domingo, fevereiro 07, 2010

Valsa com Bashir

A produção de cinema é tão grande e variada que não consigo ficar atualizado o tempo todo. Freqüentemente eu comento filmes que "todo mundo" já viu. Você já deve ter notado que gosto de revisitar os antigos clássicos como, por exemplo, aqueles de estilo film noir. Bem, desta vez consegui ver "Valsa com Bashir" (Vals Im Bashir, Ari Folman, 2008). O nome Bashir refere-se a Bachir Gemayel (pode haver diferenças na grafia), líder cristão maronita falangista que foi eleito presidente do Líbano durante a ocupação israelense em 1982. Bachir foi assassinado em um atentado, antes mesmo de tomar posse. No mesmo ano, os cristãos falangistas perpetraram o conhecido massacre de Sabra e Chatila, com apoio e cobertura do exército israelense. Estima-se que 3500 palestinos e libaneses, na maioria mulheres, crianças e idosos, foram assassinados a sangue frio dentro daqueles campos de refugiados. Os autores foram os cristãos de direita, assistidos a poucos passos pelos soldados israelenses sob comando do criminoso de guerra e moribundo Ariel Sharon. No filme, que é um documentário animado, o diretor, que é veterano israelense dessa primeira guerra do Líbano, busca lembrar dos eventos ocorridos durante o massacre.
Para ser franco, achei bastante cínico este filme, que foi produzido com o apoio do governo israelense. Parece mais uma desculpa do tipo "Opa, foi sem querer, não tive culpa!", como se fosse um pequeno engano ou acidente. Não é anti-semitismo, mas a história tem mostrado que vítimas podem transformar-se em algozes e que existem criminosos assassinos em todas as religiões.

Nenhum comentário:

Mídia golpista hoje

Domingo é dia de folhear os jornalões e tentar entender o que a máfia dos barões da mídia está querendo que a gente acredite. O Globo, en...