domingo, janeiro 28, 2007

A Corrente do Bem

Tanta gente aconselhou que resolvi ver "A Corrente do Bem" (Pay It Forward, 2000, Mimi Leder). Bem, o filme não é extraordinário. É até meio piegas, mas vale a pena, principalmente pelas atuações do Kevin Spacey - o professor Simonet de Estudos Sociais, da Helen Hunt - Arlene, a moça simples que tem dois empregos e um problema com a bebida, e do Haley Joel Osment - Trevor, o garoto que tenta colocar em prática uma idéia para melhorar o mundo. Osment esteve melhor em "O Sexto Sentido" (The Sixth Sense, 1999, M.Night Shyamalan) e em "Inteligência Artificial"' (Artificial Intelligence: AI, 2001, Steven Spielberg) . Spacey está longe do que foi em "Os Suspeitos" (The Usual Suspects, 1995, Bryan Singer), "Seven" (Se7en, 1995, David Fincher), "Los Angeles: Cidade Proibida" (L.A. Confidential, 1997, Curtis Hanson) e "Beleza Americana" (American Beauty, 1999, Sam Mendes). E a Helen Hunt não está tão magnífica como esteve em "Melhor Impossível" (As Good as It Gets , 1997, James L. Brooks). Embora este não seja o melhor filme desse trio, de qualquer forma foi ótimo vê-los atuando. Cabe lembrar que um bom filme não é apenas aquele de que gostamos. Não é simples definir o que é um bom filme, mas certamente é o resultado de um trabalho de equipe, que depende do produtor, do roteirista, do diretor e dos atores, entre tantos profissionais.

Nenhum comentário:

Por que não vou torcer para a Croácia

A seleção croata continua enaltecendo o fascismo Outro dia um apresentador do BBB, da Globo, deu a entender que não se deve misturar ...