Capas das principais revistas semanais

É muito interessante e didático analisar as capas de nossas revistas semanais de notícias, atualidades e variedades:
  • CartaCapital: Vale tudo. Por 1 minuto e 43 segundos na tevê, o PT troca Luiza Erundina por Paulo Maluf.
  • Época: Não vale tudo. A reação ao acordo de Lula com Maluf mostra que o Brasil exige um mínimo de coerência dos políticos.
  • IstoÉ: Vale tudo? Para ganhar tempo de TV durante a campanha, políticos fazem alianças com antigos inimigos e perpetuam uma prática que está na origem dos escândalos de corrupção no País.
  • Veja: Lula malufou! A cara de pau e o cinismo na política brasileira.
Uma simples observação das imagens, fotografias ou desenhos, além da leitura das manchetes e dos destaques, deixa claro qual é a linha editorial de cada revista e a que público cada uma delas se destina.
A CartaCapital exercita certo ativismo de centro-esquerda e tem apoiado quase sempre os governos Lula e Dilma. Digo quase sempre porque às vezes a revista discorda e faz críticas às escolhas petistas. Um exemplo foi o caso Battisti. Outro poderia ser a capa dessa semana, que põe a foto do Maluf em primeiro plano e, por isso, para muita gente lembra as capas panfletárias da Veja. Por outro lado, nesta semana ela mostra bem qual foi a motivação da aliança PT-PP em São Paulo: o tempo de TV.
Surpreendentemente, a Época, que é da Globo e, portando, de direita, apresentou uma capa razoavelmente discreta e isenta, já que o tema ficou em segundo plano. Aliás, no mesmo plano de um destaque para dois ex-dirigentes do DEM que denunciam desvio de dinheiro do partido na Bahia e no Acre. Vale a pena ler também um artigo do Paulo Moreira Leite, “Contrabando ideológico do Paraguai”. Fiquei surpreso já que os Marinho praticam um parajornalismo similar ao praticado pelas famiglias Civita, Mesquita e Frias.
A IstoÉ, que se diz independente com jornalismo crítico, plural e democrático, coerente com seu centrismo, demonstra equilíbrio e equidistância, apesar da capa com a charge de Lula, Maluf, Serra e Alfredo Nascimento. Ela destaca as negociações por tempo de TV e futuros cargos que estão sendo conduzidas por todos os partidos em todo o país. Alckmin, o Picolé de Chuchu da Opus Dei, ao se recusar a nomear mais um apadrinhado de Maluf, além daquele que já está no CDHU, prejudicou o Çerra porque Maluf acabou optando pelo PT por um cargo no Ministério das Cidades. Mas o Zé Chirico logrou o apoio do PR do “mensaleiro” Valdemar Costa Neto e do ex-ministro dos Transportes Alfredo Nascimento, dispensado por corrupção na faxina da Dilma.
A Veja, folhetim de extrema direita que tem controle acionário do grupo racista sul-africano Napster, dá em segundo plano a manchete citada acima, em que se vê bem o linguajar panfletário e abertamente crítico ao PT, Lula e Dilma. Para não variar, a Veja, associada à gangue do Carlinhos Cachoeira, não pratica jornalismo, mas sim militância político-ideológica.
Ao ver a foto de Lula e Haddad cumprimentando Maluf para selar a aliança PT-PP cujo objetivo é defenestrar os demotucanos da prefeitura paulistana, confesso que senti um pouco de náusea. Lembrei do Paulo Betti, que disse que "não dá para fazer política sem botar a mão na merda", e de Groucho Marx, que disse: "Esses são os meus princípios, e se você não gosta deles...Bem, eu tenho outros". Mas citaria também Wagner Tiso, que disse: "Não estou preocupado com a ética do PT. Acho que o PT fez um jogo que tem que fazer para governar o país". Lamentei essa realpolitik e o pragmatismo dos fins justificando os meios, mas não a ponto de mudar ideologia e voto. Reconheço que aquela foto não ajuda em nada a imagem da política para os alienados e os mal-informados, mas espero que os votos dos malufistas ajudem a derrotarmos o "jênio" do aborto e da bolinha de papel.

Comentários

Anônimo disse…
Me desculpe, mmas coerência é fundamental, e usar jargões e frases feitas para justificar a decadência não aliviam minha grande , enorme surpresa. Se o Serra tivesse feito isto não seria surpresa. Apoiar que os fins justificam os meios....é ser cego. Eu por mim ,com algumas exceções, não voto mais no PT. São farinha do mesmo saco. A Erundina mostrou coerência. O PT só fez ccpiar o PSDB no governo, mantendo a politica econômica, o que foi bom, mas de resto copiaram tudo que era ruim também. Não podemos ser cegos: O sonho do Lula é ser o Hugo Chaves, e o do Hugo Chaves é ser o Fidel. Esta é a nossa America Latrina. Nossa falsa esquerda sempre sonhou em ser direita, e usufruir das regalias que adireita sempre desfrutou. Sinceramente estou sem esperaça. A unica decisão é que PT nunca mais...