sábado, janeiro 31, 2009

A espiã e o livro preto

Depois de um começo razoável com "Robocop - O Policial do Futuro" (Robocop, 1987), "O Vingador do Futuro" (Total Recall, 1990) e "Instinto Selvagem" (Basic Instinct, 1992), veio o período tenebroso com "coisas" como "Showgirls" (1995), "Tropas Estelares" (Starship Troopers, 1997) e "O Homem sem Sombra" (Hollow Man, 2000). Refiro-me ao holandês Paul Verhoeven, que finalmente acertou a mão ao dirigir "A Espiã" (Zwartboek, 2006), que estreou aqui há um ano e está nas locadoras.
Resumo da ópera: depois que o esconderijo da cantora Rachel Stein (Carice van Houten) é destruído pelos nazistas que ocuparam a Holanda, ela tenta fugir com outros judeus, mas são interceptados pelos alemães e somente ela sobrevive. Então, com o nome de Ellis de Vries, entra para a resistência e se infiltra como espiã entre os nazistas.
Até que enfim um filme do Verhoeven que vale a pena ser visto e revisto! Confira.

Nenhum comentário:

Mídia golpista hoje

Domingo é dia de folhear os jornalões e tentar entender o que a máfia dos barões da mídia está querendo que a gente acredite. O Globo, en...