade. Mas meu destaque é para a matéria sobre outro tucano, o tucaníssimo Robson Marinho, o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado. Ele recebeu propina da Alstom, enriqueceu ilicitamente e lavou dinheiro no exterior. Como é tucano da gema, não existe para ele aquela indignação seletiva dos walking dead. 
Mas o melhor do Estadão hoje talvez seja a matéria sobre certo país imoral e comandado pelos bancos: a Suíça. Segundo Jean Ziegler, autor do livro “A Suíça lava mais branco”, existe uma corrupção institucional na Suíça. Não tem preço então ver a cara dos vira-latas que apregoam serem puros e superiores os europeus! 
Por falar em Suíça, e HSBC implicitamente, a única coisa que presta em O Globo, fora a comemoração dos 450 anos do Rio, é a coluna da Dorrit Harazim, “Incongruência de outra era”, sobre a legalização da maconha nos Estados Unidos e sobre a babel jurídica que reina por lá – outro tapa na cara dos coxinhas que idolatram Patópolis. 
Na mídia alternativa, ou nos blogs sujos, como diriam os vendilhões da pátria, destaco hoje o blog do Nassif. Todos os posts são interessantes e particularmente estes dois: 
Esta guerra precisa de um novo campo de batalha”, sobre a necessidade de se ter maioria legislativa para que se possa mudar o país, e 
 “Os grupos por trás dos movimentos de massa”, sobre espontaneidade, manipulação das massas e Facebook.

Um comentário:

Roberto S. Chiandotti disse...

Da hora. Vou ler o nassif

Mídia golpista hoje

Domingo é dia de folhear os jornalões e tentar entender o que a máfia dos barões da mídia está querendo que a gente acredite. O Globo, en...