Leitura de domingo - Mídia e Judiciário elegerão o candidato do retrocesso?



A Folha, um jornal a serviço do conservadorismo, continua a favor de Aécio, mas sem assumir em seu editorial de hoje, em que faz de conta que é neutra.  Vale a pena dar uma olhada na coluna da ombudsman (por que não ombudswoman?) Vera Guimarães Martins, mas quem salva a edição é o Janio de Freitas, que comenta a censura imposta pelo TCE a uma semana do segundo turno.
O Estadão, que não dissimula e se declara conservador, ilustra bem seu partidarismo hoje no editorial 'a esperança contra o ódio'.
O Globo, como era de se esperar, apoia a censura do TSE a esta altura do jogo por causa do “desvirtuamento da campanha eleitoral”, em editorial claramente oposicionista.
A Veja, claramente de direita, continua em sua apaixonada cruzada contra o PT, Lula e Dilma, estampando o doleiro Youssef, segundo o qual em 2010 a campanha de Dilma recebeu dinheiro desviado da Petrobras.
A IstoÉ, que agora parece reivindicar o título de porta-voz número um da direita, estampa “Corrupção: você aceita isso?”, afirma que a campanha de Dilma usa a mentira como arma, e comemora Aécio ‘13’ pontos na frente.
A revista Época, da Globo, jornalismo rosa, está cada vez mais parecida com a “Caras” e o destaque, além da torcida por Aécio, é a foto dele beijando as mãos de Marina, que aparece nas redes sociais como a “noiva cadáver”.  Aliás, ela tinha dito que não subiria no palanque do PSDB, mas novamente mudou de ideia e fez isso no Pará. É a ‘nova política’ da santa do pau oco.
Das revistas semanais a exceção é a CartaCapital, a única favorável à reeleição da Dilma e não alinhada ao jornalismo subordinado aos interesses dos Estados Unidos e de Israel. Aliás, destaca esta semana que prisioneiros de guerra de 1948 a 1955 sofriam com miséria, falta de higiene, fome, doenças, trabalho forçado, tortura e tentativas de fuga punidas com execuções em campos de concentração de Israel para palestinos.
Como pudemos acompanhar nos últimos meses, a mídia não mudou de lado: é conservadora e combate todo e qualquer governo que tenha a ousadia de ficar do lado do povo e do trabalho em detrimento das elites e do capital.  Foi assim com João Goulart de 1961 a 1964.  E tem sido da mesma forma nos últimos 12 anos.  Elegeu Collor em 1989 e o forçou a renunciar em 1992.  Domingo que vem veremos se ainda tem força para eleger e derrubar presidentes no Brasil. Está perto de seu objetivo, já que desta vez tem o apoio do Judiciário.  Quem duvida, basta lembrar que o mensalão original, tucano, prescreveu.  E, como lembrou Dilma no debate da Bandeirantes, não há sequer um condenado cumprindo pena pelos diversos escândalos promovidos pelo PSDB durante a gestão FHC e os governos estaduais tucanos.  A Justiça é como as víboras, que só picam os pés descalços. Outro fator que vai pesar nestas eleições é o renascimento do fascismo, que já cresce na Europa e nos Estados Unidos, agora entre nós, como bem lembra o Paulo Moreira Leite.
Hoje o blog indicado é o do PML, citado acima.
A hora é de esquecer divergências e votar conscientemente para garantir que o país mude mais, com mais democracia e mais justiça social.  Para isto, reitero meu voto em Dilma.  Boa semana a todos.

Comentários