Veja o apogeu da enganação

A apenas quatro dias da virada do ano, e da posse da presidenta, parte da mídia ainda está inconformada com a vitória popular nas urnas.  É o caso do Estadão, cujos editoriais seguem aquela linha panfletária e reacionária da revista VejaQueNojo.  O despeito fica claro no editorial de hoje, ‘o consumo da informação’, ao festejar o resultado da Pesquisa Brasileira de Mídia 2015, que ainda aponta o jornal como o meio de comunicação mais confiável. Dos entrevistados, 58% confiam nos jornais enquanto que de 67% a 71% não confiam em sites, blogs e redes sociais. Jornalão dos Mesquita fala em credibilidade e ‘bom jornalismo’, mas esquece de que para isso é necessário isenção, independência, apartidarismo e pluralismo.  Com medo da regulação da mídia, esquecem-se do princípio do contraditório e da ampla defesa.
A Folha, para variar, está em cima do muro e dá um refresco.  O editorial ‘Dilma 2.0’ é um retrato disso. O melhor do jornalão dos Frias ainda é a coluna do Janio de Freitas: ‘Como um paredão’ aborda de forma equilibrada inclusive o novo ministério da Dilma.
O Globo, embora cada vez mais parecido com a Época e seu modelo, a Caras, dá uma lição sobre o contraditório e a ampla defesa, ao abordar a questão do MERCOSUL e incluir a opinião do deputado federal Dr. Rosinha (PT-PR).
A VejaQue Nojo diz que pagou mico em 2014, o apogeu da enganação.  Não li e não vou ler, mas talvez se refiram também à maior barriga jornalística de sua história, o caso Boimate.
A QuantoÉ dependente continua com aquela ladainha que é o novo mimimi dos derrotados nas urnas, da ‘nova oposição’.  Festejam a ascensão da velha direita, com Caiado, Bolsonaro e os fascistas de sempre.
A Época, imprensa rosa, que inspira o jornal dos Marinho, mal disfarça o pensamento coxinha que festejou Joaquim Barbosa e agora tieta Venina Velosa da Fonseca. Jornalismo de esgoto não merece comentários.
Foi-se o Natal.  Então é Ano Novo. Feliz 2015 para todo mundo, inclusive os walking dead teleguiados por nossa mídia sempre golpista.

Comentários

Feliz 2015 pra você também, Luizão!