domingo, maio 16, 2010

A Carruagem Fantasma

Este é virtualmente um dos melhores filmes que já vi em toda a minha vida! Se a gente considerar que ele foi realizado em 1921, então de fato é o melhor de todos. Extraordinário! Contudo, não recomendo para quem pensa que cinema são aqueles blockbusters americanos para se ver comendo pipoca e tomando coca-cola e esquecer no dia seguinte porque já será apenas um filme velho.
"A Carruagem Fantasma" (Körkarlen, 1921) foi escrito e dirigido pelo sueco Victor Sjöström, que também atuou interpretando David Holm, o principal personagem do romance da conterrânea Selma Lagerlöf. O filme é mudo, com legendas originais em sueco. É branco e preto com tons azulados nas tomadas externas, amarronzados nas tomadas internas e avermelhados nos flashbacks. Com forte influência cristã protestante, o filme é moralista, atribui quase todos os males ao alcoolismo, e prega a possibilidade de salvação. David Holm é um mendigo e bêbado decadente, abandonado pela mulher, que foge com seus filhos. Ao perseguir a mulher através da Suécia, uma noite ele é recebido em um abrigo do Exército da Salvação. Lá, a irmã Edit (Astrid Holm) o acolhe e passa a amá-lo secretamente até o fim, mesmo depois de ser contagiada com a tuberculose dele e, pior, saber que ele é casado. Aliás, Edit promove o reencontro dele com a família, com a qual ele protagoniza a famosa cena da machadada na porta, copiada por Stanley Kubrick em "O Iluminado" (The Shining, 1980). Se for a última a pessoa a morrer na véspera de Ano Novo, David será condenado a ser o cocheiro da carruagem da morte durante o ano seguinte. A cena do espírito dele saindo do corpo foi copiada por Steven Spielberg em "Além da Eternidade" (Always, 1989). Naquela época o filme já apresentava efeitos especiais por conta da arte cinematográfica de Julius Jaenzon! É claro que não se comparam aos efeitos especiais obtidos com a tecnologia de hoje, sem os quais nada restaria da maioria dos filmes atuais. Bem, não vou contar todo o filme. Mas vale lembrar que Sjöström também dirigiu nos Estados Unidos o ótimo "Vento e Areia" (The Wind, 1928) e terminou sua carreira interpretando o Dr. Isak Borg em "Morangos Silvestres" (Smultronstället, 1957), homenagem de seu seguidor, o mestre Ingmar Bergman.
Os cinéfilos podem curtir uma amostra no YouTube:

Um comentário:

Roberto S. disse...

... e pior falar em cine, recordei este final de semana um dos filmes obrigatorios na "disciplina": Queimada (burn) de Gillo Pontecorvo. Otima obra mas conhecida apenas nos ditos "circuitos alternativos" que versa sobre a transição do trabalho escravo para o trabalho assalariado, tendo como pano de fundo o império britanico e das corporações que no fundo são os grandes beneficiarios do sistema economico. Audiencia obrigatoria!

Jornal só serve para embrulhar peixe?

Síntese do golpe de 2016 Conheci gente que, quando abria um jornal, ia direto e somente às seções de esporte, diversão e lazer.  Ho...