domingo, agosto 31, 2014

Leitura de domingo

Faltando cinco semanas para o primeiro turno das eleições, a ‘ombudsman’ tenta explicar por que a Folha não assume uma candidatura, como sempre fez o New York Times e vem fazendo o Estadão.  Desde os tempos da universidade a Folha foi meu jornal preferido por duas razões.  Sempre foi muito inovador na forma, na diagramação, nas cores etc..  Sempre deu espaço a opiniões diversas.  Achei estranho o comportamento do jornal já em 1992, quando participou da campanha da revista Veja contra Collor, que tinha sido o queridinho da mídia em 1989.  Mas confesso que só conheci mesmo a Folha depois de 2003, no governo Lula.   Em 2009 em editorial criticando Hugo Chávez, a Folha usa o termo ‘ditabranda’ para o fascismo que vivemos de 1964 a 1985.  Em 2010 sua executiva e presidente da ANJ (Associação Nacional de Jornais), Maria Judith Brito, assumiu a imprensa como partido político.  Em 2011, em seu aniversário de 90 anos, a Folha finalmente confessou sua participação na ditadura militar.  Agora, a Folha em propaganda, para mim política-eleitoral, se diz contra a política econômica.  Entre os colunistas, hoje vemos uma Cantanhede desolada com o desempenho de Aécio nas pesquisas, e o Jânio de Freitas outra vez brilhante ao mostrar a igualdade dos programas de governo de Aécio e de Marina: “Um em dois”.
O Estadão diz que Marina divulga ‘errata’ e reduz apoio à causa gay, enquanto Malafaia diz que ‘melhorou muito’ o plano de governo dela após esta mudança.  Marina, se eleita, colocará em xeque o modelo de coalizão e, com base pequena, deverá negociar cada projeto, dependendo muito do PSDB.  O jornalão destaca que, para Dilma, a democracia não funciona sem partidos e quem não governa com partidos flerta com autoritarismo.
O Globo destaca que o programa de Marina trará gastos adicionais de R$95 bi ao ano.  E pergunta se Marina, candidata em metamorfose, é evolução ou incoerência.  A urubóloga Miriam Leitão fala em recessão e é só pessimismo.  E os rola-bostas Merval e Noblat pedem voto útil em Aécio.
O destaque do Jornal do Brasil é a intolerância racial, que realmente chamou a atenção nesta semana depois do que ocorreu no jogo Grêmio X Santos.  O negro é considerado ‘macaco’, ‘escravo’ e ‘ladrão’ por enorme quantidade de jovens que usam o Facebook.  Observem que o preconceito não é dos pais ou dos avós, mas dos jovens!  Os mesmos jovens que ‘brigam’ por mais e melhor educação, mas não titubeiam um segundo antes de mandar qualquer um tomar naquele lugar.
Nosso pasquim fascista, a Veja, continua como sempre em sua cruzada contra Lula, Dilma e o PT.  Não tem nenhuma credibilidade, a não ser para seu vil público.  Essa revista, que pertence à bilionária famiglia Civita e ao grupo racista sul-africano Naspers, é o melhor exemplo daquilo que foi previsto sabiamente por Joseph Pulitzer: “Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil como ela mesma”.  Veja não merece nenhum comentário, assim como a revista Época, imprensa rosa.
Em “a nova roupa da velha política”, a IstoÉ afirma que Marina se apresenta como novidade no discurso, mas para chegar ao poder recorre a antigas práticas.  E mostra os ‘companheiros’ dela: Heráclito Fortes, Roberto Freire e Paulo Bornhausen, ou seja, a parte da direita que já abandonou Aécio.  Destaca também o fato de que o jovem, sendo um terço do eleitorado, poderá decidir quem vai comandar o país.  Considerando a ignorância e a alienação desses moços, isto se torna preocupante.
A CartaCapital destaca o que disse Jean Wyllys: “Marina, você brincou com a esperança de milhões de pessoas”.  E revela que em 1970 a ditadura usou armas químicas (bombas de napalm) no Vale do Ribeira contra a VPR (Vanguarda Popular Revolucionária) de Carlos Lamarca.
Hoje finalizo com as palavras de Millôr Fernandes: “A imprensa brasileira sempre foi canalha. Eu acredito que se a imprensa brasileira fosse um pouco melhor poderia ter uma influência realmente maravilhosa sobre o País. Acho que uma das grandes culpadas das condições do País, mais do que as forças que o dominam politicamente, é nossa imprensa. Repito, apesar de toda a evolução, nossa imprensa é lamentavelmente ruim. E não quero falar da televisão, que já nasceu pusilânime”.
P.S.: O blog da vez é o Viomundo, do Azenha.  É indispensável para que a gente fique imune às falcatruas da máfia da grande imprensa.

Um comentário:

Roberto S. Chiandotti disse...

Ora pois, ontem no supermercado estava la o folhetim, sem o plastico que protege todas as outras revistas contra o po e a leitura 'inadvertida', reinando nas gondolas dos caixas. Pois um casal jovem comecou a pilheriar contra o mesmismo das revistas, falta de conteudo, etc. E nao eh que uma senhora muito 'humilde', atras de mim, vira-se e fala sobre o folhetim, dizendo que nao usa as folhas dele nem para cobrir o fundo da caixinha dos gatos, pois eles urinam e cagam fora. Tem gente que nao se importa de ser penico daquela desgraca.

Jornal só serve para embrulhar peixe?

Síntese do golpe de 2016 Conheci gente que, quando abria um jornal, ia direto e somente às seções de esporte, diversão e lazer.  Ho...