Veludo Azul

Que filme! É o que expressei ao rever depois de muito tempo essa obra-prima do David Lynch: "Veludo Azul" (Blue Velvet, 1986). Nele, Jeffrey Beaumont (Kyle MacLachlan, das séries Twin Peaks e Desperate Housewives) acha por acaso uma orelha humana jogada no mato e daí resolve investigar junto com a filha do detetive Williams (George Dickerson), Sandy (Laura Dern). Aí ele descobre um mundo que é exatamente o oposto de sua cidade natal, Lumberton, típico paraíso do american way of life. Aquele mundo estranho, surpreendente e desconhecido é povoado pela violência e insanidade do vilão Frank Booth (Dennis Hopper, magistral), além da beleza e sensualidade da cantora Dorothy Vallens (Isabella Rossellini, magnífica). Se você procurar, vai achar resenhas mais completas e criativas a respeito desse filme. Por isso, vou-me limitar a destacar a trilha sonora. A cena em que Ben (Dean Stockwell) imita Roy Orbison em "In Dreams" é antológica. Mas a Isabella Rossellini interpretando a canção de Bernie Wayne e Lee Morris, eternizada por Bobby Vinton, é inesquecível. Veja a letra a seguir e o vídeo no YouTube:
She wore blue velvet, bluer than velvet was the night, softer than satin was the light from the stars.
She wore blue velvet, bluer than velvet were her eyes, warmer than May her tender sighs.
Love was ours, ours a love I held tightly, feeling the rapture grow, like a flame burning brightly.
But when she left, gone was the glow of blue velvet.
But in my heart there'll always be precious and warm, a memory through the years and I still can see blue velvet through my tears.

Comentários

Artur disse…
Meu caro Luiz sublime é o Twin Peaks, este David Lynch tem ou alguns parafusos a menos na cabeça ou uma tonelada a mais.
Ele e o Cronemberg são dois que deveriam receber dois Oscar e meio.